Condenação de Lula é ‘desrespeitosa, despropositada, fora da realidade’

Julgamento de recursos da Lava Jato na 8ª Turma do TRF4 – A partir da esquerda, o desembargador Victor Laus, procurador Maurício Gotardo Gerum, desembargador Leandro Paulsen e desembargador João Pedro Gebran Neto – Foto: Sylvio Sirangelo/TRF4

Texto escrito por José de Souza Castro:

Confesso que não tive paciência para ver pela TV, na íntegra, as longas falas dos três juízes do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre que não apenas confirmaram a sentença de Sérgio Moro contra Lula, como aumentaram a pena de prisão imposta pelo juiz de Curitiba, para 12 anos e um mês.

Por óbvio, não tenho a pretensão de analisar, neste momento, as mais de 400 páginas do juiz relator, acompanhadas na totalidade pelos outros dois. Seria mais fácil ler “Ulysses” de James Joyce em poucas horas.

Acho, porém, que outros mais capacitados poderão destrinchar o calhamaço, no devido tempo, e fazer as críticas que esses juízes estão a merecer.

Duvido que os jornalistas Mino Carta e Paulo Henrique Amorim tenham tido mais paciência que eu, o que não impediu que os dois saíssem logo com uma análise franca das consequência do ato insano praticado pelos três juízes. Quem se interessar pode assistir aqui.

É uma conversa também longa, de 40 minutos, mas que vale a pena acompanhar. Posso garantir que é muito mais interessante que as análises que você pode ver na GloboNews. Muito mais divertida, sem dúvida.

Rir é preciso, num momento como este que o Brasil está vivendo. Rir desses juízes boçais pode nos livrar da depressão e ressuscitar a esperança num Brasil melhor. Afinal, o povo brasileiro é muito melhor que suas elites. E muitíssimo melhor que esses três juízes que, certamente, serão condenados pela História.

Como a TV Globo, que respondeu com arrogância nota divulgada pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, na qual a senadora afirma: Continuar lendo

Anúncios

Marisa Letícia, uma entrevista histórica do tempo em que a esperança podia vencer o medo

Lula e Marisa. Foto: Carta Maior

Lula e Marisa. Foto: Carta Maior

Texto escrito por José de Souza Castro:

Na sexta-feira, 27 de janeiro, a Carta Maior recuperou uma entrevista de Marisa Letícia Lula da Silva dada em 2002 ao site da campanha do PT. Na época, eu era editor da Rádio Alvorada e muito ligado à política, mas nunca soube dessa entrevista. Nem eu e, quero crer, nenhum dos jornais que eu lia, rádios que ouvia e canais de televisão a que assistia.

Quinze anos depois, com a entrevistada num hospital, lutando pela vida, e com o marido ameaçado de prisão a qualquer momento, faz sentido a publicação agora da entrevista. Uma entrevista histórica, que pode ser lida AQUI, abaixo do editorial de Saul Leblon. Continuar lendo

Depois do prejuízo de bilhões, Petrobras recebe milhões da Lava Jato

Este slideshow necessita de JavaScript.

Texto escrito por José de Souza Castro:

Foram entregues nesta sexta-feira à Petrobras, simbolicamente, R$ 204 milhões, referentes à Operação Lava Jato. O valor equivale a meio dia de produção da estatal, que registrou no terceiro trimestre deste ano prejuízo de R$ 16,4 bilhões, provocado, principalmente, por nova baixa no valor de ativos.

Conforme justificou a empresa, ao divulgar o balanço no dia 10 de novembro, a baixa nos ativos soma R$ 15,7 bilhões e refere-se a efeitos no aumento do risco país, do câmbio e da postergação de alguns projetos, com relação à última avaliação feita em dezembro de 2015.

Nada diz, no entanto, sobre os prejuízos causados pela própria Lava Jato que levou à postergação de alguns projetos e arruinou a reputação da Petrobras com o uso intensivo de vazamentos para a imprensa ao longo de dois anos. Continuar lendo

Gilmar Mendes ataca Lava Jato e o Judiciário ‘mais caro do mundo’

O presidente do TSE, Gilmar Mendes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do TSE, Gilmar Mendes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Texto escrito por José de Souza Castro:

Há muito não concordo com opiniões do ministro Gilmar Mendes, do STF, que neste ano vem presidindo o Tribunal Superior Eleitoral. Nesta segunda feira, 24 de outubro, ele conseguiu, pelo menos, me deixar confuso. Não poderia deixar de concordar com algumas coisas do que ele diz, em entrevista a Mônica Bergamo, relacionadas com o Judiciário e com a Lava Jato.

Razão da desconfiança: a quem interessa de fato a pregação do ministro, com seu costumeiro uso da imprensa.

A seus amigos do PSDB, como Fernando Henrique Cardoso e José Serra, interessaria, por exemplo, esvaziar o poder do juiz Sérgio Moro, agora que o poder político foi retirado do PT. Gilmar Mendes talvez ache necessário estancar a sangria da Lava Jato, antes que seja tarde para os amigos tucanos. Daí, dizer que o combate à corrupção e a Operação Lava Jato estão sendo usados “oportunisticamente” para a defesa de privilégios do Judiciário, do Ministério Público e de outras corporações. Continuar lendo

Injustiçados – o Caso Sombra

Sérgio Gomes, o Sombra, do caso Celso Daniel (Foto: Reprodução/TV Globo)

Sérgio Gomes, o Sombra, do caso Celso Daniel (Foto: Reprodução/TV Globo)

Texto escrito por José de Souza Castro:

Em janeiro de 2002 foi assassinado o prefeito Celso Daniel, de Santo André. Ele tinha sido escolhido coordenador da campanha de Lula à presidência da República, cujo primeiro turno estava marcado para o dia 6 de outubro. A campanha começaria oficialmente 90 dias antes das eleições. O assassinato serviu para acirrar a disputa.

De um lado, a Polícia Civil e a Polícia Federal, as quais, após exaustivas investigações, concluíram que se tratava de um crime comum praticado por um bando de assaltantes. Para alívio do PT de Lula. De outro, o Ministério Público e a imprensa correndo atrás de um crime político ligado a suspeita de corrupção na prefeitura petista de Santo André, para gáudio do PSDB de José Serra.

Quem viveu no período deve se lembrar disso.

No ano passado, um dos principais denunciados pelo MP, o empresário Sérgio Gomes da Silva, cognominado pela imprensa de “Sombra”, foi condenado a 15 anos, 6 meses e 19 dias em regime fechado. Seu advogado, Roberto Podval, recorreu. Sérgio aguardava em liberdade a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, mas morreu antes disso, nesta semana, de câncer. Continuar lendo