25 charges sobre o discurso vergonhoso de Bolsonaro na ONU

Tudo já foi falado sobre esse discurso ideológico, ultrapassado, atrasado, gritado, deselegante, cheio de ódio e de fake news que o presidente da República nos envergonhou ao fazer diante dos líderes de todo o planeta, na Assembleia Geral da ONU. Para não ter que escrever mais, recomendo a leitura do que o editor de Política do jornal “O Tempo”, Ricardo Corrêa, escreveu em seu artigo “Era melhor não ter ido“. Normalmente concordo com o que o Ricardo escreve, ele é bastante lúcido e vale acompanhar a coluna diária dele no jornal mineiro.

Para não passar batido este vexame aqui no blog, que é absolutamente crítico a Bolsonaro desde os tempos de inúteis mandatos na Câmara dos Deputados, fiz esta galeria com algumas boas charges que foram produzidas a respeito, em todo o país.

Bom proveito:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

E pra não nos aproximarmos do fim da semana tão azedos, vale ler esta utopia escrita pelo José Eduardo Agualusa na revista “Visão”, de Portugal, e reproduzida pelo Juca Kfouri em seu blog há cinco dias. Ao contrário da distopia que publiquei aqui no blog há algumas semanas, esta nos faz sentir um alívio incrível! CLIQUE AQUI e boa leitura 😉

Veja também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

50 poemas para Marielle Franco descobertos numa feirinha cheia de gentileza

No vídeo que fiz no post de ontem, mostrei o livro “Um girassol nos teus cabelos“, com um desenho lindo de Marielle Franco estampado na capa.

Trata-se de um livro que comprei no festival Verbo Gentileza, que aconteceu no último fim de semana, na praça Floriano Peixoto, em BH.

(Aliás, além de brinquedos, shows, yoga e mais uma porção de coisas, tinha uma feirinha lá que era simplesmente demais. Este livro estava na banca da Quintal, editora de BH que só publica autora mulheres.)

Este livro me chamou a atenção nestes tempos duros que temos vivido, com gente até comemorando a morte de uma pessoa – não uma morte qualquer, mas um extermínio, um assassinato – apenas por pensar diferente.

Trata-se de 50 poemas que foram escritos por mulheres de várias partes do Brasil e reunidos numa antologia, como forma de homenagear e relembrar Marielle Franco e sua morte estúpida.

Ainda não tive tempo de ler todos, mas coloco abaixo o que mais gostei, até agora (mas foi difícil escolher um só), como convite para que todos busquem esta obra:

“mas por que querem
justificativa
[Qual?

Os tiranos
não se contentam com os corpos.
Ademais e além da morte,
eles querem
matar os mortos.”

(Michele Santos)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

 

A censura ao beijo gay dos quadrinhos e o fundamentalismo religioso no Brasil

Esta foi a capa da “Folha de S.Paulo” de hoje:

Me deu um quentinho no peito saber que ainda existe jornal corajoso desse jeito, ainda mais pela história que vivi lá dentro.

Estamos, neste 7 de setembro, nos oito meses de governo Bolsonaro, e parece que ele decidiu de vez se voltar apenas para a ala mais radical e brutamontes do país.

E daí? Você, que não acompanha muito o noticiário político e segue com sua vidinha de sempre, deve estar se perguntando.

E daí que estamos diante de um fundamentalismo religioso crescente, de um fanatismo burro levando a censuras das artes, do ensino e de várias outras áreas caras ao desenvolvimento de uma sociedade.

Vocês sabem como a luta contra a censura sempre foi minha principal bandeira, né? Sempre falo disso por aqui.

Então é de revirar meu estômago ver “fiscais da prefeitura” invadindo uma Bienal do Livro para censurar uma HQ que não tem nenhum conteúdo pornográfico ou mesmo erótico e que não desrespeita o ECA, nem nada disso.

É fundamentalismo puro e simples. É uma violação ao Estado de Direito. É um estupro da nossa Constituição de 1988.

Para quem acompanhou a história recente do Irã e do Afeganistão, dentre outros países, sabe que é fácil e rápido instaurar um regime fundamentalista num país. Em coisa de um ano, tudo pode mudar. Em 15 anos, se nada for feito, a distopia que eu criei pode se aproximar de uma cruel realidade. E aí, pra reverter a coisa toda, será um trabalho realmente árduo.

Inclusive porque muitos estragos que estão sendo feitos em apenas oito meses de governo já serão bem difíceis de recuperar. Na educação e no meio ambiente, por exemplo.

O Brasil é, cada vez mais, o ex-país do Carnaval.

É isso que queremos pra ele?

Charge do Duke publicada no jornal O Tempo de 7 de setembro.

Leia também:

  1. Brasil, o ex-país do Carnaval
  2. O futuro distópico de um Brasil governado por bolsonaristas e olavistas
  3. O fanatismo, o fascista corrupto, as fake news e minha desesperança
  4. O fanatismo e o ódio de um país que está doente
  5. Fanatismo é burro, mas perigoso
  6. O que acontece quando os fanáticos saem da internet para as ruas
  7. Há um Jair Bolsonaro entre meus vizinhos?

 

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Como será o Brasil em 2030 se os bolsonaristas continuarem no poder? Leia mais uma distopia

Charge de Jaime Guimarães

Depois que publiquei aquele conto de sábado, “O futuro distópico de um Brasil governado por bolsonaristas e olavistas“, meu amigo Jaime Guimarães, professor em Salvador (BA), ilustrador e blogueiro, disse que ficou inspirado.

E ficou mesmo, viu! Ontem ele publicou o conto “Brasil, 2030: uma distopia“, com direito a muito humor cáustico para aliviar o drama. Porque só rindo para a gente aguentar as notícias diárias com que este governo federal nos presenteia.

Leia a seguir:

 

Brasil, 2030. Fruto de uma ousada e avançada experiência com animação suspensa, um homem desperta após 30 anos em uma câmara de hibernação nos laboratórios secretos do governo. O despertar do voluntário, que identificaremos pelo codinome SILVA, foi bem sucedido. Em um dia frio e luminoso de abril, após breve reconhecimento do tempo e período histórico no qual finalmente “voltou à vida”, Silva foi submetido a exames médicos e psicológicos com o doutor Queiroz. 

                                                                     ***

– O Brasil tá bem diferente… o que aconteceu?
– Mudou tudo. A Nova Era, que começou em 2019, trouxe mudanças significativas em poucos anos. Mudanças para melhor, claro.
– Eu acabei de saber que quem manda no Brasil é a família Bolsonaro. Como assim? É aquele Jair Bolsonaro, o mesmo sujeito que vivia falando bobagens e tolices na TV?
– Mais respeito com o grande líder! Como você acordou agora, vou deixar passar. Mas na próxima vou denunciá-lo como Inimigo do Estado e será varrido do país.
– Varrido? Como assim?
– Deportado. Expulso. Ou desaparecerá. Neste assunto, aliás, eu tenho bastante experiência.
– Mas… mas… isso parece uma ditadu…
– Alto! Essa é uma das palavras proibidas da Nova Era para se referir ao Brasil. Olha, eu entendo o impacto que é acordar após 30 anos e ver tudo diferente, mas você não está colaborando. Precisa aceitar e se enquadrar ao nosso tempo.
– E o que preciso fazer para “me enquadrar”?
– Primeiro, matricular-se no Curso de Filosofia de Olavo de Carvalho.
– Mas o Olavo de Carvalho não era um astrólogo, tipo João Bidu?
– Cuidado: acima de Jair, o Messias, só Olavo. E Olavo sempre tem razão! O grande filósofo e guru da Nova Era, o responsável por desmascarar todo o plano globalista com o demônio George Soros em conluio com os comunistas, a ONU e demais idiotas úteis como artistas, ambientalistas e celebridades!
– Que história mais esquisita…
– História! Sim, a verdadeira história! Esqueça tudo o que aprendeu na escola, pois todas aquelas aulas, os livros didáticos e os professores estavam infestados de esquerdismo e comunismo. Você vai aprender a verdade e a pensar corretamente no Curso de Filosofia!
– E onde posso me matricular?
– Em qualquer escola, faculdade ou universidade. Ou, se preferir fazer o curso EAD, recomendo a UNIZAP. Vamos ensiná-lo a mexer com a ferramenta que revolucionou o conhecimento e a verdade em nosso país, o WhatsApp. De qualquer forma, em todos esses espaços a obra do mestre Olavo está disponível em livros, vídeos, áudios, memes e você terá o auxilio de professores de verdade, não daqueles tenebrosos doutrinadores comunistas que idolatravam o farsante e grande responsável pelo caos na Educação antes de Jair I, o terrível Paulo Freire.
– Ei, peraí… Paulo Freire, até onde eu lembro, foi um grande educador e referência muito respeitada na área, e não apenas no Brasil.
– FAKE NEWS! Você precisa passar por estágios avançados de descontaminação ideológica. Você fará um tratamento intenso: além do curso de Filosofia Olavo, ainda assistirá diversos vídeos de pensadores realmente geniais no Youtube.”

