Guia turístico de Belo Horizonte com 90 dicas de passeio

guiacapa

Começa hoje a semana da Copa do Mundo 2014, no Brasil. Em meio a todas as discussões políticas de quem é pró-Copa ou anti-Copa, eu tenho pra mim que, uma vez que o evento vai acontecer e já houve bilhões gastos para garantir isso, precisamos torcer para que dê certo, trazendo algum lucro/benefício/legado para nosso país. Acho que podemos ser críticos em relação aos abusos da Fifa e aos atropelos dos governos e, ao mesmo tempo, torcer pela Seleção de que mais gostarmos. E, mais importante de tudo: acho que podemos aproveitar o momento para conhecer os visitantes que aparecerem por aqui e recebê-los bem.

Pensando nisso, montei um pequeno roteiro turístico de Beagá, com 53 categorias e 90 indicações de passeios, que pode ajudar os turistas de outros Estados ou países que vierem para a capital mineira — seja para ver os jogos da Copa ou em outro momento, por qualquer outra razão.

Começo pela parte dos bares, já que Beagá é conhecida como a capital nacional dos butecos. Clique sobre qualquer foto para vê-la em tamanho real:

Bares e restaurantes (almoço, gastronomia, happy hour, balada)

Maria das Tranças / Divulgação

Maria das Tranças / Divulgação

Comida Mineira – Três boas opções de restaurante de comida típica mineira são o Maria das Tranças, o Dona Lucinha e o Xapuri. O primeiro, em funcionamento desde 1950, fica na rua Estoril, 938, São Francisco (Pampulha) e também tem uma unidade na rua Professor Moraes, 158, Savassi (Centro-Sul). Site: www.mariadastrancas.com.br. O segundo já está com várias unidades. Site: www.donalucinha.com.br. E o Xapuri fica na rua Mandacaru, 260, na Pampulha: www.restaurantexapuri.com.br.

Reprodução / Facebook

Reprodução / Facebook

Freud Bar – Imagine um bar que fique, literalmente, no meio do mato. Lá chegando, você encontra várias “casas na árvore”, onde ficam algumas das mesas. O som ao vivo costuma ser da melhor qualidade, geralmente um blues. Você sente um frio danado cercado por tanta mata e eles te emprestam um cobertor. Toma um caldinho superquente, de feijão, delicioso. Também é comum acenderem uma fogueira, para ajudar a esquentar, dando um clima ainda mais de roça. Enfim, é um bar que sempre recomendo para todos! Atenção: a entrada é R$ 20 e, na última vez que fui lá (já faz um tempo), não aceitavam cartões, só dinheiro ou cheque. É melhor ver como chega direto no site: www.freudbar.com.br

Reprodução

Reprodução/Facebook

Stadt Jever – Um dos mais tradicionais pubs alemães do país, com 28 anos de tradição. Agora arrendado pela cervejaria belo-horizontina Wäls, que foi premiada na Copa do Mundo das Cervejas e é uma das melhores cervejas artesanais de Minas. O bar fica na av. do Contorno, 5771, no São Pedro (Centro-Sul). Facebook: https://www.facebook.com/JeverPub

wals

Reprodução

Cervejaria Wäls – Fundada em 1999, é um dos orgulhos dos mineiros, juntamente com a Backer, a Austria e várias outras cervejas artesanais que estão surgindo no polo cervejeiro de Beagá e Nova Lima. Desde o final do ano passado, o local agora tem um tasting room, sempre aos sábados, de 11h às 17h, com direito a tour pela fábrica. Fica na rua Padre Leopoldo Mertens, 1460, no São Francisco (Pampulha). Site: www.wals.com.br

mamae

Reprodução

Mamãe Bebidas – Loja que existe há 12 anos e onde é possível encontrar, a um preço sensacional, todo tipo de cervejas nacionais e importadas, com destaque para a produção do polo cervejeiro local. Fica na av. do Contorno, 1995, Floresta (Leste), e também na Patagônia, 642, Sion (Centro-Sul). Site: mamaebebidas.com.br

Foto: CMC

Café Viena – Restaurante de comida alemã, com várias opções de cervejas (eles dizem ter a maior carta de cervejas da América Latina). Boa opção para quem gosta de degustar a bebida. Buffet com joelho de porco, salsichões e afins, tanto na hora do almoço quanto no jantar. Fica na av. do Contorno, 3968, Funcionários (Centro-Sul). Site: www.cafeviena.com.br. Saiba mais AQUI.

