A primeira vez de um bebê de 1 ano na praia (+ 10 dicas preciosas)

p78n1vDava para fazer um daqueles memes Expectativa versus Realidade.

No lado da expectativa, eu imaginava o Luiz embasbacado com o mar, tão feliz que logo aprenderia a andar e iria disparando pela areia afora, como numa cena de filme.

No lado da realidade, meu bebê de 1 ano chorou em vários momentos em que tentamos levá-lo para brincar nas ondas e não aguentou muito mais que poucas horinhas por dia na areia quente da Bahia.

Mas não foi uma tragédia nossa semana em Mucuri no finzinho de 2016 — longe disso! Apenas demoramos uns dois dias para nos adaptarmos ao ritmo do Luiz e, uma vez que aprendemos como deveria ser a praia com este bebezinho específico, a viagem ficou bem mais fácil e leve.

Claro que cada criança é de um jeito, mas compartilho aqui o que aprendemos com a nossa experiência, porque as dicas podem ser úteis para quem for levar o filho da mesma idade à praia pela primeira vez. Quem sabe ajudam a evitar que o começo das suas férias se tornem um meme? 😉

Aí vai: Continuar lendo

Anúncios

Itacaré: dicas de passeios e restaurantes bons e baratos

 

Como prometi lá na página do blog no Facebook, hoje vou agregar um post bem completo à nossa pastinha Viagens & Turismo, sobre a linda cidade de Itacaré, na Costa do Cacau, na Bahia. Ela tem várias qualidades que adoro: é pequena (27 mil habitantes), charmosa, tem a natureza preservadíssima, tem muitas opções de passeio, é barata e, de quebra, tem uma ótima infraestrutura para os turistas (bancos, Correios, vários restaurantes bons e pousadas etc). Pra melhorar ainda mais, é uma cidade de fácil acesso, com voos diretos de Belo Horizonte (e várias outras capitais) a Ilhéus, que fica a apenas uma hora de distância – a passagem de avião BH-Ilhéus ficou a apenas R$ 120.

Vejam as dicas que registrei a partir da minha experiência em Itacaré neste mês de maio:

TRANSPORTE

A forma mais fácil de ir do aeroporto de Ilhéus para Itacaré é de táxi. Existem vários serviços, mas aproveito para recomendar o que eu contratei, que foi excelente: Ramos Turismo (73- 99962595/98081598 e o email ramostour@yahoo.com.br, sempre respondido com agilidade). Na baixa temporada, eles cobram R$ 140 por trecho, que é o preço que todas as empresas pediram. Você pode pagar na hora, não precisa fazer adiantamentos.

Atenção: há vários transportes clandestinos na cidade, oferecidos a todo momento, seja de mototáxi ou de lanchas. Fique atento para evitar entrar em uma fria. Já ouviu falar no “barato que sai caro”? Desconfie se o preço estiver muuuuito abaixo da média.

Este slideshow necessita de JavaScript.

HOSPEDAGEM

Confira algumas opções de pousadas AQUI e em sites como o Booking.com, ficando atento às avaliações de outros hóspedes! Achamos diárias de pousadas para casais na faixa de R$ 70 (ficamos em uma de R$ 84, que era um flat, com café da manhã incluso). A principal rua para os turistas é a Pedro Longo, na região de Pituba, que fica bem perto da praia da Concha. Aquele pedaço é o ideal para se hospedar — de preferências nas ruas paralelas à Pedro Longo, para você ter sossego quando não quiser mais badalações. Fazendo uma pequena caminhada, sem muito esforço, é possível chegar às outras praias da cidade: Resende, Tiririca, Costa e Ribeira. Há muitas opções de pousadas, hostels, flats e casas para alugar. Esta é uma boa cidade para conhecer turistas de todos os lugares do país e do mundo 😉

Este slideshow necessita de JavaScript.

