Ir para conteúdo

Os 300 anos de Minas Gerais celebrados em 9 pontos turísticos exuberantes

Ó, Minas Gerais. Foto: CMC, em 27/3/2015

Todo mundo que me acompanha aqui neste blog, há quase 10 anos, sabe o quanto eu amo minhas Minas Gerais. Então, embora eu tenha perdido a data de 2 de dezembro (em meio a uma gripe, medo de ser Covid, aniversário do Luiz, e muito trabalho), acho que nunca é tarde para eu celebrar os 300 anos de Minas aqui no blog.

E vou fazer isso do jeito que entendo melhor: compartilhando as experiências que vivi em paisagens belíssimas que só encontrei neste Estado. Boa diversão!

Vista panorâmica do alto do mirante 3, no Parque da Serra do Curral, em BH. Foto: CMC

Tiradentes

Vista de Tiradentes. (Foto: CMC)

Começo pelo recanto que eu mais amo em Minas Gerais. A querida Tiradentes, que conheci aos 9 anos de idade, durante as gravações do filme “Menino Maluquinho“, em um mágico julho de 1994. Só fui voltar para lá no início dos anos 2000, e, desde então, já retornei muitas vezes mais. É também o destino favorito do meu filho Luiz. Além de Tiradentes em si, a região toda do Campo das Vertentes tem cidades maravilhosas para passear, como São João Del-Rei, Bichinho, Resende Costa, Santa Cruz de Minas e Prados. A paisagem é linda e o artesanato da região é riquíssimo.

Leia mais: Um guia turístico para Tiradentes e região: mais de 50 fotos e várias dicas preciosas para quem vai viajar com criança


Ouro Preto

Ouro Preto, patrimônio da humanidade. Foto: CMC

Outra cidade que eu adoro, e conheci ainda bebê, com menos de 1 ano de idade. Depois voltei várias vezes, e já passei também em Lavras Novas, o charmoso distrito que fica a poucos quilômetros de distância, e sobre o qual ainda tenho que escrever. Ouro Preto é muito maior e mais agitada que a bucólica Tiradentes, ainda mais sendo cidade universitária. Patrimônio da humanidade, suas igrejas e museus escondem relíquias que nos transportam para um passado colonial muito diferente. A feirinha de pedra-sabão ainda traz um tipo de artesanato muito especial e que só existe ali.

Leia mais: Ouro Preto em 21 fotos + uma dica de hospedagem e uma de refeição


Diamantina

Centro de Diamantina, com suas casas imponentes. Foto: CMC

Levei 35 anos da minha vida para ir finalmente conhecer esta cidade tão interessante, tão mineira, tão escondida e isolada. Ainda mais que Ouro Preto e Tiradentes, esta cidade histórica realmente me transportou no tempo. Mas o que mais me encantou ali nem foram os museus e casas de um passado distante. Foi mesmo a natureza. O Parque Estadual do Biribiri, com suas maravilhosas cachoeiras, foi uma das melhores experiências da minha vida de turista. O artesanato local, do Vale do Jequitinhonha, também é um destaque à parte, com todas aquelas peças de cerâmica.

Leia mais: Diamantina (MG): dicas de passeios, hospedagem e restaurantes


Serra do Cipó

Serra do Cipó. Foto: CMC

Este é um dos lugares que mais gosto no planeta, e fica a apenas uma horinha e meia de Beagá. É para quem ama a natureza: com uma vegetação de cerrado bem típica, muitas cachoeiras, canyon, trilhas etc. Foi lá que me deitei no gramado para admirar o céu mais estrelado que já vi na vida. Frequentei muito a serra entre os anos 2003 e 2008, principalmente. Depois disso, pouco fui para lá e tive notícia de que estava se tornando um lugar mais violento – o que lamento e espero que não seja verdade. A única coisa que não dá é para encarar a Serra do Cipó num período muito chuvoso! Sei disso na pele, já que quase peguei uma tromba d’água por lá, no Carnaval de 2010, se não me engano.

Leia mais: Meu pequeno paraíso (e viva a Gavião!)


Carrancas

Vista da matriz de Carrancas. Foto: CMC

E, já que falei em cachoeiras, preciso citar o paraíso das cachoeiras, que é Carrancas, no Sul de Minas. São mais de cem atrações naturais e paisagens exuberantes naquele lugar. É impossível conhecer as mais de 70 cachoeiras, além das grutas e trilhas de Carrancas em apenas três dias, que foi o que tivemos na viagem. Mas deu para conhecer duas cachoeiras famosas de lá: Esmeraldas e o Complexo da Zilda. O artesanato também é muito rico. Na Aarca, a associação de artesão da cidade, é possível encontrar dezenas de peças feitas com cabaça, além de tapetes, quadros feitos de pedra, carrancas, bolsas, cachaças, mel e doces.

Leia mais: Carrancas: o paraíso brasileiro das serras e cachoeiras


Santuário do Caraça

O lobo-guará do Caraça. Foto: CMC

Estamos falando de um dos recantos mais históricos nos arredores de Belo Horizonte. Fundado em 1774, a quase 1.300 metros de altitude, encrustado no alto da serra do Espinhaço, o complexo arquitetônico é patrimônio cultural do Brasil e o terreno, de 12 mil hectares, é patrimônio natural da Unesco. É centro de peregrinação religiosa, de turismo, de educação (recebe trocentas excursões de estudantes) e de pesquisa ecológica. Batizado de uma das “7 Maravilhas da Estrada Real”, o santuário fica a apenas 120 km da capital mineira. Uma das experiências mais legais de lá é ver um lobo-guará de pertinho, toda noite.

Leia mais: Santuário do Caraça, um paraíso a duas horas de BH


Serra da Mantiqueira

Gonçalves, em Minas, uma das cidadezinhas encantadoras onde eu adoraria viver. Foto: CMC

Apesar de esse paraíso englobar cidades de São Paulo e do Rio, também há cidades mineiras por ali, como a deliciosa Gonçalves. Por isso, acho que vale mencionar um dos passeios mais legais que já fiz na vida. Já estive lá na Serra da Mantiqueira duas vezes: em 2011, quando eu ainda morava em São Paulo (e fica pertinho de lá, viu, paulistanos?), e em 2014, quando fiz uma aventura de carro até Santa Catarina, passando por lá na volta. Sobre Gonçalves, vale ler o que escrevi na época: “percorremos a SP-046 no sentido de Gonçalves, cidadezinha mineira de 4.000 habitantes, que tem suas próprias surpresas e delícias. Pra começar, visitamos três lindas cachoeiras: do Retiro, das Sete Quedas e do Cruzeiro, onde nadamos, tomamos sol e apreciamos a natureza. Para chegar a esta última, tivemos que percorrer uma pequena trilha, bem sinalizada, de 1.200 metros, por onde cruzamos com araucárias, quaresmeiras raras e fomos barrados por meia dúzia de vacas e bois que descansavam bem no meio da estrada!”

Leia mais: Cenas das férias: Serra da Mantiqueira


Inhotim

Inhotim. Foto: CMC

Só fui a Inhotim duas vezes e já faz tempo: ambas em 2013, pouco depois de retornar a BH. As experiências foram muito mágicas naquele parque-museu. Na minha primeira visita a Inhotim, conheci nove obras, apenas no período da tarde. Dos fusquinhas coloridos à excelente Cosmococa, dos jardins suspensos ao “Tetris” de Marepe, também passando pelos quadrados de Oiticica em frente ao ótimo restaurante e pelo mural em relevo “Abre a Porta”. Na segunda visita, com mais tempo, consegui conhecer outras 20 obras, sendo que minha favorita foi a obra The Murder os Crows, de Janet Cardiff e George Bures Miller. São 98 alto-falantes em cadeiras, reproduzindo uma orquestra inteira, sons de pássaros, passos e outros. Para “ver” de olhos fechados… Depois de 2013, nunca mais voltei, então não sei avaliar como está Inhotim e qual foi o baque que ele sofreu com duas tragédias seguidas: a de Brumadinho, no município onde ele fica, e a do coronavírus, um ano depois.

Leia mais: Meu olhar de Inhotim, Meu segundo olhar de Inhotim


Belo Horizonte

Um dos lagos dentro do Parque Municipal. Foto: CMC

E, claro, eu não poderia deixar de falar da minha belíssima Belo Horizonte! Cidade onde nasci, em 1985, e ainda hoje não conheço completamente, sempre havendo espaço para novas descobertas. Como por exemplo o Parque da Serra do Curral, que só fui conhecer neste ano! Em 2014, fiz um guia turístico de Beagá, com 90 dicas de passeio, pensando nos vários turistas que iam chegar à cidade para a Copa do Mundo. Mas o guia serve também para qualquer pessoa, inclusive os que moram aqui, e que gostam de explorar os pontos turísticos da cidade em que vivem. Imagino que algumas dicas já tenham ficado desatualizadas, mas muito permanece ali, pronto para ser descoberto! São nossos tesouros. Como o parque mais antigo da cidade, o Parque Municipal Américo Renné Giannetti, que fica bem no centrão.

Leia mais: Guia turístico de Belo Horizonte com 90 dicas de passeio

CLIQUE AQUI para ver opções de hospedagem em Belo Horizonte

Bom, é isso! Espero que tenham gostado de viajar junto comigo nessas lembranças! Aos poucos vou acrescentando novos roteiros neste post, combinado?


Leia também:

faceblogttblog

 

 

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Um comentário em “Os 300 anos de Minas Gerais celebrados em 9 pontos turísticos exuberantes Deixe um comentário

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: