Um refúgio de paz e alegria, cercado pela natureza, a 48 km de Beagá

Este slideshow necessita de JavaScript.

Um pedaço de roça, cercado de natureza exuberante, com serras e vegetação de Mata Atlântica, em que não pega nem telefone.

Para chegar até lá, uma BR em boas condições, uma MG simpática, rodeada por linda paisagem, e uma estrada de terra num curto trajeto de 7 km, mas que, percorrida devagarinho, como a prudência e o sabor obrigam, leva cerca de meia hora de direção.

Uma pousada bem simples, que nos faz sentir em casa imediatamente, com almoço bem temperado, uma coxinha deliciosa de lanche, cerveja gelada, animação e música à noite e, no café da manhã, hummm, quitutes maravilhosos como pão de queijo caseiro, biscoito quebra-queixo, biscoito frito da roça, bolo com calda de chocolate — tudo quentinho, quentinho, feito na hora mesmo.

Um curso d’água limpo que margeia a pousada e, lá dentro, numa pequena represa artificial, vira uma cachoeirinha agradável, de água nem tão gelada assim, em que alguns sentam para conversar e comer um churrasco, e pais e filhos brincam ou relaxam, verdadeira piscina de hidromassagem natural.

Bem perto, cachorros, galinhas, um galo cantador, um pato, dois gansos muito estressados, cavalos de passagem, bois nos pastos distantes, mil passarinhos.

Não tem nenhum luxo, não tem um super parque para as crianças, a piscina não é aquecida. Os brinquedos, tirando a cama elástica, já estão bem desgastados (escorregador, totó, sinuca, balanço de pneu). Mas seu filho fica numa alegria que você nunca viu antes, encantado com a natureza, deixando brinquedos de plástico e celular de lado para catar pedrinhas, sementinhas, folhinhas e galhos, brincar na areia, ver os bichos, nadar e cantar! Continuar lendo

Anúncios

Chuva é muito mais que a destruição e o caos que se vê no noticiário

Este slideshow necessita de JavaScript.

A chuva não é só a destruição e o caos que a gente vê no noticiário.

Chuva é muito mais que isso. É cheiro bom, respiração mais fácil, plantinhas agradecendo, reservatórios cheios, a noite mais bonita, memórias natalinas. E eu adoro dormir com o barulhinho da chuva.

(Enfim, bem-vinda chuva, com todo seu encanto! A época seca do inverno se foi, levando meus favoritos ipês, mas a primavera de chuva tem lindas sapucaias e sibipirunas coloridas. E muitas gotas, para tentar refrescar a cidade em tempos de tanto sufocamento de ideias.)

 

Leia também:

  1. Um dia na roça
  2. Bem-vinda, chuva
  3. Carta a São Pedro
  4. Nuvens de chuva
  5. As bênçãos da chuva
  6. O deus da chuva
  7. Só temos uma coisa a dizer
  8. Mais posts com fotografias

faceblogttblog

A galeria [definitiva] de ipês do inverno de 2017

Começa hoje a primavera, conhecida como estação das cores. Mas acho o apelido meio injusto com o inverno — a estação do ano, ao menos aqui no Sudeste brasileiro, em que o céu está mais azul-azul-sem-nuvens, e em que as paisagens são cortadas a todo instante pela amarelidão maravilhosa dos ipês. Ou por suas variáveis rosas, roxas e brancas. Sim, os ipês são minhas árvores favoritas (não diga, Cris!).

Como já virou tradição aqui no blog, no começo do inverno, pedi aos leitores que cruzassem com essas lindas árvores em seu horizonte para enviarem uma foto delas para mim. Recebi, ao todo, 84 imagens, de ipês roxos, rosas, amarelos e brancos, clicadas em várias cidades de Minas, São Paulo e Goiás. Obrigada a todos que contribuíram, de coração! ❤

Nesta troca de estação, encerro a coleta de fotos de 2017 com a linda galeria abaixo, todas árvores flagradas neste ano. Você não verá outra galeria de fotos tão bonita e completa assim:

 

CLIQUE AQUI para ver a galeria completa, com fotos também dos invernos de 2014 e 2015.

Leia também:

faceblogttblog

Já mandou sua foto de ipê? ;)

Há três semanas, dei início à caça aos ipês, que este blog promove todos os anos. Pedi aos leitores para observarem com carinho a paisagem ao redor e registrarem uma foto toda vez que vissem um belo ipê pela frente – e, claro, para me enviarem a imagem depois. Até agora, já recebi uma porção de fotos maravilhosas, que já estão ajudando a compor a linda galeria de ipês deste blog, no ar desde 2014. Recebi fotos de Beagá, Uberlândia, São Paulo, Campinas, Taubaté e Goiânia. Cada uma mais linda que a outra! Confira abaixo uma amostra 😉

Ah, e ainda vou receber fotos de ipês até o fim do inverno! Se você fez fotos bonitas por aí, não deixe de enviar para cá. Pode ser pelo e-mail, pelo Facebook, pelo Twitter ou até mesmo me marcar no Instagram 😀

 

 

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Sibipirunas e as pessoas que, afinal, não gostam da primavera

Todas as fotos: Flickr / Reprodução

Todas as fotos: Flickr / Reprodução

A sibipiruna é uma árvore alta e frondosa, que pode chegar a 28 metros de altura e seis metros de diâmetro de sua copa. Ela tem lindas flores amarelas, que costumam aparecer depois de agosto e podem estender-se até o final do verão. É a árvore mais comum em Belo Horizonte, segundo o inventário feito pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, que catalogou 18.946 representantes dessa espécie na cidade.

Duas sibipirunas majestosas podem ser encontradas na porta da minha casa. Imensas, elas ultrapassam o prédio onde eu moro, que tem cinco andares. Suas raízes incontidas já quebraram parte do passeio.

sibipirunaFico feliz da vida toda vez que estou voltando para casa e, ao olhar para cima, vejo aquelas copas verde-e-amarelas. Quando olho para o chão, vejo o passeio totalmente coberto com as florezinhas amarelas, um verdadeiro tapete colorido.

sibipiruna2Infelizmente, nem todo mundo gosta desse carnaval da Natureza. Todas as manhãs, fazendo o caminho inverso, noto algumas donas-de-casa furiosas, “varrendo” as calçadas com a mangueira. Não podem ver as florezinhas ali, elas têm que ser escorridas pela boca-do-lobo, como se fossem algo nojento, sujo, poluído.

Mas são só florezinhas, minha gente!

 

Não vou nem comentar o descalabro de usar água potável da mangueira para varrer a calçada. Já falei muito disso por aqui. Mas acho espantoso alguém se perturbar tanto com esta prova de beleza da primavera. Por que é bonito ver aquelas fotos do outono canadense, com as ruas cobertas por folhas douradas, e é feio ver nossas próprias ruas, coloridas pelo tapete amarelinho das sibipirunas?

Me fez lembrar um desenho que publiquei aqui no blog há exatamente um ano. Por mais pessoas do primeiro tipo neste mundão!

Ilustração de Roberto Kroll

Ilustração de Roberto Kroll

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!