Três meses depois, e o tênis não presta mais

Eu já disse algumas vezes no Twitter e vou repetir aqui: se você teve problemas com algum banco, vá direto ao site do Banco Central e faça uma denúncia, que o banco responderá rapidinho e de forma bastante atenciosa. Se o problema foi com alguma operadora de telefonia, televisão a cabo e/ou internet, faça essa denúncia no site da Anatel. Elas vão resolver rapidinho também. Isso inclui a denúncia de vendas casadas (internet rápida só se comprar X canais), que é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor.

Agora estou tendo problema com um tênis e não sei a quem recorrer (não boto fé na eficácia do serviço do Procon, embora possa vir a ser útil agora). Isso porque a própria Ouvidoria do fabricante me deixa sem resposta há nove dias.

O caso é o seguinte: comprei um tênis Next, da marca Olympikus em um site chamado Corpo Perfeito, que encontrei via Buscapé, por ter o preço mais razoável para o tipo de tênis (saiu a R$ 122,23). É um calçado próprio para corrida, que poderia me ajudar no meu dia a dia de correria a trabalho ou a lazer.

Até então eu tinha um Nike Shox, que tinha ganhado de presente da minha mãe uns cinco (ou mais) anos antes, e resistiu bravamente por todo esse tempo, até virar um lixo que não tinha mais condição de ser usado. Ele deve ser mais caro, mas, pelo meu histórico, recomendo.

Voltando ao Olympikus (e dizem que é uma marca boa…). O calçado chegou no dia 2 de fevereiro, conforme email do site que guardei aqui.

Ainda no mês de abril (ou seja, menos de TRÊS MESES de uso depois), comecei a reparar que o solado dos dois pés estava se soltando. Ele continua bem fixo na ponta, mas as laterais estão completamente soltas, pelo menos quando piso no chão (!). Fui levando, mesmo assim, porque estava sem tempo para ficar correndo atrás disso.

Até que um dia comentei com alguém: “O Nike Shox demorou cinco anos pra abrir o solado, este já abriu em três meses!” E a pessoa falou: deve ser problema de fabricação, porque não faz sentido isso ter acontecido tão rápido.

Foi aí que, em 6 de maio, enviei um email ao Corpo Perfeito e ao SAC da Olympikus, relatando o que ocorreu.

O primeiro me respondeu prontamente, dizendo que os produtos são enviados exatamente como foram entregues pelo fabricante, então a responsabilidade seria da Olympikus. Ainda se ofereceram para intermediar o contato com o fabricante, o que foi feito.

A Olympikus me contatou no dia 10 de maio. Pediu as seguintes informações:

  • linha, referencia, nº e cor do produto (encontra-se na etiqueta de codigo de barras, na caixa);
  • data de aquisição do produto e se possui a nota fiscal;
  • por quanto tempo e para qual atividade foi usado.
  • se possivel, e for de sua preferencia, nos encaminhe imagens de seu produto.

Parecia pegadinha, para ver se eu comprei falsificado ou original. Por minha sorte, guardo todas as notas fiscais do planeta, até de calculadora de R$ 2,99, e informei tudo o que me foi pedido. Vejam as fotos:

No dia 11 de maio, a mesma atendente me respondeu dizendo que eu tinha que enviar o produto por Correio lá para a fábrica, no Rio Grande do Sul, para que fosse analisado pelos laboratórios deles.

“Caso seja constatada falha no processo produtivo ou nos materiais empregados, destruiremos o par enviado e sera autorizada a substituição do produto, por outro par igual ou similar ao seu, dentro do mesmo valor do que nos foi enviado. Caso esteja dentro dos padrões e não constatado a falha, devolveremos o mesmo no endereco informado com uma carta explicando a impossibilidade da troca.”

Deixa eu ver se entendi: gastei uma graninha com um tênis “de corrida” que em menos de três meses apresentou grave defeito, tenho a cópia da nota fiscal mostrando a data da compra, mandei as fotos, e mesmo assim tenho que esperar análises laboratoriais em outro Estado e ficar sabe-se lá quanto tempo sem tênis nenhum, até que me respondam se vão assumir o erro ou não?!

No mesmo dia, enviei um email para ela perguntando quanto tempo essa análise levaria. Estou aguardando essa resposta há NOVE dias…

No dia 17, enviei outro email perguntando se, como em qualquer país civilizado que respeita os direitos do consumidor, eu não poderia simplesmente ir a alguma loja próxima da minha casa, que venda o mesmo modelo de tênis, para que eles vissem o defeito, trocassem o produto e fossem ressarcidos pela fábrica depois, sem perder o meu tempo e me fazer ficar semanas sem tênis nenhum. Estou há três dias esperando essa resposta…

É por isso que divido essa história com vocês, meus amigos. Evitem essa marca, porque, se um dia derem o azar de pegar um produto defeituoso, eles vão fazer de tudo para dificultar sua vida e para ignorar seus direitos de consumidor.

Leia todos os capítulos desta novela:

  1. Três meses depois, e o tênis não presta mais
  2. Ainda a novela do tênis da Olympikus
  3. Dois meses e meio e vem o tênis errado!
  4. O fim da novela da Olympikus, em quatro capítulos
  5. Epílogo surpreendente (e positivo)
Anúncios