Polícia Federal sai na frente nas Olimpíadas

Encenação que é parte de um protesto de policiais federais, pedindo melhores condições de trabalho. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Encenação que é parte de um protesto de policiais federais, pedindo melhores condições de trabalho. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Texto escrito por José de Souza Castro:

O Brasil já tem um medalhista de ouro nas Olimpíadas que começam no dia 5 de agosto. O primeiro ganhador é a Polícia Federal. Uma simples ameaça de greve antes da corrida pelo ouro levou o presidente em exercício Michel Temer a assinar um projeto de lei concedendo reajuste de 37% a todas as carreiras da PF, em parcelas a serem pagas entre 2017 e 2019.

Há quatro anos, no dia 7 de agosto, os policiais federais desafiaram Dilma Rousseff, numa greve que durou 70 dias e foi acompanhada por policiais rodoviários federais e outras categorias. O governo apresentou proposta de aumento de 15,8% dividido em três anos, e encerrou as negociações no dia 26 de agosto.

Dilma Rousseff pagou caro pela ousadia. O vice, Michel Temer, aprendeu como é arriscado desafiar grevistas armados com memória de elefante. Continuar lendo

Anúncios

Glenn Greenwald aponta fraude na pesquisa Datafolha

folhapoll-540x475

Texto escrito por José de Souza Castro:

Merda, quanto mais se mexe mais fede. Quem não conhece esse provérbio português? O Datafolha conhece, mas parece que não lhe deu importância, ao divulgar nesta quarta-feira, dia 20 de julho, a segunda versão de sua pesquisa revelada sábado e que deu à “Folha de S.Paulo” a manchete de domingo “mostrando” que 50% dos brasileiros querem a permanência de Michel Temer na Presidência da República e que só 3% preferem novas eleições neste ano para escolher o sucessor de Dilma Rousseff.

Quem se deu ao trabalho de ler essa versão diz que a única coisa que mudou da versão original foi essa frase que vem logo abaixo do título: “58% querem afastamento definitivo de Dilma Rousseff, e 60% são favoráveis a nova eleição”.

Fiz uma busca na segunda versão da pesquisa do Datafolha e a expressão “nova eleição” só aparece uma vez. Exatamente nessa frase. Ou seja, a questão não constava do questionário respondido pelos entrevistados na pesquisa. Continuar lendo

…e querem nos obrigar a pagar o pato

image (4)

Charge do Duke publicada no jornal “O Tempo” de 19.7.2016

Texto escrito por José de Souza Castro:

Quem nunca contempla a possibilidade de que o problema fiscal brasileiro advenha em boa parte dos juros altos que o governo paga aos que lhes compram títulos públicos – os rentistas, não os trabalhadores mal remunerados e que vivem a pagar o pato – deve ter alguma forma inconfessada de compensação para fingir que não vê o óbvio.

Repeti acima parágrafo do que publiquei no post anterior, porque o argumento fica mais claro com o que escreveu em seu blog o professor Fernando Nogueira da Costa: Continuar lendo

Um governo interino que age como se não o fosse

Texto escrito por José de Souza Castro:

A Petrobras acena que até o fim deste ano mais da metade do petróleo extraído no Brasil virá dos campos do pré-sal. Em junho, conforme a empresa informou nesta semana, a produção nessa área chegou a 1,24 milhão de barris de óleo equivalente (petróleo + gás natural), ou seja, 40% do óleo produzido no país. As multinacionais do petróleo cobiçam o pré-sal brasileiro e contam com a boa vontade do governo interino de Michel Temer – que tem agido com a desenvoltura de quem não é simples interino.

Coletiva com a Imprensa da Presidência da CNI, Robson braga de Andrade. Foto Miguel Ângelo

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. Foto de Miguel Ângelo

Pior: um governo fraco e, por isso, sujeito às pressões. Quanto mais ricos os grupos de pressão, mais as possibilidades de serem atendidos. Talvez até exagerem nessa percepção, como fez recentemente o presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Andrade.

Os mineiros o conhecem bem. Eu mesmo tive a oportunidade de fazer-lhe um perfil com base em informações do ex-presidente da Federação das Indústrias de Minas, Stefan Salej, no livro “O Enigma Salej”. No mínimo, foi apontado como traidor – o que o aproxima de Michel Temer, com quem se reuniu no dia 8 de julho com mais uma centena de empresários do Comitê de Líderes da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI).

Na saída, Robson defendeu, em entrevista, mudanças duras na Previdência Social e nas leis trabalhistas. “No Brasil”, disse o presidente da CNI, “temos 44 horas de trabalho semanal. As centrais sindicais tentam passar esse número para 40. A França, que tem 36, passou para a possibilidade de até 80 horas de trabalho semanal”. Além do retrocesso das 80 horas semanais, citou números errados para justificar o injustificável.

Há 15 anos, a editora Sextante, do Rio, publicou o livro “A Economia do Ócio”, do filósofo italiano Domenico de Masi. Trecho: Continuar lendo

Imprensa brasileira criticada em Londres e governo interino, na ONU

Texto escrito por José de Souza Castro:

Tenho sido um jornalista crítico da grande imprensa brasileira, e sou criticado por isso. Mas não estou sozinho. Quem lê o Observatório da Imprensa sabe disso. É uma questão que preocupa muitos jornalistas brasileiros e também estrangeiros que conhecem bem o Brasil. Uma dessas é a britânica Sue Brandford.

Ela começou sua carreira como jornalista trabalhando no Brasil na década de 1970, como correspondente para “Financial Times”, “Economist” e “Observer”. Ao voltar ao Reino Unido, trabalhou para o BBC World Service. Publicou cinco livros, incluindo “The Last Frontier – Fighting over Land in the Amazon and Cutting the Wire – the Story of the Landless Movement in Brazil”, que lhe valeu o prêmio Vladimir Herzog de direitos humanos. Atualmente é editora voluntária do Latin America Bureau (LAB), criado em 1977 em Londres para reportar e denunciar a violência na América Latina.

No dia 16 deste mês, o LAB organizou em Londres o Forum UK 2016. Um dos debatedores foi Sue Brandford. Outro, Otavio Frias Filho, diretor de Redação da “Folha de S.Paulo”, que a chamou de petista. A fala dos dois pode ser ouvida AQUI. Nos primeiros 18 minutos, se ouve em inglês a fala de Sue. Em seguida, em português, a de Frias Filho.

Sue Brandford (esquerda) e Otavio Frias Filho (direita). Reprodução / Youtube

Sue Brandford (esquerda) e Otavio Frias Filho (direita). Reprodução / Youtube

Quem não sabe inglês, pode ler uma tradução feita pelo tradutor profissional Luís Henrique Kubota para o site “O Cafezinho”.

Trecho da fala de Sue Brandford: Continuar lendo