Um crime, um acidente e a mesma causa em comum: arma de fogo em mãos erradas

1) No auge dos 32 graus do calorão de Beagá, um pai foi a uma sorveteria com o filho de 10 anos para comemorar o aniversário do garoto, que faria 11 no dia seguinte. Lá dentro, ouve outro cliente chamando seu filho de “gordo” e bate boca com ele, dizendo que aquilo era bullying. A discussão se estende até a rua, e o outro cliente saca uma arma menor que a palma de uma mão e atira no olho do pai da criança, na frente do filho. Depois de disparar, vira-se e sai caminhando tranquilamente, até ser detido por uma testemunha, que chama a polícia. Enquanto isso, a criança chora, tentando reanimar o pai, já morto. [Leia a reportagem de Aline Diniz e Letícia Fontes]

2) Um adolescente de 17 anos, seu priminho, de 10, e outras crianças, estavam em um culto da igreja, no interior de Minas, e, em seguida, foram ter uma aula de música. Chegando à casa, o adolescente encontrou uma espingarda em cima de uma mesa de sinuca e, por curiosidade, pegou a arma. Apontou para uma lavoura de café em frente, atirou – puf! –, mas não saiu nada. Achando que a arma estava descarregada, apontou para o primo mais novo, atirou – bum! – e, desta vez, saiu um projétil que foi parar bem no peito da criança. Pouco depois, o garoto morreu. O outro, que atirou acidentalmente, foi apreendido. O filho do dono da espingarda ficou tão transtornado que quebrou a arma. [Leia a reportagem de Natália Oliveira]

O que esses dois casos têm em comum?

Sim, ela: a arma de fogo. No primeiro caso, foi usada em uma briga por motivo banal, fútil, que poderia ter sido facilmente resolvido entre os dois desconhecidos se tivessem conseguido terminar a discussão com serenidade. Mas, no calor do bate-boca, um deles estava armado. Mirou: bum! E ao menos três vidas foram destruídas graças a esse gesto. O pai era um bandido? Não, de jeito nenhum, estava só tentando proteger o filho do que considerou uma ofensa verbal. O “cidadão de bem” que atirou era um bandido? Não sei dizer, mas agora tornou-se um assassino.

No segundo caso, a arma de fogo foi usada por acidente, ou por ingenuidade. Não existisse arma ali, e as crianças teriam voltado para casa naquele fim de tarde, depois de uma tarde normal com orações e aula de música. Mas a espingarda estava à mão, atraiu a curiosidade da criança mais velha e, bum!, ao menos três vidas foram destruídas graças a essa curiosidade.

Armas de fogo devem ser restritas ao máximo. Quanto mais estiverem disponíveis, à mão de pessoas inabilitadas para manuseá-las (como aquelas sem controle, muito esquentadas ou as crianças), mais frequentes serão os casos de mortes por motivos fúteis (brigas de trânsito são um prato cheio para isso), acidentes com crianças e suicídios.

No entanto, nosso digníssimo presidente e sua equipe planejam, em vez de restringir mais, ampliar o acesso à posse de armas. Mesmo antes de a legislação ter efetivamente mudado, só pelo fato de o país estar vivendo esta atmosfera bélica dos seguidores de Bolsonaro, a venda de armas já disparou (literalmente) no mercado.

Eu chorei lendo estas duas notícias acima, imaginando a dor desses parentes que perderam seus entes queridos para o acaso, facilitado pela presença de uma arma de fogo. Chorarei muito mais, nos próximos anos, com os vários outros crimes ou acidentes evitáveis que certamente vão pipocar por todo o Brasil. Na torcida para que ninguém que eu amo também vire manchete de jornal.

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

Boas notícias. É o que realmente queremos?

Texto escrito por José de Souza Castro:

Vejo a Cris querendo boas notícias. Quem não quer? Parece óbvia a resposta, mas não é. Estou completando 45 anos de jornalismo e já vi nesse tempo muitas tentativas fracassadas, feitas por jornalistas, de tocar a profissão ocupando-se preferencialmente com boas notícias.

O problema é o leitor. Antes, a natureza humana, que teve como mestra primordial a própria natureza, na qual os fortes se alimentam dos fracos, numa cadeia alimentícia implacável. Ficar atento ao mal à nossa volta é essencial.

Se houvesse grande interesse em boas notícias, os house organs de grandes empresas com suas informações oba oba seriam um sucesso de leitura. Não são. No jornalismo brasileiro, temos muitos exemplos de importantes jornais que fracassaram quando mudaram de orientação para satisfazer governos que queriam boas notícias.

O “Correio da Manhã”, depois de se ver obrigado a fechar por causa da perseguição dos vitoriosos no golpe militar de 1964, deixando para trás um título respeitado, portanto valioso, foi refundado anos depois por empreiteiros incentivados pelo ditador de plantão. E morreu de novo, logo depois. Desta vez, morte inglória.

As revistas “Manchete” e “Fatos e Fotos”, de Adolfo Bloch, tiveram sucesso enquanto apoiavam um governo democrático popular, o de Juscelino Kubitschek. Mas elas sucumbiram ao fazer o mesmo – agora com o reforço de uma concessão, a TV Manchete – à ditadura.

A imprensa mineira, sempre disposta a agradar governos, em busca de verbas oficiais, nunca teve importância.

O “Jornal do Brasil”, relevante entre meados das décadas de 50 e 80 do século passado, começou a naufragar em março de 1985. Conto no livro “Sucursal das Incertezas”. O governo Sarney convenceu Nascimento Britto, genro da condessa Pereira Carneiro, que seria de interesse da empresa publicar boas notícias. A condessa havia morrido e o JB estava em crise, depois de a empresa investir muito para obter a concessão de uma televisão (a futura TV Manchete), negada pelo último ditador.

As “Histórias de Sucesso” patrocinadas pela Petrobras, por ordem de Sarney, e publicadas pelo JB, foram um rumoroso insucesso de leitura. Bem como o esforço do jornal para mostrar um Brasil em pleno crescimento econômico e descobrir cidades com uma população feliz. Trecho de minha narrativa:

“No fim, os proprietários do jornal viram o resultado dessa submissão. Além de o JB perder credibilidade e prestígio, Sarney concedeu a Roberto Marinho mais quatro concessões de televisão, durante seu governo. A televisão Globo massacrava o jornal da condessa. Divulgava doses maciças de publicidade do jornal O Globo, no horário nobre, mediante pagamento apenas simbólico e contábil dessa publicidade (…). Pois, imagine então encontrar, no vasto interior de Minas, uma cidade em que as pessoas sejam felizes… Bom, com muita força de imaginação, é até possível – mas jornalismo, presume-se, lida com fatos. (…) O contraponto ao Brasil visualizado por Sarney e retratado em preto e branco pelo JB veio de pesquisa do Instituto de Estudos Políticos e Sociais dirigido pelo cientista Hélio Jaguaribe. Em 26 de maio de 1986, Ricardo Noblat divulgou em sua coluna política no JB alguns dados da pesquisa: 38 milhões de brasileiros em estado de miséria; metade da população tem acesso a apenas 13% da renda nacional, enquanto 33% estão concentrados nas mãos de 5% da população mais rica; 1% dos mais ricos detém igual percentual (13%) de renda dos 50% mais pobres; a mortalidade infantil é de 65 crianças por mil nascidas vivas; e pelo menos um terço das famílias brasileiras vive em estado de subnutrição.”

Desde então, todos os governos tentaram passar uma imagem de país muito melhorado, com a ajuda interessada da grande imprensa, e, sobretudo da TV Globo. Mas, o que era ruim ficou pior.

É claro que não defendo um jornalismo só de más notícias. É preciso haver equilíbrio. Minha seleção de reportagens, no livro “O Caçador de Estrelas”, reflete essa minha preocupação.

O filósofo Vladimir Safatle reflete sobre a existência de paixões tristes e paixões alegres. Escreveu: Continuar lendo

Uma coleção de NOTÍCIAS BOAS para nos animarem em tempos de desesperança

Foto: Pixabay

 

Ontem escrevi que não aguento mais ler o noticiário, seja em qual fonte for, e só encontrar notícias péssimas. Escrevi sobre minha desesperança, nesta sociedade que está se tornando meio “Relatos Selvagens” e meio “Black Mirror” (como bem definiu o filósofo Douglas Garcia, nosso leitor!), e pedi que os leitores me ajudassem a encontrar notícias boas espalhadas por aí.

Não foi tarefa fácil: chegaram apenas seis links!

Compartilho todos eles: Continuar lendo

O inverno da nossa desesperança (nos noticiários)

Foto: Pixabay

O inverno começou ontem e me lembrou o nome desse clássico de John Steinbeck, “O Inverno da Nossa Desesperança”, um dos livros mais belos que já li. Este post nada tem de belo, mas peço licença a um dos meus escritores favoritos para pegar a ideia emprestada.

A cada vez que entro em um site de notícias, meu coração se enche de desesperança. E, nesta época do ano, isso tem acontecido com mais frequência.

Não estou só me referindo às notícias políticas e econômicas, que, neste campo, já estamos todos muito calejados. Mas principalmente a notícias como estas:

E olha que hoje o noticiário estava até leve.

Mas estas são algumas amostras, colhidas numa olhada rápida por alguns sites que leio, de como nossa sociedade anda doente, sob vários aspectos. Tudo bem dirigir bêbado, tudo bem xingar uma mulher por ela ser negra, tudo bem bater num cara por causa de rixa de futebol, tudo bem a prostituição de menores? Agora até ameaçar um bebê de morte para ganhar curtidas numa rede social já está rolando! Onde vamos parar?

É por me sentir tão desesperançada que tenho escrito bem menos neste blog em 2017. Não é só falta de tempo, maternidade etc. É falta de vontade mesmo de escrever sobre o mundo. Meu pai sempre diz: “Isso também passa”. Concordo com ele. Talvez seja apenas um longo inverno, e logo chegue a primavera, com notícias mais alegres, com olhares mais leves sobre a vida. Mas, com tanta coisa desanimadora para se ler na internet, tenho evitado tornar este blog mais um reduto para o pessimismo. Vamos ver quando conseguirei retornar à carga…

Quer me dar uma forcinha? Se você leu uma notícia BOA hoje, boa mesmo, algo que tenha te inspirado, que tenha te feito pensar que o mundo não está perdido, que ainda há pessoas bacanas ao nosso redor, me mande o link dessa notícia. Pode ser aí nos comentários, pode ser no meu e-mail, nas redes sociais do blog, como preferir. Acreditar é preciso.

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

15 textos sobre o caos político das últimas semanas

País dividido. Foto de Lincon Zarbietti para o jornal "O Tempo"

País dividido. Foto de Lincon Zarbietti para o jornal “O Tempo”

Os acontecimentos no país andam tão turbulentos que é difícil tecer qualquer comentário ou análise sobre tudo isso. Num dia, uma revista divulga vazamento de uma delação que ainda nem havia sido homologada, implicando, ainda que sem provas, Dilma e Lula em esquema de corrupção. No dia seguinte, o ex-presidente é levado à força para depor. Logo depois, milhares vão às ruas protestar contra o governo. Aí a delação é homologada e descobrimos que ela também implica, ainda sem provas, o presidente do maior partido de oposição, Aécio Neves, em transações suspeitas. Continuar lendo