CLIQUE AQUI para ler até o fim! Vale a pena 😉


 

Leia também:

  1. O futuro distópico de um Brasil governado por bolsonaristas e olavistas
  2. O fanatismo, o fascista corrupto, as fake news e minha desesperança
  3. Brasil, o ex-país do Carnaval
  4. O fanatismo e o ódio de um país que está doente
  5. Fanatismo é burro, mas perigoso
  6. Para uns, para outros e para mim
  7. Tem certeza absoluta? Que pena
  8. Post especial para quem se acha com o rei na barriga
  9. Reflexão para as pessoas cheias de si
  10. A saudável loucura de cada um de nós
  11. Qual é a sua opinião, cidadão?
  12. Azuis X Verdes: uma alegoria do fanatismo no Brasil contemporâneo
  13. Mais posts sobre fanatismo
  14. Mais posts sobre as eleições
  15. Fanatismo é burro, mas perigoso
  16. O que acontece quando os fanáticos saem da internet para as ruas
  17. Há um Jair Bolsonaro entre meus vizinhos?

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

‘Lula não teve direito a um julgamento imparcial’, dizem juristas ao redor do mundo

“Ficamos chocados ao ver como as regras fundamentais do devido processo legal brasileiro foram violadas sem qualquer pudor. Num país onde a Justiça é a mesma para todos, um juiz não pode ser simultaneamente juiz e parte num processo.”

“Hoje, está claro que Lula não teve direito a um julgamento imparcial. Ressalte-se que, segundo o próprio Sérgio Moro, ele foi condenado por “fatos indeterminados”. Um empresário cujo depoimento deu origem a uma das condenações do ex-presidente chegou a admitir que foi forçado a construir uma narrativa que incriminasse Lula, sob pressão dos procuradores. Na verdade, Lula não foi julgado, foi e está sendo vítima de uma perseguição política.”

“No caso de Lula, não só a Justiça foi instrumentalizada para fins políticos como o Estado de Direito foi claramente desrespeitado, a fim de eliminar o ex-presidente da disputa política.”

Quem fez estas declarações não fui eu, uma mera jornalista, mas sim 17 juristas do mais alto calibre, de vários países do mundo.

Susan Rose-Ackerman já tinha declarado que ofensiva contra a corrupção no Brasil não pode ser seletiva. Foto: Chiago-Kent College of Law

Entre eles, Susan Rose-Ackerman, professora da Universidade de Yale, uma das mais prestigiosas dos EUA. Susan é tida como uma das maiores experts em combate à corrupção do planeta e já foi elogiada, quem diria, pelo procurador Deltan Dallagnol. (Não que isso deva ter feito diferença na vida dela.)

Outros juristas que assinam o manifesto, dirigido aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) são, conforme leio na “Folha de S.Paulo” deste domingo, “o professor italiano Luigi Ferrajoli, referência do garantismo jurídico no mundo, o ex-juiz espanhol Baltasar Garzón, que condenou o ex-ditador chileno Augusto Pinochet por crimes contra a humanidade, Alberto Costa, ex-ministro da Justiça de Portugal, e Herta Daubler-Gmelin, ex-ministra da Justiça da Alemanha. O grupo é integrado ainda por ex-presidentes e integrantes de cortes superiores, como Pablo Cáceres, ex-presidente da Suprema Corte de Justiça da Colômbia, e Diego Valadés, ex-juiz da Suprema Corte de Justiça do México e ex-procurador-geral da República”.

Só resta a mim, uma cidadã que não pôde votar em Lula nas eleições de 2018 por causa desse golpe orquestrado pelo judiciário brasileiro, esperar que os ministros do STF leiam com atenção o alerta desses juristas, de que “a Justiça brasileira vive atualmente uma grave crise de credibilidade dentro da comunidade jurídica internacional”, “por causa dessas práticas ilegais e imorais”, e encerrem de vez essa perseguição a Lula. Que, por sinal, deixou claro a seus advogados que não quer ir para regime semiaberto, ao qual já tem direito. Ele quer ser absolvido ou ver sua condenação anulada pela Justiça, para ser libertado, já que é inocente.