PRAIAS e PASSEIOS

  • Concha – A praia do Concha é a mais próxima de Pituba, a região turística de Itacaré. Tem várias pousadas lá na orla mesmo, mas recomendo ficar em algum lugar entre a praia e a rua Pedro Longo, para a caminhada não se estender demais à noite. O mar ali é supercalmo, sem ondas, ideal para a prática de stand up paddle e de caiaque, ambos esportes fáceis mesmo para quem não está muito acostumado (tudo bem que eu fui sentada na prancha, em vez de em pé, rs). Há várias barracas/cabanas/quiosques ao longo de toda a orla, além dos tradicionais ambulantes, que vendem de tudo um pouco: o queijinho coalho no espeto, frutos do mar, cocadas, acarajé, cangas, saídas de praia, óculos escuros, chapéus etc. A cabana Brisa do Mar foi a que escolhemos para ficar. Eles sempre tinham coco gelado, mesmo estando em falta em outros quiosques, cerveja gelada, além de terem uma porção deliciosa de bolinho de aipim. Atendimento muito bom.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Mirante – em uma das pontas da praia do Concha, na ponta do Xaréu, há um mirante, de onde se vê um espetáculo de pôr do sol! Já na outra ponta da praia há o farol.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Coroa – esta é a praia do porto, não é para banhistas. Ela fica no centro histórico de Itacaré e também rende belas fotos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Resende – seguindo para o outro lado de Itacaré, a partir da praça da Mangueira, há uma estrada linda, cercada de mata atlântica preservada (como, aliás, em toda a cidade), que leva às outras quatro praias urbanas, começando pela Resende. Ela não tem muita infraestrutura, mas é bem bonita, com muitos coqueiros.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Tiririca – Esta praia é procurada por surfistas, porque tem ondas mais agitadas. Tem também uma pista de skate lá. Uma de suas atrações são as bicas de água doce natural, deliciosas!

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Costa – esta praia tem ondas bem fortes e fica praticamente deserta, sem qualquer infraestrutura, pelo menos nesta época do ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Ribeira – minha praia favorita, muito bonita, com um riacho de águas claras cheio de peixinhos desaguando no mar, formando belas piscinas naturais. Há duas cabanas no local, com preços mais salgados de cervejas, coco e petiscos. O mar também é mais agitado, mas muito bom de nadar e de surfar. Procurada também por quem gosta de tirolesa (altíssima!) e é o ponto de partida para a Prainha (após 40 minutos de caminhada), cartão postal da cidade e tida como uma das praias mais bonitas do Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

REFEIÇÃO

A rua Pedro Longo, que já citei, está lotada de bares e restaurantes de ótima qualidade e para todos os gostos e bolsos. Também é lá que você vai encontrar as lojinhas para comprar souvenires 😉 Vou indicar os meus favoritos, todos nessa mesma rua:

  • No Boteco – almoçamos lá três vezes, sinal do quanto achamos gostosa a comida. Aviso: é MUITO farta! Um prato executivo que seria teoricamente para uma pessoa é, na verdade, uma refeição que dá, com folga, para dois. Uma refeição que pedimos era tão grande que pedimos para embalar uma parte e ainda comemos na pousada, no dia seguinte. E tudo a um preço muito bom, com ótimo atendimento do casal dono do lugar. Recomendo os três pratos que comi: a picanha com queijo coalho e aipim na manteiga, o filé à parmegiana e o executivo de frango grelhado. Eles também têm telão, onde passaram lutas de UFC e jogos de futebol. Funcionam todos os dias, no almoço e na janta.
  • Casa de Taipa – Outra boa opção para o almoço, que só descobrimos no último dia. É self-service e a comida é muito saborosa, com várias opções e a um preço muito bom. Também muitas opções de suco — como, aliás, em quase todos os restaurantes de Itacaré.
  • Tio Gu Creperia – há diversas opções de crepes maravilhosos e fartos, entregues no maior capricho, junto a um molho de pimenta verde que é delicioso. Recomendo os dois que comi: um de peito de peru com tomate, queijo e outras coisas, e outro de frango desfiado, ricota temperada e azeitonas. Fiz questão de ir lá na última noite, só para me despedir. Abre de 18h às 23h, menos na terça, quando fecharam, de folga.
  • Gelato Gula – sorvete artesanal delicioso. Arrisco dizer que o sorvete de chocolate branco, chocolate ao leite e pé-de-moleque que comi lá foi o melhor que já tomei na vida. Eles também têm vários sorvetes de frutas nativas, para quem prefere algo mais saudável. Pena que funcionam em horários meio irregulares.
  • Mediterrâneo – comemos um bom filé à parmegiana lá, mas também há muitas opções de massas e outras comidas. Boa carta de sucos naturais. Só vi eles abrirem à noite.
  • Favela Coffee Shop – este bar estava sempre relativamente cheio, mesmo na baixa temporada. O forte lá são os drinks e coquetéis (eu tive que tomar o primeiro coquetel sem álcool da minha vida — quase um iogurtinho, rs –, porque estou grávida), expostos bem na entrada, com várias frutas. Abrem à noite.

