O inverno dá lugar à primavera deixando um tesouro de fotos de 130 ipês; veja a galeria

Neste dia 23 de setembro, exatamente às 4h50 da madrugada, teve início a primavera de 2019. Com isso, termina um dos invernos mais quentes e secos dos últimos tempos (ao menos aqui em BH) e também uma das temporadas de ipês mais lindos e exuberantes.

Por ter sido uma estação farta de beleza, foi o ano em que mais recebi fotos, desde o início desta tradição do blog, no inverno de 2014, quando recebi 70 fotos de ipês. Em 2015, recebi 56 fotos. E, em 2017, foram 84 cliques. Pode-se dizer que minha caça aos ipês deste ano foi um SUCESSO! Foram, ao todo, 130 fotos, vindas de 19 cidades e 7 Estados diferentes: as mineiras Beagá, Cordisburgo, Itabira, Santa Maria de Itabira, Congonhas, Sarzedo, Lagoa Santa, Betim, Contagem e Tiradentes, as paulistas São Paulo, São Bernardo do Campo e Bebedouro, as fluminenses Penedo e Resende, a paranaense Colombo, a gaúcha Porto Alegre, além de Brasília e Colonia del Sacramento, no Uruguai!

Ao todo, 26 pessoas enviaram seus cliques maravilhosos, fora os que eu fiz – e agradeço demais a todos que participaram! Isso em contar a linda pintura que a Carolina Pinheiro fez e enviou para alegrar ainda mais a galeria.

Agora, com o fim do inverno, os ipês amarelos, rosas, brancos e roxos darão lugar, em breve, às sibipirunas e sapucaias, que são outras de minhas árvores favoritas. E as amoreiras, que logo vão estar cheias de frutinhas pretinhas para nos deliciar. Mas, antes disso, compartilho com vocês os tesouros coletados nesta caçada, para que possamos começar bem esta semana e esta próxima estação. Deleitem-se:

Agora, até a próxima caça aos ipês, em 2020! 😉

 

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

Martokos, um grafiteiro cheio de estilo em BH

Outra descoberta que eu fiz no Festival Verbo Gentileza, do qual falei ontem, foi o artista Martokos. Ele disse que trabalha há 20 anos com grafites pelas ruas de BH, além de também fazer outros tipos de pinturas.

Eu o encontrei vendendo numa das bancas da feira na manhã de domingo, e claro que comprei cinco ímãs para minha coleção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como sempre entram em contato comigo para pedir telefones de grafiteiros, só por causa da galeria de fotos que montei, esta foi uma boa descoberta. Anotem aí os contatos do Martokos, caso queiram contratá-lo para algum trabalho: (31) 98879-1183 ou oi.martokos@gmail.com.

Para ver outros trabalhos dele é AQUI.

 

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

‘O Outro Lado da Montanha’: exposição fotográfica gratuita e muito mineira

Foto de CMC mostrando a exposição fotográfica de José Luiz Pederneiras.

Assim como na semana passada, aproveito esta quarta para divulgar uma atividade cultural gratuita muito legal que está em cartaz em Beagá.

Desta vez, é a exposição fotográfica de José Luiz Pederneiras (irmão dos Pederneiras que fundaram e que tocam o Grupo Corpo, do qual ele também é fotógrafo oficial).

Ela está em cartaz no Centro Cultural Minas Tênis Clube, com entrada franca, aberto para quem quiser ir lá ver.

São 25 fotografias lindas, explorando principalmente imagens muito mineiras, cheias de textura, mostrando montanhas exploradas, a natureza invadida. É inacreditável o efeito que ele consegue com imagens que, de perto, nada têm a ver com o que você enxerga a uma distância maior.

As fotografias parecem verdadeiras pinturas.

E, em meio a essas cenas tão mineiras, há ainda algumas imagens do mar. No site do centro cultural, o artista deu sua explicação para essa inserção inusitada: “A montanha e o mar estão presentes no pensamento do mineiro, que sempre pergunta o que está depois da montanha. Será o mar? A montanha produz a riqueza que é escoada pelo oceano. Olhar a linha do mar no horizonte faz com que pensemos, reflitamos sobre o nosso limite. E, para nós, mineiros, é o mar que enxergamos além da montanha”.

Vale muito a pena ir lá ver tudo pessoalmente, mas trago aqui 13 cliques que eu fiz, para deixar um gostinho:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Serviço:
Exposição “O outro lado da montanha”
Data: 21 de julho até 21de outubro.
Horário: terça a sábado, das 10h às 20h; domingos e feriados, das 11h às 19h.
Entrada franca.
Classificação: livre.
Local: Centro Cultural Minas Tênis Clube, na rua da Bahia, 2244, Lourdes.
Mais informações AQUI

O que diziam os cartazes: 40 fotos do protesto em BH contra Bolsonaro e pela Amazônia

Estive hoje de manhã no protesto contra o governo Bolsonaro e contra as queimadas desenfreadas na Amazônia. Foi na Praça do Papa, Belo Horizonte, a partir das 10h. Cerca de 2.000 pessoas participaram da manifestação, que foi apartidária e recheada de faixas, cartazes e placas com mensagens muito importantes. Todas tinham dois pontos em comum: a indignação com esse desgoverno federal e a preocupação com a nossa Amazônia. Ah, também surgiram mensagens contra o crime cometido pela Vale em Brumadinho. Nestas 40 fotos que eu fiz, e estão na galeria a seguir, destaco principalmente as ideias, ou seja, o que as pessoas escreveram e empunharam em suas cartolinas e papelões. Confira e compartilhe:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Um guia turístico para Tiradentes e região: mais de 50 fotos e várias dicas preciosas para quem vai viajar com criança

Tiradentes, São João, Santa Cruz de Minas (entre as duas), Resende Costa e Lagoa Dourada. A bolinha vermelha é o local aproximado da Cabana do Rei.

