Um pedacinho da Itália em Beagá (e uma semana de circuito gastronômico!)

Divulgação

Prato “Monte Toscani”, da Osteria Degli Angeli. Foto: Divulgação

Comi esta delícia da foto acima na noite do último sábado. Eis a descrição do prato no guia do Circuito Gastronômico Italiano: “Massa Fettuccine de espinafre ao molho bechamel perfumado com manjericão, acompanhado de tornedor suíno [lombo] em crosta de ervas finas sob leito de cebolas caramelizadas.” O que acrescento, por minha conta, são os adjetivos: deliciosa a massa e o tornedor é muito suculento, generoso e bem-temperado. Sabe quando você come tão bem, come um prato tão saboroso, que sai muito mais leve — em vez de pesado — do restaurante? Pois é, foi assim: saímos de lá flutuando, só sorrisos! 😀

Eu nunca tinha ouvido falar da Osteria Degli Angeli, que fica no bairro Anchieta. Lá chegando, encontrei um restaurante com ambiente agradável, parecendo uma pousada de Tiradentes ou de Ilha Grande, com as paredes de pedra cheias de enfeites coloridos, uma fonte fazendo barulhinho de água ao fundo e uma varanda fresquinha para esses dias de calorão. Logo começou a tocar uma seleção alegre de músicas italianas que contribuíram para o clima ficar leve, sem parecer aqueles restaurantes metidos a besta em que você tem até medo de conversar e incomodar os comensais vizinhos. Sabe aqueles lugares em que os casais falam sussurrando e você só ouve os talheres? Pois é, esta cantina não é assim.

O preço dos pratos gira em torno de R$ 40 a R$ 50, o que achei justo, pela fartura que vi no meu próprio prato e nos de outras mesas. Eles têm boa variedade de massas, risotos, carnes e antepastos. Minha bebida foi um drink sem álcool, que o garçom garantiu ser sucesso na Itália. Para os amantes de vinho: lá tem uma grande carta, mas que nem cheguei a olhar, então não tenho muito o que detalhar sobre isso.

Pede dois pratos, só paga por um

Apesar de eu só ter ido ao lugar uma vez, fiquei com vontade de voltar e de recomendar. Por isso, resolvi postar aqui no blog, neste espaço pouco usado de dicas gastronômicas. E por mais um motivo: o Circuito Gastronômico Italiano, que me levou até lá, já vai acabar, neste sábado (31)! E acho que é uma iniciativa que merece ser divulgada: são 24 restaurantes participantes e, se você compra um prato do circuito, seu acompanhante pode comer o mesmo prato de graça. Para isso, basta avisar ao garçom e, na hora de pagar a conta, entregar o cupom que está dentro do guia do circuito (distribuído nos restaurantes, em supermercados ou que você pode baixar e imprimir agora mesmo). Ou seja, para exemplificar: eu e meu marido comemos este prato delicioso da Osteria Degli Angeli pelo preço único de R$ 48, em vez de pagar os R$ 96 que ele custaria para nós dois.

Veja abaixo a lista de restaurantes participantes:

restaurantes

Clique na imagem para ver maior

Serviço:

Osteria Degli Angeli
Av. Francisco Deslandes, 156, Anchieta, BH
Telefone: 31-3281-7965 (aceita reservas)
Facebook: www.facebook.com/osteriadegliangelibh
Horários de funcionamento: terça a sexta de 19h à 0h; sábado de 12h30-17h e 19h-0h; domingo de 12h30-17h

Circuito Gastronômico Italiano
Até 31 de outubro de 2015
Mais informações AQUI
Baixe o guia AQUI para imprimir os cupons e participar da promoção

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

Por que virar freguês do Boiadeiro

Já vou logo abrindo o jogo: adoro o Boiadeiro! É um bar-restaurante-pizzaria-churrascaria que fica na Serra, em Belo Horizonte, e onde já comemorei dois aniversários (e só comemoro meus aniversários nos meus bares do coração). Ele reúne as principais características que me fazem virar freguesa de um bar: atendimento ótimo, comida gostosa, cerveja gelada, ambiente agradável e preço justo.

Funciona na hora do almoço (self-service com churrasco) e à noite, transmite os jogos do Galo e do Cruzeiro, enche de famílias com muitas crianças nos fins de semana, entrega pizza. Tem uma parte aberta, com uma linda árvore bem no meio das mesas e cadeiras, sem invadir a calçada. A única coisa que falta lá para ser perfeito (já falei até com os donos) é colocar um trocador no banheiro feminino, para os clientes que ainda têm bebês.

Dito tudo isso, dada a declaração de freguesia e a recomendação para que conheçam o lugar, passo agora uma dica mais urgente. Desde julho está rolando em Beagá um festival, o Bairro em Bairro, que é uma seletiva para o festival Bar em Bar, da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), que só vai acontecer em novembro. A divulgação desse “Bairro em Bairro” foi tão ruim que eu só fui ficar sabendo dele agora, quase no fim — e olha que trabalho em um portal de notícias que divulga tudo quanto é festival gastronômico da cidade.

