Breviário dos canalhas

O poema abaixo foi enviado pelo poeta Ângelo Novaes. Você também escreve contos, crônicas, poemas, resenhas, análises…? Envie para meu e-mail e seu texto poderá ser publicado aqui no blog, na seção de textos enviados pelos leitores 😉:

 

Quando todas as notícias eram más

E o vôo das andorinhas não se via.

Dias em que se aprendia aguentar

Sem objeto, apenas aguentar.

A esperança que canalhas bastariam

A si mesmos. E depois, eles também, aguentariam.

Assim, ao menos, algo bom eles nos deram.

Vocês agora podem sentir o que sentimos.

Nossa cara sem rosto não é estranha.

O pão cotidiano das ofensas partilhamos.

O acontecido é muito pior do que se esperava.

E que pare de piorar é o que esperamos.

Os canalhas em roda se preservam.

Suas caras compostas contemplamos,

Atentos ao sentido oculto das palavras

Daqueles que guardam as primícias

Do destino infausto dos mortais

Quando todas as notícias eram más.

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

As negras de tabuleiro do período colonial e os camelôs expulsos do centro de BH

PM usou bombas de efeito moral para dispersar camelôs manifestantes. Foto: Reprodução / Globo

Você tem acompanhado a determinação do prefeito Alexandre Kalil de retirar os camelôs do centro de Beagá (que levou a vários protestos e prisões)? O texto de hoje é sobre isso, mas traz um enfoque completamente novo, para enriquecer nossas reflexões. Foi enviado pelo leitor Régis Quintão, mestre em História pela UFMG: Continuar lendo

A Revolução da Rapadura

Foto: Moacir Ximenes / Wikimedia

Texto escrito por Beto Trajano:

A rapadura é um doce simples, produzida em alguns pontos do interior de Minas, que remete a tradições de séculos atrás, da época da colonização do país. É feita da cana, matéria-prima da tradicional cachaça mineira. Às vezes passa despercebida em lojas, mercados, bares e restaurantes.

Porém, é muito apreciada até hoje, a ponto de ter provocado uma verdadeira revolução. Sim, é isso mesmo o que está acontecendo no mais frequentado self-service na região onde moro: a Revolução da Rapadura.

Até pouco tempo, o restaurante oferecia de cortesia, após o almoço, chá, café e uma deliciosa rapadura. Ficava perto do caixa, bem abaixo de um quadro de sugestões. Todos os clientes, de forma quase que espontânea, antes ou depois de pagar a conta, aproveitavam a iguaria. E o café com rapadura virou tradição, sem que os donos percebessem.

Mas, com o tempo, não só os humanos, mas também outros visitantes indesejados descobriram a vasilha de doces: Continuar lendo