Se tem um lugar que eu amo neste mundo, como já falei por aqui, é a região de Tiradentes. Ô lugar bonito, sô!

Sempre que temos oportunidade, meu marido, meu filho e eu vamos para lá para recarregar as baterias. É muita natureza, comida gostosa, artesanato lindo e história de Minas num lugar só. O resultado é que voltamos descansados de corpo e alma, mesmo quando a gente só consegue ir por dois dias, e mais ainda quando ficamos num feriadão de quatro dias seguidos.

Neste post, reúno algumas breves dicas para quem for àquele cantinho especial de Minas:

ESTRADAS

O melhor caminho é, sem dúvida, via BR-040 e BR-383, passando por Entre Rios de Minas e Lagoa Dourada. A viagem gira em torno de 2h30 a 3h30, dependendo do trânsito e da parada. Depois que sai da BR-040, a paisagem fica ainda mais simpática no caminho. Tem um pedágio de R$ 5,30 no trecho. Estrada em boas condições em julho/2019.

Paradas recomendáveis nesse percurso: Legítimo Rocambole de Lagoa Dourada; no sentido Tiradentes: Charm Country, em São Brás do Suaçuí (tem uma fazendinha muito fofa pra já ir entrando no clima); e, no sentido BH: Café com Prosa, em Entre Rios (vale levar pra casa o café deles).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas tem gente que gosta de ir via BR-040 até Barbacena, pegando a 265 depois. A viagem fica em pelo menos 3h30, mas há quem prefira render mais pela 040. Nesse caso, a parada obrigatória é no Roselanche.

Na volta para BH, se você estiver com tempo, também vale esticar rapidinho em Congonhas para visitar o Santuário do Bom Jesus do Matosinhos, onde ficam os 12 profetas de Aleijadinho, patrimônio da humanidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

HOSPEDAGEM

A gente gosta de ficar em um lugar que fica entre São João e Tiradentes, chamado Cabana do Rei. Para quem tem criança, então, lá é perfeito. Já fomos seis vezes entre 2016 e 2019. Normalmente, viajamos por três dias e separamos um dos três para passear pela região, curtindo a infraestrutura da Cabana do Rei, que tem bom custo-benefício, no restante do tempo. Nas férias de julho, pagamos R$ 380 a diária com as três refeições. Em baixa temporada, foi R$ 300. O mesmo valor seja para quarto ou para chalé. CLIQUE AQUI para ler minha avaliação completa de lá, com muitos detalhes e os prós e contras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

REFEIÇÕES

Nas últimas vezes que fomos a Tiradentes, almoçamos no Biroska Santo Reis. A comida é deliciosa (melhor torresmo de barriga do mundo), cerveja gelada, preço justo e atendimento ótimo. O restaurante é do jornalista Fernando Lacerda e de sua esposa Luísa.

Também sempre paramos no Picolé Amado (que existe desde 1965) para tomar um picolé artesanal de laranja ou outro dos vários sabores que eles têm por lá.

PASSEIOS

Vale muito a pena fazer o passeio de maria-fumaça entre São João Del-rey e Tiradentes. Dura cerca de 50 minutos, ao longo de lindas paisagens rurais (sente-se do lado esquerdo do trem de estiver indo para Tiradentes e do lado direito se estiver voltando. Tem paisagens mais bonitas). Sem contar que é uma aventura para crianças e adultos! Nós pegamos a saída de SJ ao meio dia e o retorno às 17h, aproveitando o meio-tempo na cidade. O ideal é fazer como fizemos, porque é muito mais fácil estacionar o carro em São João que em Tiradentes hoje em dia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não vou nem falar dos museus e igrejas porque acho que é chover no molhado, né?

Uma coisa que é muito bacana da região é a grande quantidade de festivais. De cinema, de gastronomia, de cachaça, de blues e jazz etc. Cada hora inventam um, tente ir numa data de evento cultural também.

Este slideshow necessita de JavaScript.

ARTESANATO

Esta região é riquíssima em artesanato, principalmente de madeira e ferro. Os móveis de madeira de demolição são maravilhosos e já enchem nossos olhos desde a estrada, na passagem por Lagoa Dourada. Vale demais passear com calma por Tiradentes para comprar souvenires.

Em Santa Cruz de Minas, cidadezinha que você vai cruzar entre a Cabana do Rei e o centro de Tiradentes, o forte é o artesanato de ferro. Foi lá que compramos dois lindos lustres para a sala da nossa casa ao custo total de R$ 150. (Em BH, só o menor deles já sairia a esse valor.) Também compramos um lindo escorredor de pratos de ferro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Já Resende Costa é a terra das redes. São muitas e muitas lojas com redes, tapetinhos, colchas, toalhas de mesa. Artesanatos riquíssimos! E tem muitos móveis também, assim como Santa Cruz e todas as demais cidades. Minha dica é comprarem na loja HGM Artesanato, que fica próximo à prefeitura (rua dos Expedicionários, 635), e fornece redes para as lojas mais próximas da entrada da cidade. Tem fartura de opções lá e o preço é ótimo. Pagamos um total de R$ 140 por uma lindíssima rede de casal queen, duas colchas de casal, três tapetinhos de banheiro, um jogo de porta-copos e uma peteca. (Em BH, só a rede de casal sai a mais de R$ 150.)

Lembrando que lá perto tem Bichinho, famosa por seu artesanato, e Prados, que é muito lindinha e também merece visita.


Bom, acho que o principal é isto! Se eu me lembrar de mais alguma dica, acrescento aqui depois. Ficou com alguma dúvida? Me pergunte! 😉

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog