Por que denunciar privatizações na Petrobras e Eletrobrás

Texto escrito por José de Souza Castro:

Está sendo discutido na comissão especial da medida provisória 795, que era presidida pelo senador tucano José Serra, se o Brasil quer mesmo impedir que empresas brasileiras continuem participando, como fornecedoras de equipamentos, nos projetos de exploração do petróleo no próprio país. O governo, autor da MP, gostaria de deixar tudo a fornecedores estrangeiros.

O Partido dos Trabalhadores vai combater essa MP, garante o líder do partido na Câmara dos Deputados, Carlos Zarattini, como se vê aqui. Ele afirma que o objetivo da MP é dar aos equipamentos importados o mesmo tratamento tributário dado aos equipamentos produzidos no Brasil, o que enterraria “a indústria naval, a indústria de equipamentos, a tecnologia desenvolvida pela Petrobras e pelas empresas que fornecem à Petrobras”.

E a Fiesp, tão barulhenta com seus patos, no passado, se mantém silenciosa. Não se ouve ali um único quá quá quá “em defesa da indústria nacional de petróleo e gás”. Continuar lendo

Anúncios

Vazou o 1º hit do Carnaval de 2017! Ouça a marchinha ‘Solta o cano’

Todo ano a gente compartilha aqui as SENSACIONAIS marchinhas do Carnaval de BH, principalmente aquelas mais politizadas, mais irônicas, as mais inteligentes com seus jogos de palavras.

E a marchinha que promete ser o hit do Carnaval 2017 já vazou! “Solta o cano” já está bombando na web, com milhares de visualizações (só este único vídeo abaixo já teve 98 mil views).

Ouça para já ir aprendendo a letra e fazer bonito nos bloquinhos pelo país afora:

soltaocano

Os compositores de “Solta o cano” são Vitor Velloso e Marcos Frederico, os mesmos que compuseram “Não enche o saco do Chico“, que foi a marchinha vencedora da edição 2016 do Concurso de Marchinhas Mestre Jonas.

Relembre todas marchinhas vencedoras dos últimos anos: Continuar lendo

Mais algumas razões do Golpe Paraguaio no Brasil

golpe

Texto escrito por José de Souza Castro:

Em fevereiro de 2015, alertei aqui que a presidente Dilma Rousseff podia sentir na pele o golpe Paraguaio. Ou seja, que ela poderia ser derrubada pelo parlamento, com as bênçãos dos Estados Unidos.

Agora leio AQUI um artigo do geógrafo norte-americano Brian Mier, editor da “Brasil Wire“, em que aponta fortes indícios dessa ajuda de Tio Sam, e conclui:

“Apesar de que talvez não haja provas concretas suficientes e disponíveis para fazer um argumento totalmente convincente sobre o envolvimento dos Estados Unidos no golpe de 2016 contra Dilma Rousseff, certamente existem provas suficientes para se especular sobre esta possibilidade. Será que os Estados Unidos se beneficiam com as novas políticas deste governo? Com certeza. Ele tem motivos para apoiar o golpe? Sim. Elementos do estado expandido norte-americano, como a imprensa burguesa, solaparam os pilares do governo Brasileiro? Sim. Será que o governo dos Estados Unidos foi diretamente envolvido nesta desestabilização? Neste momento as únicas provas concretas são as correspondências do Departamento de Estado dos EUA implicando Sergio Moro, embora o nível deste envolvimento ainda não seja claro. Entretanto, sob o risco de ser acusado de um teórico de conspiração, eu previno que com a passagem de tempo, como no caso do Golpe de 1964 no Brasil e do golpe de 1973 em Chile, mais e mais provas de envolvimento dos Estados Unidos na mudança de regime de 2016 vão subir até a superfície.”

Um ponto significativo do artigo são os interesses em jogo que poderiam levar a Casa Branca a agir no e contra o Brasil. Transcrevo, também com as devidas correções de erros gramaticais observados na tradução: Continuar lendo

Urge vender logo o pré-sal para as multinacionais

Charge de Latuff

Charge de Latuff

Texto escrito por José de Souza Castro:

Como se esperava, passado o governo petista, a Petrobras volta a ser o sonho dos investidores no Brasil e no mundo. Lula ainda não foi preso, como alguns chegaram a divulgar que ele seria na segunda-feira, 17 de outubro. Ao invés disso, na parte da manhã, a estatal informou ao mercado um novo recorde na produção de petróleo e gás em setembro. Há alguns anos, fatos relevantes só eram divulgados após o fechamento do pregão da Bovespa, mas parece que isso também mudou.

E as ações da Petrobras valorizaram durante o dia 2,85% (PETR3) e 3,94% (PETR4). Festa na Bovespa…

Para quem acompanhou o noticiário da segunda-feira, chamou a atenção o fato de que o novo recorde na produção total de óleo e gás na área do pré-sal, com alta de 7,3% sobre agosto, mês em que se registrara também recorde, não foi destaque na imprensa. No R7, portal da TV Record, o pré-sal só entrou no sétimo parágrafo. Curiosidade: a fonte da notícia é a Reuters, uma agência internacional.

No Valor e no G1, do Grupo Globo, o pré-sal deu as caras no quarto parágrafo. Na Folha/UOL e Portal Brasil, no terceiro parágrafo. Ninguém achou necessário pôr o pré-sal no título, nem mesmo o site da Petrobras. Neste site, ficou também no terceiro parágrafo: Continuar lendo

Pré-sal: quem desdenha quer vender

Rio de Janeiro, 1948. Foto: Walter Bernardes

Rio de Janeiro, 1948. Foto: Walter Bernardes

Texto escrito por José de Souza Castro:

No dia 5 de maio último escrevi neste blog artigo intitulado “O que se pode esperar de Parente na Petrobras”. Passados quase cinco meses, não tenho o que mudar no texto. Como dito ali, ele acaba de confirmar que pretende repassar pedaços do pré-sal à iniciativa privada e, ao invés de valorizar o ativo à venda, cobiçado pelas grandes petroleiras internacionais, desdenha dele.

Pedro Parente é ágil e não se limita a apoiar o projeto de lei do senador tucano José Serra (hoje ministro das Relações Exteriores) em tramitação no Congresso Nacional. Ele quer vender a Petrobras aos pedaços, aparentemente sem qualquer preocupação com o fato de que não é a melhor hora de vender, tendo em vista o momento atual da economia global.

O presidente da Petrobras parece ter ojeriza às termoelétricas (que também pretende vender), talvez porque tenha algum sentimento de culpa em relação a elas. Vale repetir esse trecho de nota da Federação Única dos Petroleiros (FUP), de maio: Continuar lendo