Por menos gritos, muros e ódio nos discursos dos meus amigos de Facebook

Não posso simplesmente deletar minha conta do Facebook, porque trabalho com o Facebook. Faz parte das minhas funções profissionais. Também é por esta rede social que melhor divulgo os posts deste blog de estimação.

Mas, se pudesse, já teria mandado esse circo do tio Zuckerberg pelos ares!

A culpa não é do Facebook, é claro. Ele é apenas um espelho (meio retorcido) da sociedade do lado de cá das telas. E é claro também que leio muitos textos legais ali dentro. Saio curtindo uma porção de fotos incríveis de pôr-do-sol lindo na praia tal, de bebê fofo fazendo uma estripulia, de casais apaixonados celebrando a vida. Dá até para ficar relativamente por dentro da vida de meia dúzia de amigos sumidos que os robozinhos do Facebook permitem que eu veja com frequência em minha timeline.

Essa parte é a parte boa.

Mas quando, vez ou outra, resolvo ler mais a fundo os textões e textinhos que são compartilhados ali, saio meio zonza, com uma sensação de embrulho no estômago, de ter levado mil pauladas. Mal estar danado. Continuar lendo

Anúncios

15 textos sobre o caos político das últimas semanas

País dividido. Foto de Lincon Zarbietti para o jornal "O Tempo"

País dividido. Foto de Lincon Zarbietti para o jornal “O Tempo”

Os acontecimentos no país andam tão turbulentos que é difícil tecer qualquer comentário ou análise sobre tudo isso. Num dia, uma revista divulga vazamento de uma delação que ainda nem havia sido homologada, implicando, ainda que sem provas, Dilma e Lula em esquema de corrupção. No dia seguinte, o ex-presidente é levado à força para depor. Logo depois, milhares vão às ruas protestar contra o governo. Aí a delação é homologada e descobrimos que ela também implica, ainda sem provas, o presidente do maior partido de oposição, Aécio Neves, em transações suspeitas. Continuar lendo

Um beijaço diferente

Em Brasília houve beijaço.

Nas redes sociais, houve beijaço.

Homens beijaram homens, mulheres beijaram mulheres, homens e mulheres se beijaram.

O objetivo das manifestações de carinho era protestar contra o pastor Feliciano, que, afinal, já está-se apagando aos poucos.

Ontem, ao ler a “Ilustrada”, da “Folha”, vi o melhor de todos os beijaços. Os melhores quadrinistas do país, Laerte entre eles (que, como se sabe, é transgênero), aderiram ao protesto político:

Tirinhas publicadas na Folha de 25.4.2013.

Tirinhas publicadas na Folha de 25.4.2013.

Também foi na “Folha” que li o melhor comentário sobre a discussão entre Pastor Feliciano e homossexuais, publicada no “Painel do Leitor”, que partiu de uma evangélica:

“Sou evangélica e Feliciano não me representa!
Ele não tem postura alguma para presidir uma Comissão de Direitos Humanos. Não porque não concorda com o casamento gay ou por outras crenças que ele possui. Afinal, nós, evangélicos, também não concordamos.
Mas o Estado é laico. E sou grata a Deus por ser assim. Quantas atrocidades não acontecem num governo que está envencilhado à religião. Assim como eu tenho uma crença e quero ser respeitada, o meu próximo também quer.
Concordo totalmente com Frei Betto (“Infelicianeidade”, Tendências / Debates, 12/4), Cristo jamais condenou ou expôs qualquer pessoa. Se os africanos possuem uma maldição, o que somos por compactuar com a escravidão no Brasil? Benditos?
Daniela Gattermaier Azevedo (Guarulhos, SP)”

Aplaudo os protestos inteligentes, como este feito pelos cartunistas e pela Daniela Azevedo. E mantenho aqui meu protesto contra os que partiram para a agressão, se igualando ao pastor.

O mundo está mudando para melhor — que as formas de protestar contra os problemas acompanhem esse progresso.

Manifesto a favor do direito de divergir

Grafite de Leandro Larangeiras.

Grafite de Leandro Larangeiras.

Quando o jornalista Beto Trajano trabalhava em parceria com o Ministério da Cultura, em 2007, ele participou de uma edição da Teia, aqui em Beagá. Com a veia de agitador que ele sempre teve, começou a causar polêmica entre os participantes, ao defender mudanças no modelo das leis de incentivo à cultura, dentre outras questões.

Logo no primeiro dia, ao perceber que tinha virado, involuntariamente, um centro de discórdia, Beto transformou suas ideias num manifesto, ilustrado por seu amigo Leandro Larangeiras, e o distribui a todos.

Resultado: com um texto muito mais sóbrio, e com a temperança necessária, ele fez as pessoas refletirem sobre as diferenças de ideias e a falta que um pouco de tolerância faz. No final, aqueles que o tinham discriminado acabaram virando seus amigos.

O manifesto permanece atual ainda hoje:

Não sou igual a você

Topar de cara com realidades e ideologias diferentes da sua é algo estranho para qualquer pessoa. Nem sempre pode ser bom, mas sempre trará algum benefício. Crescer com as divergências, poder conhecer e aceitar diferentes formas de pensamento, ideologias e costumes é um grande desafio para o ser humano.

Saber que ao seu lado tem uma pessoa que pensa diferente de você e faz coisas que você não faz e vive outras realidades que nada tem a ver com a sua desperta emoções inesperadas em qualquer pessoa. Pode ser alegria, raiva, tristeza, amor etc. Não é possível prever como receberemos uma diferente forma de viver.

O que vale a pena quando o seu grupo entra em choque com outro grupo? Brigar, discutir, partir para a agressão – isso é fácil. Difícil mesmo é aceitar a ideia do outro e saber que, assim como você, o outro tem seus costumes, suas crenças e comportamentos e que ele vai defendê-los, assim como você defende os seus. Difícil é viver em paz com o vizinho totalmente diferente de você.

Se todos fossem iguais, a vida seria muito sem graça. Olhar para o lado e não ver nada diferente seria muito ruim. É um desafio para o ser humano conviver pacificamente com as diferentes formas de viver. Será que você consegue?”