Carta a Lula da Silva

Texto escrito por José de Souza Castro:

Está difícil escrever sobre tudo o que assisti e li hoje, mas essa carta de Eugênio Aragão, o último ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, diz muito do que estou sentindo neste momento, depois de ver Lula saindo a pé do Sindicato dos Metalúrgicos, onde uma multidão impediu que ele saísse de carro, para se entregar à Polícia Federal e ao juiz Moro. Tirei a carta do Diário do Centro do Mundo, enquanto escuto, no meu bairro, o espocar de foguetes e o som estridente de buzinas…

Foto: Paulo Pinto/FotosPublicas

À carta:

“Lula, sem querermos incorrer na rasa pieguice, precisamos dizê-lo hoje mais do que nunca: você fez muito para nós, brasileiras e brasileiros. Você mostrou que há um Brasil inclusivo possível, um Brasil onde todas e todos cabem, sem distinção de gênero, renda, origem, cor, credo ou opção sexual. Um Brasil generoso que nem você, que a maioria de nós só imaginava em sonho. Você tornou um pouco desse sonho real.

Você ensinou tolerância, respeito aos que pensam diferente, amor aos que dele carecem. Onde passa, você cativa, abraça e beija. E o faz com sinceridade, mostrando que a empatia não é uma mercadoria só encontradiça em campanha eleitoral.

Você irradiou esperança, sem iludir ninguém. Nunca se perdeu pelo caminho fácil dos rótulos e chavões. Foi sincero e verdadeiro, coisa que é tão rara de se encontrar num meio onde o poder é disputado sorrateiramente, com quimeras e mentiras. Você não hostilizou os hipócritas, mas não se rebaixou a eles.

Foto: Paulo Pinto. Leia AQUI a íntegra do discurso de Lula antes de se entregar.

Acusaram-no de ter confiado demais nos políticos da tradição patrimonialista, o que não é verdade. Você precisou de base para governar e criou um consenso parlamentar inédito para isso. Só com ele foi possível atender à dívida secular com a massa de excluídos deste país. Não pôde barrar ninguém que se dispusesse a lhe dar apoio nessa empreitada, ainda que, depois, muitos vieram a traí-lo.

Mesmo traído, nunca quis mal aos traidores. Estendeu-lhes a mão, mostrando que o interesse do país é maior que as emoções pessoais. Não cultivou ressentimentos e mostrou a nós que política se faz com a cabeça e o coração, mas jamais com o fígado e a bílis.

Apesar de injustiçado, fez questão de honrar todas as vias processuais, todas as instâncias decisórias para reverter uma sentença sórdida, politiqueira, corporativa e meganhocrata. Mostrou paciência e respeito pelas instituições, mesmo quando, irritadas e açodadas, não o respeitaram. Esgotou todos os meios e mostrou uma fé inquebrantável na Constituição que jurou cumprir como presidente da República.

Você é muito maior que os que o ousaram julgar, não pelos cânones legais, mas por vaidade ou pusilanimidade, por preconceitos falso-moralistas, por arrogância ou prepotência, por ambição e por interesse político indisfarçável. E está firme, consolando a todas e todos que neste momento de seu padecimento público querem-no prantear. Você não nos deixa cair na autocomiseração e nem no pessimismo, mas nos levanta e ensina a aceitar a eventual derrota como mero percalço no caminho da vitória inexorável.

Por tudo isso, Lula da Silva, nós agradecemos e assumimos o dever de continuar sua luta, que é a luta de todos nós. Você voltará nos braços das multidões e ensinará a seus detratores que não há força maior que a verdade e a justiça, mesmo que estas não se encontrem nas mãos de uns burocratas regiamente pagos e, sim, na soberania popular em que, não pífias virtudes concurseiras, mas o voto de confiança merecida do povo que o elegeu é que vale.

Obrigado, Lula da Silva”

Que a prisão lhe seja leve…

Foto: Ricardo Stuckert

Leia também:

faceblogttblog

Anúncios

As capas de jornal, as charges e o melhor discurso sobre a prisão de Lula

Hoje é um daqueles dias em que eu me vejo na obrigação de ver como estão as primeiras páginas dos jornais do Brasil. Porque é daqueles dias que entram para a História, que serão estudados futuramente pelo meu filho na escola. Lembram o que escrevi no dia 16 de fevereiro? Que estamos caminhando para a volta da ditadura militar no Brasil? Naquele post, contei 10 passos preocupantes. De lá pra cá, outros tantos ocorreram:

1- Marielle Franco foi executada no Rio da intervenção militar

2- Sua memória foi difamada por uma desembargadora e um deputado federal impunemente

3- Um general do Exército dá declarações absurdas (que até a “Folha” viu como perigosas) e não recebe qualquer punição pelo presidente da República

4- O STF decide contra um habeas corpus sem antes votar as ações diretas de inconstitucionalidade que dizem respeito diretamente ao mesmo assunto, e atropela a Constituição Federal – algo que até o Reinaldo Azevedo, que praticamente cunhou o termo “petralha”, admite que aconteceu

5- Um juiz de primeira instância, Sergio Moro, determina a prisão de um ex-presidente da República contrariando o acórdão da segunda instância que previa que a prisão só poderia ocorrer depois de esgotados todos os embargos naquela instância

Já estamos em plena ditadura, meus amigos. Porque o Estado Democrático de Direito foi ferido, a Constituição foi rasgada, e todos nós estamos sujeitos a ter nossa presunção de inocência substituída, arbitrariamente, por presunção de culpa. Ninguém está acima da lei, mas ninguém deveria estar abaixo dela também – como sabiamente disse um senador que voltarei a citar mais abaixo.

Ao ver as capas dos jornais de hoje, não me surpreendi: todas completamente acríticas, como era de se esperar de uma imprensa que tem contribuído com o golpe desde que ele se instalou no Brasil, em 2016. Aí estão algumas delas: Continuar lendo

Pérez Esquivel divulga carta em que indica Lula para o Prêmio Nobel da Paz

Manifestantes a favor de Lula protestam na Esplanada dos Ministérios no dia do julgamento do habeas corpus pelo STF. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Texto escrito por José de Souza Castro:

Prêmio Nobel da Paz de 1980, o argentino Adolfo Pérez Esquivel divulgou um dia após a condenação do ex-presidente pelo Supremo Tribunal Federal, a carta que vai entregar em setembro ao Comitê Nobel Norueguês, indicando Luiz Inácio Lula da Silva ao prêmio, aquele concedido em 2009 a Barack Obama por motivos outros. O autor lançou também uma campanha na internet pedindo apoio à indicação. E Lula tem até cinco da tarde desta sexta-feira para apresentar-se, preso, à Polícia Federal em Curitiba.

Na carta, que pode ser lida aqui em espanhol, Pérez Esquivel cita as políticas públicas criadas durante o governo do ex-presidente para combater a desigualdade social e a fome e que estão sendo abandonados progressivamente desde o golpe de 2016.

Dificilmente, o governo Temer apoiará esse, que seria o primeiro Prêmio Nobel para um brasileiro.

O Comitê do Nobel é formado por cinco noruegueses, tendo como presidente Berit Reiss-Andersen. O espanhol não será empecilho ao entendimento da carta. E nem o português seria, pois o Nobel de Literatura foi entregue em 1998 a José Saramago, portuguesíssimo da gema.

Verdade que até hoje nenhum brasileiro foi premiado, em qualquer área, pelo comitê norueguês. Mas, desde outubro do ano passado, a Statoil, empresa controlada pelo governo norueguês, se tornou dona de um pedaço importante do pré-sal brasileiro, no Campo de Carcará. Ou seja, agora o Brasil é importante para a Noruega e a carta de Esquivel não deve ser descartada de cara. A menos que não queira se indispor com Temer e correr o risco de perder outras fatias ricas de nosso petróleo que tem sido vendido na bacia das almas às petroleiras estrangeiras.

Bem, veremos. Enquanto isso, vamos ao que diz Esquivel.

Ao governar o Brasil entre os anos de 2003 e 2010, mediante seu compromisso social, sindical e político, Lula desenvolveu políticas públicas para superar a fome e a pobreza em seu país, um de maior desigualdade estrutural no mundo.

“Como vocês bem sabem, a Paz não é só a ausência da guerra, nem evitar a morte de uma ou muitas pessoas, a Paz é também dotar de esperança de futuro aos povos, em especial aos setores mais vulneráveis vítimas da ‘cultura de descarte’ de que nos fala o Papa Francisco. A Paz é incluir e proteger a quem este sistema econômico condena à morte e a múltiplas violências”, diz Esquivel, acrescentando:

“Segundo o último informe de 2017 da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a fome afeta a mais de 815 milhões de pessoas no mundo. Trata-se de um flagelo e um crime que sofrem povos submetidos à pobreza e à marginalidade, aos que se lhe roubam a vida e a esperança por gerações. Por esta razão, se um governo nacional se converte num exemplo mundial de luta contra a pobreza e a desigualdade, contra a violência estrutural que nos aflige como humanidade, merece um reconhecimento por seu apoio à Paz na humanidade.”

Em seguida, Esquivel faz um breve resumo dos compromissos de Lula nessa área, durante seus oito anos de governo. Continuar lendo