Divulgação

Divulgação

Haus München – Outro restaurante/bar de comida alemã, que existe desde 1967 e arrisco dizer que é o mais antigo da cidade. O mais legal de lá (mas faz um tempo que não vou conferir) é o fato de ter várias opções de cervejas especiais, para todos os gostos. Também tem aqueles deliciosos salsichões alemães. Fica na rua Juiz de Fora, 1257, Santo Agostinho (Centro-Sul). Site: www.hausmunchen.com.br

Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook

Redentor – Bar com temática carioca, vários tipos de chopp muito cremosos e, o mais importante: comida deliciosa, farta e a um preço justo. Destaque para o joelho de porco e o jabá porta bandeira. E também para a famosa empadinha! Veja o cardápio AQUI. Fica na rua Fernandes Tourinho, 500, na Savassi (Centro-Sul), onde há dias com música ao vivo, MPB e jazz. Também tem um bar dentro do Shopping Cidade (rua Rio de Janeiro, 910, Centro) e um na rua Rio de Janeiro, 661, Centro, na Praça Sete. Site: www.redentorbar.com.br

Divulgação

Divulgação

Chopp da Fábrica – O mais legal lá é que a comida é deliciosa, fartíssima (você pede um prato individual e dá para alimentar três pessoas), e a um preço superjusto. Destaque para o mexidão bem mineiro (couve, torresmo, arroz, feijão, ovo, carne e linguiça), a polenta à mineira e a gamela com pão de queijo frito. Outra coisa boa é que ele funciona até as 5h de quintas a sábados, numa cidade onde quase todos os bares fecham à 1h. Fica na av. do Contorno, 2736, Santa Efigênia (Leste). Site: choppdafabrica.com.br

Cumpanio/Divulgação

Cumpanio/Divulgação

Cum Panio Atelier de Pães – Casa que vende todo tipo de pães, com ingredientes e técnicas do mundo inteiro, e sabores maravilhosos. Eles custam de R$ 4 a mais de R$ 20. A casa fica na rua do Ouro, 292, Serra (Centro-Sul), e funciona de terça a sexta, de 11h às 19h30, e sábado, de 11h às 14h. Tem estacionamento. Site: cumpanio.co. Saiba mais AQUI.

Pizza Sur / Divulgação

Pizza Sur / Divulgação

Comida argentina – Para nossos hermanos, que estarão na cidade, a dica é o Pizza Sur, que vai transmitir todos os jogos da Argentina, e já possui três unidades: na rua da Bahia, 1764, Lourdes (perto da Praça da Liberdade); rua Levindo Lopes, 96, Savassi; e rua Vitório Marçola, 146, Anchieta. Facebook: www.facebook.com/PizzaSurBH. Também tem o Porteño Central, bem perto do Mercado Central, na rua Guajajaras, 1.021, Centro. Facebook: www.facebook.com/PortenhoCentral

parrilla

Reprodução / Facebook

Churrasco/comida uruguaia – Outra boa opção para os hermanos é o Parrilla del Mercado, que fica no Mercado Distrital do Cruzeiro, onde também é possível comprar vários temperos e produtos legais de Minas. O proprietário é o uruguaio Francisco Tomás Mesquita, que abriu o restaurante em 1998. Fica na rua Ouro Fino, 452, Cruzeiro. O lugar é muito agradável! Facebook: www.facebook.com/parrilla.delmercado

Foto: CMC

Foto: CMC

Comida portuguesa – A especialidade da Taberna Baltazar é bacalhau e, bom, eu não gosto de peixe. Mas isso só indica o quanto a comida do lugar é maravilhosa, porque é capaz de oferecer um medalhão de filé ou um joelho de porco tão deliciosos quanto devem ser as carnes brancas. Além disso foi lá que descobri que eu nunca tinha tomado uma Serra Malte sem ser falsificada até então: cerveja geladíssima e saborosa! Eles vão transmitir todos os jogos do Brasil e de Portugal na Copa. Fica na rua Oriente, 571, Serra (Centro-Sul), na esquina com a rua Caraça. Mais informações AQUI.

casa

Divulgação

Casa Cheia/ Mercado Central – Já que falamos do Mercado do Cruzeiro, temos que indicar também o restaurante mais tradicional do Mercadão, o Casa Cheia, com entrada pela av. Augusto de Lima, 744, no Centro. O restaurante fica no último andar e sempre tem fila, fazendo jus ao nome. A comida é deliciosa! Facebook: www.facebook.com/mercadocentralbhz

