‘O alvo somos todos nós’: leia o manifesto contra a censura na Bienal do Livro e veja o vídeo de escritores lendo ‘Apesar de você’

Clique na imagem para ver o vídeo.

 

“A Bienal Internacional do Livro Rio é a oportunidade que temos, a cada dois anos,
de nos reunirmos, encontrar nossos públicos, nos inspirar e debater livremente
sobre todo e qualquer tema, sem restrições e com empatia. Um evento de conteúdo
qualificado e diverso, reconhecido nacional e internacionalmente como o maior
festival cultural do Brasil.

Nos últimos dias, a Bienal se tornou um abrigo democrático, ao lado de 600 mil
pessoas que prestigiaram o evento, contra as insistentes tentativas de censura.
Se engana quem pensa que o alvo é a Bienal Internacional do Livro. O alvo somos
todos nós, cidadãos brasileiros, pois não precisamos ter quem determine o que
podemos ler, pensar, escrever, falar ou como devemos nos relacionar. O brasileiro
não precisa de tutor. Precisa de educação para que cada um possa fazer suas
escolhas com consciência e liberdade.

Foi com alívio e muito orgulho que recebemos as duas decisões de ministros do
Supremo Tribunal Federal (STF) neste domingo (8/9), impedindo que a Bienal
Internacional do Livro continuasse sofrendo assédio à literatura e aos seus leitores.
Do contrário, se criaria uma jurisprudência que colocaria todos os eventos
culturais, autores, editoras e livrarias do Brasil à mercê do entendimento do que é
próprio ou impróprio a partir da ótica de cada um dos 5.470 prefeitos do país.

Encerramos essa edição histórica da Bienal Internacional do Livro Rio com o
coração cheio de orgulho e determinação. A Bienal não acaba hoje. Ela seguirá em
cada um de nós todos os dias. O festival foi memorável. Deu voz e ouvidos a todos
os públicos. Reuniu e celebrou a cultura junto com autores, artistas, pensadores,
líderes sociais, religiosos, jornalistas, acadêmicos, ativistas, e muitos outros.
Viva a Bienal do Livro Rio! Viva a cultura! Viva a liberdade e a democracia!!

 

Assino embaixo! (Grifos meus).

 

 

Leia também:

  1. A censura ao beijo gay dos quadrinhos e o fundamentalismo religioso no Brasil
  2. Brasil, o ex-país do Carnaval
  3. O futuro distópico de um Brasil governado por bolsonaristas e olavistas
  4. O fanatismo, o fascista corrupto, as fake news e minha desesperança
  5. O fanatismo e o ódio de um país que está doente
  6. Fanatismo é burro, mas perigoso
  7. O que acontece quando os fanáticos saem da internet para as ruas
  8. Há um Jair Bolsonaro entre meus vizinhos?

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblog

Anúncios

O picadeiro do Congresso Nacional

Ato contra "cristofobia"na Câmara dos Deputados. Foto: Luis Macedo/Agência Câmara

Ato contra “cristofobia”na Câmara dos Deputados. Foto: Luis Macedo/Agência Câmara

Em meus 30 anos de vida, pelo menos 15 dos quais muito atenta ao noticiário político, eu nunca vi o Congresso Nacional trabalhar tanto. Deputados e senadores varam a noite aprovando projetos de lei com uma voracidade nunca antes vista na história do nosso parlamento.

Pena que esse afinco todo seja para fazer uma pataquada atrás da outra.

Nas últimas eleições, duas bancadas ganharam uma força extraordinária, agora sob a liderança do presidente da Casa, Eduardo Cunha, do PMDB (suposto aliado do governo Dilma, mas na verdade o maior opositor de seu governo e nome forte para a candidatura à presidência em 2018, possivelmente contra Lula). São elas: a bancada evangélica e a bancada da bala. Agem unidas, como irmãs siamesas, na aprovação dos projetos mais obscuros.

Nosso Congresso reflete a sociedade em que vivemos? Parcela dela, sim. Mas não acho que a maioria dos brasileiros seja imbuída do pensamento da vingança, do revanchismo, do fundamentalismo religioso, da intolerância, misoginia e da homofobia. Por mais autoritária e violenta que seja nossa sociedade, ela convive com tradições históricas na identidade do brasileiro, bem resumidas no editorial do último domingo, publicado pela “Folha de S.Paulo”: “do sincretismo religioso, da liberalidade sexual, do bom humor, da convivência com pessoas vindas de todos os países e das mais diversas culturas, a prática do respeito, da cortesia e do perdão”.

Quando começa a ganhar força, entre nossos legisladores e representantes políticos, discursos de intolerância e ódio, ganham força também os cidadãos, antes escondidos em seus armários, que, por exemplo, publicam vídeos agredindo um frentista haitiano que veio se esconder da miséria e do caos em nosso país — um país tradicionalmente aberto a imigrantes de todos os cantos do planeta.

Estou preocupada, vocês não? Preocupada com esse Congresso, com essas bancadas e, principalmente, com essa liderança de Eduardo Cunha.

Felizmente, não sou a única. No mesmo editorial da “Folha”, registraram muito bem a preocupação do jornal paulista:

“Um espírito crescente de fundamentalismo se manifesta, contudo, em setores da sociedade brasileira — e, como nunca, o Congresso Nacional parece empenhado em refleti-lo, intensificá-lo e instrumentalizá-lo com fins demagógicos e de promoção pessoal. (…)

Essa aparência de progresso institucional se acompanha, porém, dos mais visíveis sintomas de reacionarismo político, prepotência pessoal e intimidação ideológica.

Tornou-se rotineiro, nos debates do Congresso, que este ou aquele parlamentar invoque razões bíblicas para decisões que cumpre tratar com racionalidade e informação.

Condena-se a união homoafetiva, por exemplo, em nome de preceitos religiosos e de textos –não importa se a Bíblia ou o Corão– que podem muito bem ser obedecidos na esfera privada, mas pouco têm a contribuir para a coexistência entre indivíduos numa sociedade civilizada e plural. (…)

Nos tempos de Eduardo Cunha, mais do que nunca a bancada evangélica se associa à bancada da bala para impor um modelo de sociedade mais repressivo, mais intolerante, mais preconceituoso do que tem sido a tradição constitucional brasileira. (…)

Uma espécie de furor sacrossanto, para o qual contribui em grande medida o interesse fisiológico de pressionar o Executivo, alastra-se para o Senado. No susto, acaba-se com a reeleição e se altera a duração dos mandatos políticos. O cidadão assiste a tudo sem sentir que foi consultado.

No meio dessa febre decisória, há espaço para que o Legislativo comece a transformar-se numa espécie de picadeiro pseudorreligioso, onde se encenam orações e onde se reprime, com gás pimenta, quem protesta contra leis penais duras e sabidamente ineficazes. (…)

Os inquisidores da irmandade evangélica, os demagogos da bala e da tortura avançam sobre a ordem democrática e sobre a cultura liberal do Estado; que, diante deles, não prevaleça a submissão.”

CLIQUE AQUI para ler o editorial na íntegra.

O colunista Ricardo Melo, do mesmo jornal, publicou na segunda-feira no artigo “Estupro constitucional“:

“Sem consultar ninguém, deputados e senadores passaram a legislar sofregamente sobre mudanças constitucionais. Sob a liderança do cruzado Eduardo Cunha, o plenário da Câmara vota a toque de caixa modificações que interferem no já limitado direito do povo de decidir os rumos do país.

(…) No clima de vale-tudo há sempre os puxadinhos habituais. Mais isenção de imposto para seitas religiosas, refinanciamento a perder de vista para caloteiros reincidentes e, aproveitando a onda, alterações na maioridade penal e nos direitos trabalhistas.

Mesmo num país singular como o Brasil, tem-se a sensação de que certos procedimentos ultrapassam limites.

Cenas como roedores invadindo uma CPI, “sindicalistas” exibindo nádegas em galerias, gás pimenta contra opositores selecionados e o uso do plenário para um culto ao obscurantismo mostram a rapidez da transformação da Casa do Povo em autêntica Casa da Mãe Joana.”

Melo toca num ponto importante: a bancada da bala e a evangélica não conseguiriam causar tanto estardalhaço não fossem também outras bancadas poderosas, como a dos tucanos e petistas. Ou seja, ninguém no Congresso está isento de culpa. Talvez uns dois ou três gatos pingados, que mal conseguem falar nas tribunas.

O que sei é que está difícil assistir a todo esse picadeiro sem ficar enjoada. Só nos restam duas coisas: esperar pelas próximas eleições, para tentar mudar esse quadro infeliz de Bolsonaros e Felicianos, e torcer para que, nesse meio-tempo, os outros dois Poderes — o Executivo e o Judiciário — consigam pôr um pouco de freio e equilibrar a gangorra desse Legislativo que está mandando no Brasil com o peso de uma bigorna maluca.

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!