Ir para conteúdo

Uma profecia, à Allan Poe, do futuro que nos espera com Bolsonaro

Texto escrito por José de Souza Castro:

Pelo que me lembro, só uma vez recorri a Rogério Cezar de Cerqueira Leite para escrever um artigo publicado aqui. Nosso famoso físico havia criticado, em dezembro de 2009, num artigo na “Folha de S. Paulo”, a má qualidade da cerveja produzida no Brasil. Na última sexta-feira, no mesmo jornal, ele fala de uma coisa, se possível, ainda mais grave: “a redução do humanismo ao imperativo biológico”.

Ou seja, o fim da civilização. Para algo tão lúgubre, nada melhor do que socorrer-se o autor, como num conto de Edgar Allan Poe, da sabedoria de um fantasma. E Cerqueira Leite o faz com grande maestria. O melhor é ler o artigo inteiro AQUI, mas, como sei que muitos leitores do blog não têm acesso à “Folha”, farei um resumo, tentando não perder muito da verve do autor. Tendo isso em mente, transcrevo os dois primeiros parágrafos:

“Era uma noite escura, sem lua, sem estrelas. Sem o canto dos grilos e sem o coaxar das rãs. Um silêncio absoluto, de som e de luz. Foi quando, subitamente, notei à porta uma silhueta sinistra, um vulto agourento. Sem rosto, sem ruído, sem forma. Lembrei-me de Edgar Allan Poe, de Machado de Assis e da visita perpétua do corvo profeta.

Ousei, vacilante, interpelar a lúgubre figura: “Quem sois?”. A resposta veio prontamente: “Sou o fantasma do Brasil futuro”. E depois de um momento de angústia e de perplexidade, que se aliavam à minha fragilidade, continuou: “Você já gastou uma das sete perguntas a que tem direito. Sete, pois sete foram as pragas do Egito”. E lá ficou o profeta, rígido, imóvel, até que tive a coragem de fazer-lhe a segunda pergunta: “A que viestes, qual é tua missão?”. Com o que, com voz rouca e soturna, me respondeu: “Aqui venho para dispor os lastros do retorno a tempos imemoriais, a volta ao passado primevo do homem, a redução do humanismo ao imperativo biológico”.

O eminente físico ficou estarrecido, mas criou coragem para fazer mais cinco perguntas. “Como pode pensar em ganhar tão difícil batalha, derrotar a civilização?”. Responde o espectro funesto: “Avanço sorrateiro, ambivalente, com pele de cordeiro. Aos poucos substituo a razão pela religião, a liberdade pela disciplina, a ética pela censura, a universidade pela escola militar, e o filósofo pelo obtuso e oportunista, a decência pela conivência”.

E não titubeia ao responder à quarta pergunta (“Mas com que forças o senhor conta para ter sucesso nessa guerra de extermínio?”): “Napoleão já dizia: ‘Quanto pior o homem, melhor o soldado’. Pois bem, quanto mais ignorante o crente, mais útil o energúmeno. Temos um exército de fanáticos e de oportunistas. Além disso, temos vários psicopatas e fundamentalistas inseridos em posições essenciais de governança do país. Temos meios para cooptar membros vorazes de nossas forças guerreiras, e com isso garantir “mudanças pacíficas”.

A quinta questão pareceu mais fácil de formular: “O senhor não estaria esquecendo a reação das instituições brasileiras, dos intelectuais, da elite empresarial?”. A resposta veio num tom irônico: “Ora, que intelectual arriscaria sua mesada, seu fim de semana na praia, pelo bem de seu país? Que instituição, que grupo empresarial abdicaria das benesses que premiam a conivência? Congressistas se vendem às pencas por “ementas”, ou melhor, por quireras de poder. Juízes são nada mais que vaidade e ostentação. Basta dar-lhes espelhos e tempo de televisão”.

Cerqueira Leite já se sentia derrotado, mas arriscou a penúltima pergunta: “Qual é a sua utopia, o seu sonho?”.  Mesmo parecendo um pouco constrangido, o fantasma rebateu: “Quem precisa de utopia, de sonho e de consciência? Só os fracos, os artistas, os poetas, os inúteis. Para nós, os poderosos, basta o capital”, completou.

Titubeando, a voz trêmula, insegura, saiu-se com a última pergunta: “Profeta ou fantasma, ou o que quer que sejas, diga: quando voltarás para a noite que negrejas?”.

E a resposta veio aterradora: “Nunca, nunca mais!”

Termina assim o artigo de Cerqueira Leite. E fiquei pensando no Corvo de Allan Poe pousado no ombro de Bolsonaro, a assombrar o nosso futuro… Até quando?


 

Leia também:

  1. O futuro distópico de um Brasil governado por bolsonaristas e olavistas
  2. Como será o Brasil em 2030 se os bolsonaristas continuarem no poder? Leia mais uma distopia
  3. ‘Persépolis’, as aulas de História e como o Brasil está destruindo sua democracia e rasgando a Constituição
  4. Em 1 mês de governo Jair Bolsonaro, pelo menos 40 retrocessos e absurdos; veja a lista
  5. O fanatismo, o fascista corrupto, as fake news e minha desesperança
  6. Brasil, o ex-país do Carnaval
  7. O fanatismo e o ódio de um país que está doente
  8. Azuis X Verdes: uma alegoria do fanatismo no Brasil contemporâneo
  9. Mais posts sobre fanatismo
  10. Há um Jair Bolsonaro entre meus vizinhos?

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Um comentário em “Uma profecia, à Allan Poe, do futuro que nos espera com Bolsonaro Deixe um comentário

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: