#PérolasDoLuiz – Educação no trânsito

– Bosta!, exclamou o Luiz.

– Onde você ouviu isso, filho?

– Papai fala no carro.

– E o que quer dizer “bosta”?

– É quando o povo dirige mal.

 

Leia também:

faceblogttblog

Anúncios

Retomando a campanha de respeito aos pedestres

Durante a Semana Nacional de Trânsito de 2013, eu e o colega Acir Galvão criamos um adesivo original, com uma mensagem de respeito aos pedestres. Um mês depois, procurei uma gráfica, imprimi um lote desses adesivos e divulguei aqui no blog, para quem tivesse interesse. Enviei a todos os leitores que pediram (só cobrei R$ 1, que foi meu custo unitário na gráfica), mas infelizmente foram muito poucos.

A maioria dos adesivos continuava esquecida no meu armário, guardadinha.

adesivo

Até que, há alguns dias, fui procurada pelo leitor Valdir Luiz, de Cornélio Procópio, no Paraná. Ele disse que estava procurando adesivos para colocar em sua frota de ônibus e encontrou os meus na internet. Encomendou dez, de uma vez!

Ele me explicou que trabalha com reforma e revenda de ônibus velhos e que colocou os adesivos em todos os veículos e ainda vai encomendar mais, para distribuir entre os amigos. “É sempre gratificante saber que contribuímos para a conscientização das pessoas e principalmente que salvamos indiretamente a vida de alguém”, me disse Valdir.

E ele me mandou uma foto de um de seus ônibus com o adesivo já colado. Vejam que demais!

DSCF1461

Foto: Valdir Luiz

 

Espero que a iniciativa e o exemplo de Valdir inspirem outros motoristas ao redor do país e que esse trabalho de conscientização continue. Ainda falta pouco mais de um mês para a Semana Nacional de Trânsito de 2015, mas, afinal, todas as semanas deveriam ser de respeito no trânsito, né mesmo?

Se você também tiver interesse em adquirir adesivo(s) para seu carro, entre em contato comigo 😉 Clique AQUI para ver como fica o adesivo em um carro cinza/prata e em um carro vermelho.

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

 

Hachiko: um cão leal

Autor desconhecido

Autor desconhecido. Clique nas fotos para vê-las em tamanho real

Eu nunca tinha ouvido falar de Hachiko até assistir ao filme de 2009 estrelado por Richard Gere.

Ou seja, palmas aos astros de Hollywood por trazerem ao Ocidente histórias que já são célebres no Oriente. Todos nós merecemos conhecer um ser tão especial como este cachorro da raça akita.

Vou resumir a história [se preferir assistir antes ao filme, sem ter nenhuma surpresa estragada, pule para o último parágrafo deste post]: Hachi era o cachorro de um professor da Universidade de Tóquio. Como todo akita, era dócil e inteligente. Aprendia as coisas com facilidade. Todos os dias, acompanhava o professor Ueno até a estação de trem de Shibuya, onde o professor pegava a condução para ir trabalhar. Hachiko (diminutivo de Hachi) deixava o dono lá, cheio de afagos, e voltava sozinho para casa. Mais tarde, pontualmente quando o professor pegava o trem de volta, Hachi voltava de casa até a estação, e o esperava na porta.

hatchicoOs outros passageiros se comoviam com a cena: viam o professor e seu akita, pontuais e no mesmo local, todo santo dia, de manhã e no fim da tarde. O akita acompanhava o dono e horas depois voltava, sozinho, para recepcioná-lo com muito carinho.

Até que, um ano e meio depois, em 1925, o professor Ueno teve um derrame na universidade e não voltou no trem das 17h. Hachi ficou esperando na porta da estação por várias horas até alguém se lembrar de ir buscá-lo. E, nos nove anos seguintes, continuou aparecendo na estação, todos os dias, pontualmente, no horário do trem do professor Ueno, à espera de seu dono.

A última foto de Hachiko.

A última foto de Hachiko.

Chegaram a tentar levá-lo para outra cidade, mas Hachi fugia e voltava sempre a aparecer na estação, obstinadamente. Começou a ficar famoso, virou tema de reportagens e, quando morreu, em 1934, doente e fraco, aos 11 anos, Hachiko foi homenageado com uma estátua, que pode ser vista até hoje na estação de Shibuya, em Tóquio.

Para mim, Hachi é exemplo de lealdade, amizade, paciência e perseverança. la-statut-d-hachiko-aConceitos muito em baixa nesses tempos de amigos virtuais, pressa, imediatismo a intolerância.

Por isso, recomendo que assistam ao filme de Lasse Hallström (sueco que dirigiu outros filmes simpáticos como Gilbert Grape: Aprendiz de Sonhador, Regras da Vida e Chocolate) e emocionem-se. Não é um filme brilhante, mas a história de Hachi, por si só, é inspiradora. Preparem-se para chorar um bocado 😉

Atualização em 13/3: o leitor Gustavo descobriu no site Japão em Foco que uma nova estátua estava para ser inaugurada agora em março, na Universidade de Tóquio. Nela, Hachiko e seu dono são finalmente reunidos, após oito décadas. Lindo demais, né 😉

Vejam a foto que o site divulgou:

estatua

Leia também:

faceblogttblog

Por que manter nossos cabelos cacheados

Foto de ontem, com o cabelo na altura dos ombros.

Foto tirada ontem, com o cabelo na altura dos ombros e um resquício de franja.

É a segunda vez que assisto a uma campanha publicitária da Unilever (neste caso específico, da marca Dove) e tenho vontade de chorar de emoção. A anterior era sobre a real beleza (veja AQUI). Agora foi sobre um assunto que me toca ainda mais: os cabelos cacheados.

Assista abaixo (em inglês):

O que mais me chamou a atenção neste vídeo foi a visão das crianças. Nunca tinha me passado pela cabeça, já que não tenho filhos, mas elas devem se sentir mais feias por terem cabelos enrolados, já que veem suas mães e ídolas — de cabelos naturalmente enrolados — fazendo de tudo para deixá-los mais lisos.

Eu tenho cachos e gosto deles. Nesses tempos de métodos japoneses infalíveis, em que 90% das mulheres estão com os cabelos alisados, acho que os cachos se destacam ainda mais na multidão. E já existem N produtos próprios para eles, então não é difícil manter o cabelo natural e, ao mesmo tempo, bem cuidado. (Belo Horizonte já até ganhou um centro especializado em cabelos crespos, veja AQUI).

Se você tem cabelos cacheados, e os mantém lisos há muito tempo, que tal fazer uma “experiência” neste começo de ano novo? Deixe seus cabelos voltarem ao normal, faça um corte que combine com seu rosto (veja sugestões AQUI e AQUI) e celebre seus cachos, que são cada dia mais raros — mas também já li que voltaram a ser “tendência” 😉 Acho que o importante é a gente se sentir bem com a gente mesma, então, se a experiência não te agradar, nada impede que você volte a alisá-los…

Na minha cabeça, só muda o corte: os cachos continuam por lá em 99% do tempo. E, nos últimos cinco anos, tenho mantido o cabelo mais curto (quando ele cresce, os cachos diminuem…). Como sou eu mesma que corto meus cabelos, o resultado quase sempre é imprevisível e inimitável, rs. Veja algumas das carinhas irrepetíveis neste período de tempo:

cachos

 

Leia também:

Leia, para que seus filhos leiam

Cresci numa casa abarrotada de livros. Nos armários, todos os armários, nas caixas. Eu mesma criei uma “biblioteca” improvisada, com uma caixona de leite, onde colocava vários livros, e que deixava debaixo da minha cama. Tínhamos uma coleção imensa da Barsa, livros grandes e vermelhos, onde pesquisávamos as coisas para a escola, naquele mundo pré-Google. Família inteira, principalmente meus pais, sempre leu muito. Cada um enfurnado em seu canto, viajando por seu mundo literário do momento.

E, nesse ambiente, é impossível que eu tivesse crescido sem adorar ler. Leio o dia inteiro, literalmente. E, chego em casa à noite, olhos ardendo, em busca do meu livro do momento. Ou seja, leio pra descansar, assim como leio pra aprender e leio pra trabalhar. A leitura supre quase todas as necessidades. Me desapego rapidinho de roupas, que dispenso em várias doações ao longo do ano, mas é difícil eu me desapegar de algum livro.

Assim, quando eu tiver filhos, é muito provável que eles aprendam a amar os livros, como aprendi com meus pais superleitores. E, se você quiser que seus filhos adquiram o mesmo hábito, comece por moldar o espelho: leia bastante, pra que eles peguem o exemplo 😉

Quem dá essa dica de ouro nem sou eu, mas o grande Liniers, um dos melhores cartunistas do mundo. Vejam só uma tirinha que saiu em seu site nesta semana:

macanudo

“Se querem que seus filhos sejam leitores, deixem que eles te vejam lendo.”

Leia também: