Por que todo político gosta de ler sobre Churchill, Obama e Ford?

A Folha tem uma seção, publicada quase todo domingo na coluna Mercado Aberto, chamada “O que eu estou lendo”. Políticos e personalidades empresariais são entrevistados para dizer qual o livro na cabeceira do momento.

Pois bem, vejam só o que os relações públicas dessas pessoas dizem para eles responderem:

  • Gilberto Kassab – “On China”, de Henry Kissinger.
  • Geraldo Alckmin – “Minha Mocidade”, de Winston Churchill.
  • Alexandre Padilha – “Noturno de Havana — Como a Máfia Americana Conquistou Cuba e Perdeu para a Revolução”, de T.J. English.
  • Nizan Guanaes – “Churchill: An Unruly Life”, de Norman Rose.
  • Andrea Matarazzo – “Fordlândia”, de Greg Grandin.
  • Aécio Neves – “Obama”.
  • Herman Voorwald – “Queda de Gigantes”, de Ken Follett
  • José Sergio Gabrielli – “Por que Odiamos as Companhias Petrolíferas”, de John Hofmeister.
  • Jorge Simino – “On China”, de Henry Kissinger.
  • José Serra – “Reflexões sobre um século esquecido”, de Tony Judt
  • Fernando Henrique Cardoso – “Indignez-vous!”, de Stéphane Hessel.

Poxa, sacanagem, não foi o RP que disse isso, os caras realmente só gostam de ler livros históricos ou técnicos ou filosóficos ou sociológicos que demonstram como são atuais e cultos e estão preocupados com a sociedade em que vivem etc!

Mas que é engraçado que dois estejam lendo sobre o Churchill e que dois estejam lendo o mesmo livro de Kissinger, ah, isso é. E cadê a boa e velha literatura, minha gente? Ninguém curte um Fernando Sabinozinho de vez em quando, pra relaxar?

(Só pra constar, estou numa fase sensível e peguei ontem pra ler uma velha aquisição de livro-de-bolso-de-banca-de-revista chamado “Os melhores contos de amor das Mil e Uma Noites”. E não me julguem, relações públicas anda muito caro hoje em dia! ;))

Anúncios