Barreado, prato do Boiadeiro. Fotos: CMC

Barreado, prato do Boiadeiro. Fotos: CMC

O Boiadeiro participa dessa seletiva com o barreado, um prato típico do Paraná: pera de chã de dentro (a parte mais nobre da carne), recheada com bacon, acompanhada de mandioca cozida, farofa, pimenta biquinho, pãezinhos e um molho de carne delicioso. Fomos experimentar o prato e é bom demais da conta! A carne parece que derrete no garfo, de tão macia. Comi bem tarde da noite, e fiquei com medo de ser atacada por uma de minhas crises de azia, ou de atrapalhar o sono, mas o prato satisfez sem pesar no estômago. A porção serviu bem para duas pessoas e levou cerca de meia hora pra ficar pronta. Preço: R$ 34.

20151001_23252520151001_232711

Não sei se o prato será incorporado ao cardápio do Boiadeiro, então recomendo que apareçam por lá antes do dia 15 de outubro, quando o festival termina. Se não der tempo, tudo bem: tem muitas outras coisas gostosas para saborear por ali 🙂

Serviço:

O Boiadeiro Pizzaria e Restaurante
Rua Palmira, 876, Serra, BH
Telefone: 31-3284-3311 (com delivery)
Facebook: https://www.facebook.com/oboiadeiro

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Conheça a Feirinha Aproxima

Eu nunca tinha ouvido falar dela, e já estava em sua quarta edição. Mas neste sábado, lá fui eu para o Mercado Distrital do Cruzeiro conhecer a Feirinha Aproxima. Fui por causa do Largo das Artesanais — as barraquinhas de cervejas artesanais produzidas em Minas, como as Inconfidentes, a Backer, a Krug Bier e a Falke, além de várias outras. Mas acabei caindo num comércio mágico de temperos, pimentas, cafés, queijos, cachaças, comidas prontas (salsichão, pão com linguiça, tapioca etc) e até roupas para chefs de cozinha.

Todas as fotos: CMC

Todas as fotos: CMC

IMG_20141004_132131

Clique nas fotos para ver a imagem em tamanho real.

IMG_20141004_132142

Filinha pra pegar cerveja na Kombi.

IMG_20141004_132720

Assim como eu não conhecia, imagino que muitos de vocês nunca tenham ouvido falar do projeto — embora, neste sábado, a feirinha estivesse bem cheia (corre entre os participantes que o organizador, Eduardo Maya — ex-Comida di Buteco — pretende até levá-la para um espaço mais amplo. A ver…). Por isso, resolvi fazer um post aqui no blog, para ajudar a divulgar esta ideia tão bacana.

IMG_20141004_132116 IMG_20141004_133205 IMG_20141004_133218

A Feirinha Aproxima acontece, por enquanto, todo primeiro sábado de cada mês, no Mercado Distrital do Cruzeiro (rua Ouro Fino, 452, Cruzeiro), das 10h às 17h. Sem cobrança de entrada. As cervejas e comidas são vendidas no esquema de fichinha, como em festas juninas.

IMG_20141004_132300

De quebra, você ainda poderá ter a oportunidade de almoçar no Mercado e fazer compras lá dentro, que também é um lugar super agradável e tinha até apresentação de chorinho na hora que chegamos no último sábado.

Então, anote na sua agenda: o próximo Aproxima vai acontecer no primeiro sábado de novembro, que já é no dia 1/11!

Saiba mais:

Site do Aproxima
Facebook do Aproxima

Leia também:

O melhor pão que já comi na vida

Todo dia eu passava na porta da Cum Panio Atelier de Pães, na rua do Ouro (ficava perto do prédio onde eu morava no ano passado), no bairro Serra, e achava que era um lugar que estava sendo reformado ou ajeitado para abrir em breve. Isso porque eu nunca via a simpática casa com as portas abertas.

Um belo dia, lá estava. Entrei, já de cara maravilhada com o cheiro saboroso de pão quentinho e com o visual das baguetes, brioches e bocas dispostos em “prateleiras”.

Cumpanio/Divulgação

Cum Panio/Divulgação

Um simpático rapaz (todos lá são jovens e sorridentes) uniformizado me perguntou se eu conhecia o lugar. Não conheço. E daí ele começou a me apresentar cada pão, como se fosse um tour por iguarias únicas:

“Este tem azeitonas, a massa é feita assim, aquele tem três tipos de chocolate, castanha X, a massa é assado…”, e assim por diante.

Curiosa, perguntei: “Vocês abriram agora?”

Ele riu, meio irônico: “Estamos aqui há dez anos.”

E foi assim que descobri a já “tradicional” Cum Panio, que só existe ali na rua do Ouro e está sempre cheia. Percebi mais tarde por que demorei a ver o lugar aberto: os horários de funcionamento são um pouco atípicos — de terça a sexta, das 11h às 19h30, e aos sábados de 11h às 14h; não abre nem domingo, nem segunda, nem em feriados. Além disso, há uma garagem para até três vagas e a porta fica sempre fechada: a pessoa tem que tocar a campainha para entrar, como se fosse na casa de alguém mesmo.

