Ir para conteúdo

Poetas excluídos

(Foto: CMC)

Eu que passo pela casa e

na porta entreaberta

vejo música.

Um piano delicado que me olha

(me ignora)

mas eu rio.

E espio e espero

pela porta.

Não se importa (enquanto escuto deslumbrada).

Assustada, chega a dona

e tranca a porta!

(e me corta.)

Vou-me embora

muito embora não entenda.

 

Que mal há em ouvir a música dos outros?

Que mal há em olhar o vizinho pelos olhos?

(Bem nos olhos.)

Em soltar os ouvidos pela aorta,

invadir espaços,

derrubar as portas?

 

As pessoas não mais vivem:

elas correm,

elas trotam trotam trotam.

Não se importam.

Que importa tocar piano pra si mesmo?

Fazer poemas pra si mesmo?

Olhar apenas pra si mesmo?

 

A árvore da praça me existe há quinze anos

e nem sei seu nome.

Mas, mesmo assim, sei que é a mais bonita.

(09/05/2006)

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

8 comentários em “Poetas excluídos Deixe um comentário

  1. A arte só se manisfesta se há alguem que a admire; a natureza também. A exclusão do Homem pelo Homem, limita o alcance da arte e da natureza…excluindo o criador (poeta?).
    Linda poesia, Cristina…
    Abraços.

    Curtir

  2. Sou suspeito para opinar, Cris. Mas, muito bom! A árvore da praça, uma frondosa paineira, continua lá. A qualquer dia, volta a florescer. O que não volta mais é o nome da praça: Primavera. Foi mudado por vereadores insanos, para homenagear um jornalista picareta. O tempora, o mores, como diria Cícero – que não era poeta na Roma antiga, mas sabia das coisas.

    Curtir

  3. “As pessoas não mais vivem:
    elas correm,
    elas trotam trotam trotam.
    Não se importam.
    Que importa tocar piano pra si mesmo?
    Fazer poemas pra si mesmo?
    Olhar apenas pra si mesmo?”

    E quando trotam trotam trotam atropelam o sentido das coisas, e isso me lembra mestre Caeiro, sobretudo quando faz referência à árvore da praça.

    Lembro-me também do coelho de Alice…é tarde é tarde é tarde…trotam trotam trotam.

    Azar dos apressados!

    Bj

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: