Depois do prejuízo de bilhões, Petrobras recebe milhões da Lava Jato

Este slideshow necessita de JavaScript.

Texto escrito por José de Souza Castro:

Foram entregues nesta sexta-feira à Petrobras, simbolicamente, R$ 204 milhões, referentes à Operação Lava Jato. O valor equivale a meio dia de produção da estatal, que registrou no terceiro trimestre deste ano prejuízo de R$ 16,4 bilhões, provocado, principalmente, por nova baixa no valor de ativos.

Conforme justificou a empresa, ao divulgar o balanço no dia 10 de novembro, a baixa nos ativos soma R$ 15,7 bilhões e refere-se a efeitos no aumento do risco país, do câmbio e da postergação de alguns projetos, com relação à última avaliação feita em dezembro de 2015.

Nada diz, no entanto, sobre os prejuízos causados pela própria Lava Jato que levou à postergação de alguns projetos e arruinou a reputação da Petrobras com o uso intensivo de vazamentos para a imprensa ao longo de dois anos.

Mas, em seu informe desta sexta-feira, como a desculpar a desproporção entre os dois números (R$ 204 milhões de devolução e R$ 16,4 bilhões de prejuízo em apenas três meses), a Petrobras afirma que já havia recebido anteriormente, em 2015 e 2016, cerca de R$ 450 milhões e que procura receber “um potencial de R$ 5,5 bilhões na Justiça referentes à Operação Lava Jato”.

Com boa vontade, podemos acreditar que a Petrobras, conforme seu presidente, Pedro Parente, “está tomando todas as medidas necessárias para a integral reparação dos prejuízos sofridos, inclusive com relação à sua reputação”. E que as desvalorizações de ativos que facilitam sua transferência à iniciativa privada não venham a se repetir.

Lembrando que, no terceiro trimestre de 2015, a Petrobras havia registrado prejuízo de R$ 3,759 bilhões, provocado também por baixas em valores de ativos. Talvez por tais baixas, em poucos meses conseguiu fechar a venda, por R$ 2,8 bilhões, de sua subsidiária integral Liquigás Distribuidora S.A.

A feliz compradora é a Companhia Ultragaz S.A., que já era a maior distribuidora de GLP do Brasil. Com a compra de uma empresa que está presente em quase todos os Estados brasileiros, a Ultragaz vai incorporar a seus ativos mais 23 centros operativos, 19 depósitos, uma base de armazenagem e carregamento rodoferroviário e uma rede de aproximadamente 4.800 revendedores autorizados.

A Petrobras abriu mão de tudo isso, retirando-se do lucrativo setor de distribuição de gás liquefeito de petróleo. E já iniciou o processo de privatização, com a venda de 51% do capital votante, da BR Distribuidora, a maior do país na área de gasolina e diesel.

E la nave vá… Até agora, diz a “Folha de S.Paulo”, a estatal anunciou operações de vendas de ativos no valor de US$ 9,8 bilhões, o equivalente a 65% da meta estipulada para o biênio 2015-2016, e o “novo plano de negócios da companhia trouxe uma meta adicional, de US$ 19,5 bilhões, para o período entre 2017 e 2018”.

Tudo culpa, é claro, dos governos petistas que estraçalharam a empresa, como ouvi nesta sexta-feira no noticiário das 18 horas da Globo News.

Leia também:

ttblogfaceblog
Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

Um comentário sobre “Depois do prejuízo de bilhões, Petrobras recebe milhões da Lava Jato

  1. Na Folha de S. Paulo, neste sábado (19/11) :
    “A Petrobras negocia a venda de uma participação nas áreas mais cobiçadas do pré-sal –próximas aos megacampos de Lula e Sapinhoá– para o grupo francês Total.

    A transação faz parte de um acordo de parceria estratégica anunciado pelas duas empresas em outubro e deve incluir também duas usinas térmicas e o aluguel de um terminal de gaseificação na Bahia.

    O objetivo é concluir a operação ainda neste ano, colaborando para a Petrobras obter US$ 15,1 bilhões com a venda de ativos até dezembro. Esses recursos serão utilizados para reduzir o nível de endividamento da estatal.

    Até agora, a Petrobras conseguiu US$ 10,7 bilhões ao se desfazer de empresas na Argentina e no Chile, ativos de distribuição e transporte de gás, a distribuidora Liquigás e o campo de Carcará.

    Os campos em negociação com a Total ficam nos blocos BMS-9 e BMS-11 na Bacia de Santos –região considerada a jóia da coroa do pré-sal por incluir os dois maiores campos em produção no país.”

    Mais aqui: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/11/1833589-petrobras-negocia-areas-no-pre-sal-com-grupo-frances-total.shtml

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s