Cum Panio / Divulgação

Cum Panio / Divulgação

Mas vamos falar do que interessa: os pães. Não, você não vai encontrar o pão a preço de um pãozinho de sal da padaria da esquina. Eles custam na faixa dos R$ 10, R$ 14 cada (embora também tenha mais baratos, de até R$ 4, menores, como as olivinhas, e outros que chegam a R$ 20). Mas tampouco têm o mesmo tamanho, consistência ou sabor de qualquer outro pão que você já tenha comido. São grandes (alguns o suficiente para servir numa reunião cheia de amigos, por exemplo), têm a massa densa e farta (mais que a de um panetone, para se ter uma comparação) e os sabores são uma combinação mágica de castanhas, tomate seco, queijos, ervas, chocolates, azeites e azeitonas, que a equipe de “artesãos de pães” descobre em viagens pelo mundo.

Ou seja, não dá pra dizer que é caro, porque é um prato único, melhor do que se você estivesse comprando um bolo ou um panetone. Meu Natal não foi o mesmo no ano passado: substituí o chocotone, de que nunca gostei, por um pão chamado chocki, que tem pedaços de chocolate branco, ao leite e amargo, cada um do tamanho de uma borracha escolar. Você põe um pouquinho no forno pra eles derreterem e, hummmm…

Cum Panio / Divulgação

Cum Panio / Divulgação

Eu recomendo com força. Pode comprar pra servir para suas visitas, pra levar para a casa de um amigo na hora da festa, pra adoçar o domingo de Páscoa ou o Natal ou até num dia comum em que você quiser se dar ao pequeno luxo de comer o melhor pão da sua vida.

Serviço:

  • Cum Panio (do latim “com quem se compartilha o pão”)
  • Rua do Ouro, 292, Serra, BH
  • Funcionamento: terça a sexta de 11h às 19h30; sábados de 11h às 14h
  • Telefone: 3225-5246 (eles aceitam fazer encomendas por telefone)
  • Site: http://cumpanio.co
  • Facebook: https://www.facebook.com/atelier.cumpanio

Leia também:

A maior carta de cervejas da América Latina

Fotos: CMC

Fotos: CMC (Perdoem a baixa qualidade, foram feitas no celular) – Clique nas imagens para ver maior.

O restaurante acima, Café Viena Bier, sempre cheio, existe há 12 anos, mas só neste fim de semana fui conhecê-lo. E merecia virar rota turística de todos os apreciadores de cerveja do país: afinal, ali está a maior carta de cervejas especiais da América Latina.

Foto0123

Tem garrafa até da Rússia, como esta Baltika que experimentei (meio ruim, eles deveriam ficar na vodka mesmo):

Foto0127Os preços das cervejas são, principalmente, na faixa dos R$ 20 e poucos, então não é um lugar para se ir todos os dias. Mas também tem as da Ambev, por preço normal de buteco, e outras bem mais caras, como uma americana que custava R$ 990 (sim, com esse zero à direita)!

A melhor foi esta britânica, a R$ 33. Mais salgada que as outras, mas realmente uma das melhores que já tomei na vida:

Foto0128

Foto0129Esta alemã também era gostosa, por R$ 22:

Foto0124

Além da vasta opção de bebidas, o cardápio tem dezenas de pratos deliciosos. O forte é a culinária alemã, com todos aqueles joelhos de porco, salsichões e afins. Mas, aos sábados, o buffet do almoço tem a tradicional feijoada e também uma bacalhoada. Os pratos têm preços justos, principalmente pela fartura. É possível comer uma leitoa assada, com acompanhamentos de uma refeição completa, tamanho família, a R$ 46.

Foto0126

 

Eu pedi uma “porção alemã” (vários tipos de salsichão flambados, joelho de porco e salada de batata) para duas pessoas, que facilmente serviria quatro estômagos. Saiu a R$ 36 e estava deliciosa:

Foto: Beto Trajano

Foto: Beto Trajano

Além disso, o atendimento (quem serviu nossa mesa foi o garçom Lúcio) é muito bom, com direito a dicas e sugestões acertadas. O ambiente é gostoso, com muitos casais, mas também muitas famílias. Tem um espaço com mesas na calçada, um salão interior em dois andares e até uma varanda com mesinhas também, muito gostosa. A decoração é mais antiga, com instrumentos musicais pendurados pelas paredes e várias geladeiras lotadas de garrafas do mundo todo.

20130413_235431

Foto: Beto Trajano

No final, experimentamos três cervejas especialíssimas, tomamos mais uma nacional, e comemos o dobro do que nossa consciência permitia — e a conta saiu a R$ 70 por pessoa. Não é barato, mas o custo-benefício é a garantia de uma noite excelente. Virei freguesa.

***** (ótimo)

$$$ (de R$ 40 a R$ 75 por pessoa)