Para Bolsonaro, assassinatos autorizados pela ditadura foram apenas ‘tapa no bumbum do filho’

Texto escrito por José de Souza Castro:

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), capitão do Exército e candidato da extrema-direita às eleições presidenciais de outubro, comparou na manhã de hoje as execuções feitas durante a ditadura militar a um “tapa no bumbum do filho”.

A declaração foi feita em entrevista à Rádio Super Notícia, de Belo Horizonte, em que o candidato procurou desmerecer o documento escrito por um diretor da CIA, William Colby, em 1974, e revelado agora: “Voltaram à carga. Um capitão tá pra chegar lá. É o momento”, disse, referindo-se à possibilidade de ser eleito presidente da República em outubro.

“Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho e depois se arrependeu? Acontece”, justificou Bolsonaro.

Não é o que pensa o Instituto Vladimir Herzog sobre o documento da CIA que revelou ter o general Ernesto Geisel aprovado a continuidade de uma política de execuções sumárias dos que ousavam se manifestar contra a ditadura militar. Para o instituto, essa comprovação torna urgente a revisão da Lei da Anistia, que perpetuou a impunidade.

Liberado somente agora pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, o documento afirma que Geisel teria orientado o então chefe do SNI (Serviço Nacional de Informações), general João Baptista Figueiredo, a autorizar pessoalmente os assassinatos. Em nota divulgada ontem, o Instituto Vladimir Herzog afirmou:

“Apesar de não haver nenhuma surpresa, essa é mais uma prova de que não houve porões da ditadura, e sim uma política de Estado de terror, desaparecimentos forçados e assassinatos”. Acrescenta que é dever do Estado “investigar, processar, julgar e reparar as gravíssimas e generalizadas violações de direitos humanos cometidas durante a ditadura militar”.

E reforça:

“A anistia concedida a agentes públicos que ordenaram detenções ilegais e arbitrárias, torturas, execuções, desaparecimentos forçados e ocultação de cadáveres – como o documento do Departamento de Estado dos Estados Unidos atesta – é incompatível com o direito brasileiro e a ordem jurídica internacional, pois tais crimes, dadas a escala e a sistematicidade com que foram cometidos, constituem crimes contra a humanidade, imprescritíveis e não passíveis de anistia.”

Diante do documento da CIA, principal agência de espionagem dos EUA, “torna-se inaceitável”, acrescenta, “a explicação, que até hoje tem sido adotada pelas Forças Armadas, de que tais violações se constituíram em alguns poucos atos isolados ou excessos, gerados pelo voluntarismo de alguns militares”.

Ao ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira – um comunista sobrevivente da época das execuções e hoje membro destacado PSDB paulista –, o filho do jornalista Vladimir Herzog, Ivo Herzog, escreveu ontem pedindo que seja solicitada ao governo dos Estados Unidos a liberação completa dos registros realizados pela CIA. “Uma Nação precisa conhecer sua história oficialmente para ter políticas públicas que previnam que os erros do passado se repitam”, argumentou.

Herzog era diretor de jornalismo da TV Cultura quando foi preso, torturado e assassinado no dia 25 de outubro de 1975, nas dependências do DOI-Codi, dentro do quartel-general do II Exército, em São Paulo. Os torturadores tentaram, sem sucesso, fazer crer que ele havia se suicidado, enforcando-se em sua cela. Herzog se apresentara para se defender, depois de acusado de atuar em atividades “subversivas” do Partido Comunista Brasileiro.

Não há ainda resposta do Itamaraty a Ivo Herzog, mas o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, saiu à tarde em defesa das Forças Armadas:

“As Forças Armadas brasileiras são um ativo democrático que o país hoje tem e isso, evidentemente, não é tocado por uma reportagem. Chamo a atenção: não temos acesso a documentos oficiais e isso só poderá ocorrer, ou seja, um pronunciamento oficial, quando tivermos acesso direto a esses documentos”, disse o ministro em entrevista à imprensa.

Voltando ao capitão do Exército e candidato à Presidência da República que aparece bem nas pesquisas eleitorais. Na entrevista à rádio do prefeito de Betim, Vittorio Medioli, Jair Bolsonaro lembrou a Guerrilha do Araguaia massacrada pela ditadura militar:

“Se tivéssemos agido com humanismo ao tratar esse foco de guerrilha, teríamos no coração do Brasil uma Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). E graças aos militares daquela época, não temos”.

E completou:

“Esse pessoal que disse que matamos naquele momento, que desapareceu, caso estivesse vivo por um motivo qualquer, estaria preso acompanhando o Lula lá em Curitiba. Essas pessoas não têm qualquer amor à democracia e à liberdade. Eles querem o poder absoluto”.

Pergunta que não quer calar: E Bolsonaro, ele tem “qualquer amor à democracia e à liberdade”?

Leia também:

faceblogttblog

Anúncios

As capas de jornal, as charges e o melhor discurso sobre a prisão de Lula

Hoje é um daqueles dias em que eu me vejo na obrigação de ver como estão as primeiras páginas dos jornais do Brasil. Porque é daqueles dias que entram para a História, que serão estudados futuramente pelo meu filho na escola. Lembram o que escrevi no dia 16 de fevereiro? Que estamos caminhando para a volta da ditadura militar no Brasil? Naquele post, contei 10 passos preocupantes. De lá pra cá, outros tantos ocorreram:

1- Marielle Franco foi executada no Rio da intervenção militar

2- Sua memória foi difamada por uma desembargadora e um deputado federal impunemente

3- Um general do Exército dá declarações absurdas (que até a “Folha” viu como perigosas) e não recebe qualquer punição pelo presidente da República

4- O STF decide contra um habeas corpus sem antes votar as ações diretas de inconstitucionalidade que dizem respeito diretamente ao mesmo assunto, e atropela a Constituição Federal – algo que até o Reinaldo Azevedo, que praticamente cunhou o termo “petralha”, admite que aconteceu

5- Um juiz de primeira instância, Sergio Moro, determina a prisão de um ex-presidente da República contrariando o acórdão da segunda instância que previa que a prisão só poderia ocorrer depois de esgotados todos os embargos naquela instância

Já estamos em plena ditadura, meus amigos. Porque o Estado Democrático de Direito foi ferido, a Constituição foi rasgada, e todos nós estamos sujeitos a ter nossa presunção de inocência substituída, arbitrariamente, por presunção de culpa. Ninguém está acima da lei, mas ninguém deveria estar abaixo dela também – como sabiamente disse um senador que voltarei a citar mais abaixo.

Ao ver as capas dos jornais de hoje, não me surpreendi: todas completamente acríticas, como era de se esperar de uma imprensa que tem contribuído com o golpe desde que ele se instalou no Brasil, em 2016. Aí estão algumas delas: Continuar lendo

A execução de Marielle, as capas de jornais e o Estado paralelo

Marielle Franco no plenário da Câmara Municipal do Rio, no último dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Foto: Reprodução / Facebook

 

Escrevi agora no meu Facebook:

“Passei o dia lendo as manifestações dos meus amigos sobre a morte de Marielle. (Todos muito sensatos, aliás. Devo ter bloqueado os imbecis em 2013). E eu muda, aqui. Nem um post no blog. Ainda estou tentando processar a gravidade do que está acontecendo no Brasil. Só sei que é grave, bem grave mesmo, pessoal.”

Apesar de ainda estar processando tamanha gravidade, resolvi que este blog não poderia deixar passar batido um episódio como este, um crime de execução de uma representante política eleita pelo povo, em plena democracia.

Primeiro, vale registrar as capas dos principais jornais do Rio e do Brasil nesta quinta-feira. Apesar de o crime ter ocorrido tarde da noite, na quarta-feira, dava tempo de a maioria dos veículos ter corrido para manchetar, ainda que fosse no segundo clichê. No entanto, acho que muitos simplesmente não perceberam a gravidade do problema naquele momento. Foi o caso da “Folha”, por exemplo, que deu uma chamadinha minúscula na dobra de cima da primeira página. Os jornais mineiros “O Tempo” e “Estado de Minas” nem sequer registraram na capa. O “Estadão” não manchetou, mas deu com um destaque melhor. Já os cariocas “Extra”, “Meia Hora”, “O Dia” e “Metro” reservaram o espaço adequado para a dimensão da notícia: a manchete. “O Globo” e “JB” deram espaço nobre, no alto de página, mas não a manchete. (Clique em qualquer imagem para ver em tamanho ampliado): Continuar lendo