Este slideshow necessita de JavaScript.

LEMBRANCINHAS

Para quem gosta de voltar para casa com um souvenir, a melhor opção em Itacaré é o chocolate. Afinal, estamos na Costa do Cacau! O chocolate ali é totalmente diferente, desde a textura até o sabor, e o vendedor da Itacaré Cacau garantiu que ele não derrete. Outras boas opções de presente são as cocadas (vêm em caixinhas e com vários sabores, como cacau, maracujá, gengibre e coco queimado), os ímãs de geladeira, os balõezinhos e outras artes feitas com cabaça envernizada, as artes de palha e madeira, os quadros etc.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Apesar de ser uma cidade cheia de esportes radicais e com prática intensa de surfe, além de muitos passeios com canoas, lanchas e afins, nestas minhas primeiras férias grávida eu preferi ficar sossegada, visitando só as seis praias urbanas, fáceis de acessar por uma pequena caminhada. Por isso, se você quiser mais informações sobre as ilhas, cachoeiras e outros passeios mais agitados de Itacaré, sugiro que confira as “aventuras” NESTE PORTAL.

Itacaré é, em resumo, uma cidade muito boa para passar as férias, especialmente em baixa temporada, quando os preços são justos e nada está muito cheio (dizem que ela LOTA no verão). Pra fechar, mais algumas fotos de beleza que encontrei por lá:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tem alguma curiosidade ou acha que deixei de abordar alguma coisa no post? Comente aí embaixo ou me envie um email com sua dúvida! 😉

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

tarja

Bem-vindo, querido outono!

As últimas semanas estão tão enlouquecidas, que ainda nem tinha me dado conta de que minha estação do ano favorita já estava a pleno vapor. Começou a era das noites frescas e estreladas, dos dias de céu estupidadamente azul e sem nuvens, das quaresmeiras carregadíssimas — assim como várias outras árvores de flores — e, agora, da trégua nas chuvas, mas ainda sem a secura insuportável do inverno.

Bem-vindo, outono! 😀

Foto: CMC

Foto: CMC. Tirada em 7.4.2014

Leia também:

Um paraíso chamado Rio das Ostras

Tive a sorte, bastante imprevista e decidida aos 46 do segundo tempo, de passar o Réveillon em Rio das Ostras, no norte do Rio de Janeiro. Eu já tinha ouvido falar na cidade, por ter o festival de jazz e blues mais famoso do país, e sempre quis ir até lá, mais pela música do que pelas belezas naturais. Mas acabei descobrindo que o lugar também é um pequeno paraíso, com praias belíssimas e o pôr do sol mais bonito que me lembro de já ter presenciado.

Pra começar, descobrimos, pela internet mesmo, uma pousada muito boa e de preço justo, a Calvanos Chalés, na praia de Costa Azul. Seus donos, Nair e Carlos, são muito simpáticos e solícitos, mas o mais legal é que nos deixaram totalmente à vontade, como se estivéssemos em casa. E ainda são assessorados pelos funcionários Rose e José, muito prestativos. O quarto é enorme, arejado, com ventilador sempre ligado, o que é fundamental numa cidade tão quente.

IMG_20140103_095926

Fotos: CMC

IMG_20140103_101148

A Nair é artista plástica e tem um ateliê de cerâmica e esculturas dentro da pousada, onde comprei peças maravilhosas. Os hóspedes podem fazer aulas com ela, se tiverem interesse.

IMG_20140103_100934 IMG_20140103_101120Além disso, a pousada fica muito bem localizada, na praia Costa Azul, onde fica o píer, uma praia aberta de mar muito verde (ou azul, dependendo do lugar), e bem perto de outras atrações legais, como a lagoa de Iriry (ou da Coca-Cola), a praia Areias Negras (que bom que é mergulhar lá!), Praia Virgem e da Joana, a praça da Baleia e um centro de artesanato local.

IMG_20131231_103514

As ruas organizadas e bonitas da cidade.

IMG_20131231_104032

A orla, com calçadão e ciclofaixa, na Costa Azul.

IMG_20131231_120316

Praça da Baleia.

IMG_20131231_122004

Praia das Areias Negras.

IMG_20140102_113905

Lagoa de Iriry (com água da cor de Coca-Cola)

IMG_20140102_125627

O píer, onde tem gente pescando a qualquer hora do dia e da noite.

IMG_20140102_130106

Costa Azul.

Vista à noite.

Vista à noite.

IMG_20140102_125703

Será que Banksy passou por lá?

IMG_20140102_194731No último dia, descobrimos o lindíssimo pôr do sol da praia do Centro, no outro lado da cidade. De tirar o fôlego:

IMG_20140102_185652 IMG_20140102_191437 IMG_20140102_192116 IMG_20140102_194652 PANO_20140102_193559030Fiz até um videozinho, ao som do Charles Hunter:

Como até os pequenos paraísos têm seus problemas, vou apontar alguns. O mais grave, na minha opinião: a prefeitura acabou com todas as duchas de todas as praias da cidade. Você não consegue tomar nem uma mangueirada depois de sair do mar salgado. Ainda é possível ver os esqueletos de algumas duchas que existiam antes, mas estão secas. E os donos dos quiosques também não se moveram para oferecer esse alento para seus clientes; no máximo os donos de alguns estacionamentos instalaram seus chuveiros — se você pagar pelo uso.

É uma cidade extremamente quente no verão, dessas de céu eternamente azul, sem nenhuma nuvem. Ideal para praia, mas, além das duchas, num lugar quente assim a gente espera contar com mais cervejas geladas e alguns restaurantes com ar condicionado. Cheguei a entrar em um restaurante, todo fechado por janelões de vidro, constatar que ele tinha quatro equipamentos de ar condicionado, e perceber que eles estavam todos desligados! Pior: os garçons serviam carne na chapa, e literalmente defumavam todos os clientes nas mesas. Mesmo à noite, às vezes era impossível ficar dentro de um restaurante da orla da praia, por ser tão fechado, pouco ventilado e sem ar condicionado. A roupa ficava colada no corpo e não havia nem uma brisa para refrescar. A exceção fica por conta do restaurante Ponto Tropical, que investiu em enormes ventiladores com água e em um chopp realmente gelado. Recomendo o almoço lá.

IMG_20140102_161722Outro problema que vi na cidade durante o Réveillon foi o trânsito muito carregado, com sinalização confusa. Por isso, o ideal é fazer quase tudo a pé.

De qualquer forma, esses probleminhas são nada perto de tanta coisa bonita e legal que vivi ali. Também não posso reclamar de nada na festa de Réveillon propriamente dita, com bandas animadas (como o bloco do Sargento Pimenta!), foguetório bonito por 16 minutos, muito banheiro químico, em todos os cantos, muitas barraquinhas de comes e bebes.

IMG_20131231_224617 IMG_20131231_230107 IMG_20131231_231020 IMG_20131231_233707 IMG_20140101_000259 IMG_20140101_000317 IMG_20140101_000433Agora estou contando os dias para voltar, desta vez no inverno e para ver os ótimos shows do décimo ano de festival de blues e jazz 😉

IMG_20140103_102338

10 delicadezas para este domingo de sol

01

(Todas tiradas do excelente tumblr da Alice: http://aliceecila.tumblr.com)

02 03 04 05 06 07 08 09 10Já fizeram um cafuné em alguém ou algum bichinho hoje?

Já observaram o céu azul-azul?

Já escutaram as cigarras incansáveis da primavera?

Já ouviram os passarinhos?

Já dançaram com aquele samba bom tocando na rádio?

Já se prepararam pra receber a família no lanche da tarde?

Já disseram “eu te amo” pra alguém importante neste domingão?

***

(eu já fiz isso tudo. Vamos passar adiante? :D)