Fala, povo!

Prazer, sou a Kika

Antes de mais nada, já sou velha nesta história de internet.

Logo que instalamos internet em casa, em 1999, descobri um tal de um site chamado Fulano, onde havia um espaço para postar críticas de filmes. Foi lá que me cadastrei pela primeira vez como “kikacastro”, uma homenagem à minha maltesinha que tinha acabado de morrer. Fiz mais de cem resenhas, ganhei uns premiozinhos (tipo o VHS do incrível “Quase Famosos” e a camisa laranja do Fluminense), conquistei dois amigos pelo interfone do Fulano (precursor do scrap) e, graças àquela sorte que só eu tenho, resolvi salvar todos os textos no Word apenas uma semana antes de o site decidir eliminar essa seção e, com ela, os trabalhos de suas centenas de colaboradores. Essas críticas – ao menos as melhorzinhas – serão publicadas neste blog da kikacastro vez por outra.

Em 2002, comecei a enviar emails sobre política para meus contatos na internet e, aos poucos, fui montando uma rede de amigos virtuais que eram atualizados constantemente com meus comentários, aos moldes do que hoje chamamos de newsletter. Guardo até hoje, daquele tempo, a amizade com o blogueiro Ricardo Moura Faria, do Boletim Mineiro de História, que ainda reproduz alguns dos textos que eu e meu pai, o jornalista José de Souza Castro, escrevemos.

Em 20 de março de 2003, nasceu o Tamos com Raiva, criado em parceria com a amiga Maria Tereza Novo Dias e depois tocado por mim e por meu pai. Era um espaço para discussões sobre política, local, nacional e internacional, que surgiu como um protesto contra a invasão norte-americana no Iraque e perdurou até as eleições de 2006, o referendo sobre as armas, as eleições de 2008… Acabou exatamente cinco anos, seis meses, dez dias e 100.000 visitantes depois, por falta de tempo e de ânimo.

Nessa época eu já estava trabalhando na Folha de S.Paulo e já colaborava esporadicamente com o blog Novo em Folha, da Ana Estela de Sousa Pinto, editora de Treinamento. Passei a escrever ainda com mais frequência lá a partir de abril de 2009, quando me tornei assistente daquela editoria, onde fiquei até agosto de 2010. O blog é voltado principalmente para estudantes de jornalismo e conta como é a rotina da profissão, quais os aprendizados, como podemos nos aperfeiçoar na carreira. Acabou inspirando o livro A Vaga é Sua, que escrevi em coautoria com a Ana.

Ao mesmo tempo, criei uma conta no microblog Twitter, onde falo asneiras, reproduzo os posts do Novo em Folha, divulgo coisas legais que encontrei pela internet afora, arroto indignações políticas à Tamos com Raiva e reitero minhas asneiras.

Este blog da kikacastro pretende ser uma extensão do meu twitter, retomando tentativas anteriores, acrescentando meus poemas, ainda não publicados, e enfatizando os nacos de vida que merecem ser lembrados. O jornalismo permeará tudo isso, por ser meu segundo fígado, mas não será meu foco. Até porque fica decretado, desde já, que aqui é minha rede e, enquanto aqui, estou de pernas para o ar.

Anúncios