Também tenho a esperança/ilusão de que os responsáveis por tudo isso, com destaque para o ministro de Bolsonaro Sergio Moro, sejam devidamente punidos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Segue abaixo a carta dos 17 juristas na íntegra:

Lula não foi julgado, foi vítima de uma perseguição política

Nós, advogados, juristas, ex-ministros da Justiça e ex-membros de Cortes Superiores de Justiça de vários países, queremos chamar à reflexão os juízes do Supremo Tribunal Federal e, mais amplamente, a opinião pública do Brasil para os graves vícios dos processos movidos contra Lula.

As recentes revelações do jornalista Glenn Greenwald e da equipe do site de notícias The Intercept, em parceria com os jornais Folha de São Paulo e El País, a revista Veja e outros veículos, estarreceram todos os profissionais do Direito. Ficamos chocados ao ver como as regras fundamentais do devido processo legal brasileiro foram violadas sem qualquer pudor. Num país onde a Justiça é a mesma para todos, um juiz não pode ser simultaneamente juiz e parte num processo.

Sérgio Moro não só conduziu o processo de forma parcial, como comandou a acusação desde o início. Manipulou os mecanismos da delação premiada, orientou o trabalho do Ministério Público, exigiu a substituição de uma procuradora com a qual não estava satisfeito e dirigiu a estratégia de comunicação da acusação.

Além disso, colocou sob escuta telefônica os advogados de Lula e decidiu não cumprir a decisão de um desembargador que ordenou a liberação de Lula, violando assim a lei de forma grosseira.

Hoje, está claro que Lula não teve direito a um julgamento imparcial. Ressalte-se que, segundo o próprio Sérgio Moro, ele foi condenado por “fatos indeterminados”. Um empresário cujo depoimento deu origem a uma das condenações do ex-presidente chegou a admitir que foi forçado a construir uma narrativa que incriminasse Lula, sob pressão dos procuradores. Na verdade, Lula não foi julgado, foi e está sendo vítima de uma perseguição política.

Por causa dessas práticas ilegais e imorais, a Justiça brasileira vive atualmente uma grave crise de credibilidade dentro da comunidade jurídica internacional.

É indispensável que os juízes do Supremo Tribunal Federal exerçam na plenitude as suas funções e sejam os garantidores do respeito à Constituição. Ao mesmo tempo, esperamos que as autoridades brasileiras tomem todas as providências necessárias para identificar os responsáveis por estes gravíssimos desvios de procedimento.

A luta contra a corrupção é hoje um assunto essencial para todos os cidadãos do mundo, assim como a defesa da democracia. No entanto, no caso de Lula, não só a Justiça foi instrumentalizada para fins políticos como o Estado de Direito foi claramente desrespeitado, a fim de eliminar o ex-presidente da disputa política.

Não há Estado de Direito sem respeito ao devido processo legal. E não há respeito ao devido processo legal quando um juiz não é imparcial, mas atua como chefe da acusação. Para que o Judiciário brasileiro restaure sua credibilidade, o Supremo Tribunal Federal tem o dever de libertar Lula e anular essas condenações.

Lista de Signatários

Bruce Ackerman, professor Sterling de direito e ciência política, Universidade Yale

John Ackerman, professor de direito e ciência política, Universidade Nacional Autônoma do México

Susan Rose-Ackerman, professora emérita Henry R. Luce de jurisprudência, Escola de direito da Universidade Yale

Alfredo Beltrán, ex-presidente da Corte Constitucional da Colômbia

William Bourdon, advogado inscrito na ordem de Paris

Pablo Cáceres, ex-presidente da Suprema Corte de Justiça da Colômbia

Alberto Costa, Advogado, ex-ministro da Justiça de Portugal

Herta Daubler-Gmelin, advogada, ex-ministra da Justiça da Alemanha

Luigi Ferrajoli, professor emérito de direito, Universidade Roma Três

Baltasar Garzón, advogado inscrito na ordem de Madri

António Marinho e Pinto, advogado, antigo bastonário (presidente) da ordem dos advogados portugueses

Christophe Marchand, advogado inscrito na ordem de Bruxelas

Jean-Pierre Mignard, advogado inscrito na ordem de Paris

Eduardo Montealegre, ex-presidente da Corte Constitucional da Colômbia

Philippe Texier, ex-juiz, Conselheiro honorário da Corte de Cassassão da França, ex-presidente do Conselho econômico e social das Nações Unidas

Diego Valadés, ex-juiz da Corte Suprema de Justiça do México, ex-procurador-Geral da República

Gustavo Zafra, ex-juiz ad hoc da Corte Interamericana de Direitos Humanos

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog