Com qual apelido carinhoso você chama seu amor?

Há quase 3 anos, fiz essa pergunta aos amigos nas redes sociais e recebi nada menos que 147 apelidos carinhosos como resposta à enquete. Alguns mais comuns, como “linda”, “gatinho”, “baby” e “mozão”, e outros mais inusitados ou divertidos, como “bumbumbejito”, “monstrinha”, “nojento” e “chucruta”.

Contei as histórias por trás desses apelidos AQUI.

Quanto maior o tamanho da letra, mais vezes o apelido foi repetido.

Como hoje é Dia dos Namorados, além de ressuscitar tal post tão romântico, aproveito para repetir a pergunta, à espera de novos apelidos incríveis. Deixem aí nos comentários ou, se preferirem, enviem por e-mail ou deixem uma mensagem privada no Facebook 😉 Depois farei um apanhadão de tudo o que chegar e vou acrescentar à lista anterior, para multiplicar ainda mais esses vocativos apaixonados pela internet afora! ❤

E aí, conte pra gente: como você chama seu eterno namorado ou namorada?


Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

José Olímpio e Mercedes, um breve conto de amor e amargura

Pequenos cuidados. Autor: Puuung

Autor: Puuung

Recebi o conto abaixo da leitora Rita Prudêncio, que completa 33 anos de idade hoje (feliz aniversário!! 😀). Ela é professora e pesquisadora universitária em Rio Branco, no Acre. Seus textos podem ser lido no blog Água Batendo no Nariz. Para entrar em contato com ela, basta enviar um email.

Quando terminei de ler o conto de Rita, pensei na hora em como o amor pode estar nas coisas mais prosaicas. Mesmo que mesclado à decepção, desilusão, amargura e outros sentimentos nem tão bonitos. O texto aborda a rotina de um casamento, do ponto de vista do cuidadoso marido. E é muito apropriado para este Dia dos Namorados. Por isso, recomendo a leitura pelos apaixonados e desapaixonados que passarem por aqui neste domingão.

Bom proveito:

 

“José Olímpio acordou assustado. O quarto estava escuro e mais quente que o habitual. Ele tateou o móvel perto da cama, em silêncio, para não despertar Mercedes, que ressonava a seu lado, e encontrou o telefone celular. Cobriu a cabeça com as cobertas, para evitar que a luz azul da tela acordasse a esposa, e olhou as horas. Passava das seis da manhã, estava atrasado. Continuar lendo

O lar é onde a gente quer que seja

Não deixe de assistir: BROOKLYN
Nota 7

brooklyn

É possível mudar de país completamente, começando do zero, onde ninguém te conhece, e conseguir se sentir ainda mais em casa do que na terra natal?

“Brooklyn” fala da imigração irlandesa para Nova York, na década de 50, e é muito bonito ao costurar uma história de amor em meio ao drama da saudade. “Homesick”, a palavra inglesa muito usada no filme, passa a fazer mais sentido do que nossa palavra brasileiríssima, a “saudade”. Porque o que a personagem principal, Eilis (interpretada pela jovem Saoirse Ronan), sente é como uma dor — ou uma doença — pela falta de seu lar. A sensação de deslocamento que só quem já morou em outro país sabe como é.

Se o filme fosse só sobre a história de amor que acaba surgindo entre Eilis e o também imigrante Tony seria muito superficial. Também cheio de momentos clichês, como critiquei no filme “Carol“, “Brooklyn” é assumidamente água-com-açúcar. Mas o conflito interno de Eilis, que surge na terceira parte da história, agrega muito ao roteiro. Passa a ser um filme sobre pertencimento. Sobre a definição de lar. E de felicidade.

Mais do que isso, acho que não posso falar, ou eu estragaria bastante o final. Final, aliás, que foi alterado pelo escritor Nick Hornby, que escreveu o roteiro adaptado de uma novela de Colm Tóibín. O roteiro — bem costurado — concorre ao Oscar na categoria. O filme também concorre na categoria de melhor atriz, pela atuação convincente da descendente de irlandeses Saoirse Ronan, e concorre a melhor filme do ano.

Acho que também merecia concorrer a melhor fotografia, que é um dos pontos fortes do longa, além de design de produção e figurino. Somos transportados aos anos 50, e muito pelo tom envelhecido das imagens, que vai se tornando mais vibrante à medida que Eilis vai adquirindo maior confiança sobre sua nova vida. É como se a fotografia conversasse diretamente com os sentimentos da personagem retratada. E nos transportasse também para seu próprio estado de pertencimento.

Assista ao trailer:

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

tarja_licenca