Cantina do Lucas / Divulgação

Cantina do Lucas / Divulgação

Cantina do Luccas / Maletta – O Maletta é um edifício histórico de Beagá, construído em 1957. Lá você encontra principalmente sebos (já comprei muito livro bacana e baratíssimo!), mas também salões de beleza e butecos. Tambem existem apartamentos residenciais. Mas o mais famoso do lugar é a Cantina do Lucas, que existe desde 1962 e é tombado pelo patrimônio histórico da cidade. O lugar tem, pra começo de conversa, muitas comidas gostosas. Também é legal por funcionar todos os dias, e de 11h30 às 3h nos finais de semana. Fica na av. Augusto de Lima, 233, loja 18, ed. Maletta, Centro. Site: www.cantinadolucas.com.br

Divulgação

Divulgação

Bar do Nonô – Outro que é 24 horas é o Bar do Nonô, cuja especialidade é o caldo de mocotó. Errr… eu também não gosto de caldo de mocotó (tenho paladar infantil, oras!), mas respeito a tradição do bar, que existe desde 1964 e recebe gente de todo o tipo, o dia inteiro. Fica na av. Amazonas, 840, Centro. Site: www.nonooreidomocoto.com.br.

Bolão – Um dos restaurantes mais conhecidos de Beagá, foi aberto em 1961 e funcionou por muito tempo 24 horas por dia. O Bolão é especialmente conhecido pelos boêmios, que fogem para a praça de Santa Tereza depois que todos os outros bares da cidade já fecharam. Destaque para o rochedão e o espagueti da casa. Fica na praça Duque de Caxias, 288, Santa Tereza (Leste), e em outras filiais.

La Greppia – Outro bar muito conhecido dos boêmios, por funcionar 24 horas por dia, todos os dias da semana. Lá tem boa comida, rodízio de massas massas, e um buffet, tudo a preço bastante em conta. É uma restaurante muito tradicional da cidade, que fica na rua da Bahia, 1.196, Centro. Mais informações AQUI.

Divulgação

Divulgação

Churrasquinhos do Luizinho – O bar, especializado em espetos, surgiu em 1998, quando o Luizinho ficou desempregado e resolveu vender churrasquinho na esquina de sua casa, em um carrinho de rua. Desde então, a expansão foi tão grande que hoje ele é dono de um galpão que fica sempre lotado, no Prado (Oeste), e que chegou a se tornar o maior vendedor de cervejas long neck de Minas (segundo me contaram) e vencedor de vários prêmios. Fica na av. Francisco Sá, 197, Prado (Oeste). Site: www.churrasquinhosdoluizinho.com.br

alambique

Divulgação

Alambique – O nome diz qual o carro-chefe do lugar: cachaça. As paredes são forradas de cachaças, muitas das quais artesanais, da melhor qualidade, e eles fazem caipirinhas de todos os sabores do mundo. Outro ponto forte da casa são os shows (principalmente de sertanejo) e a paquera. O lugar reúne 1.100 pessoas por noite, segundo o site: www.alambique.com.br. Av. Raja Gabaglia, 3.200.

topbar

Divulgação

Top Bar – É um bar/boate no mínimo inusitado. Lá, as cadeiras são dispostas como bancos de ônibus, uma atrás da outra, para sinalizar como os casais são bem-vindos (mas também tem mesas normais). Situado no 24º andar de um prédio do centrão da cidade, a vista da avenida Afonso Pena é o ponto forte do bar (foto). Também é divertido, por ter uma pista de dança daquelas bem tradicionais, com direito a globo de luzes, e músicas no estilão anos 70/80. Fica na rua dos Tamoios, 200, Centro. Site: www.topbarbh.com.br.

Divulgação

Divulgação

Soho – Confesso que não vou lá desde a adolescência, mas é um bar muito tradicional de Beagá. O mais legal por lá é o fato de ter mais de 80 jogos de tabuleiro, para os clientes se divertirem à vontade. Outra coisa legal é a porção de fritas, que é uma verdadeira “montanha”, gigantesca. Por fim, às terças-feiras, eles têm uma tradição muito legal: quando tocam o sino, o chopp fica liberado pra todos da casa! Quando o primeiro vai ao banheiro, a mamata é interrompida. O bar existe desde 1992 e fica na rua Tomé de Souza, 133, Funcionários (Centro-Sul). Site: www.sohopub.com.br.

Divulgação

Stonehenge/Divulgação

Casas de rock – Beagá está se especializando cada vez mais em bares que tocam só rock. E são muitas as bandas de rock da cidade. Vou listar a seguir algumas dessas casas, já com o link para seus sites, onde vocês poderão encontrar os endereços: CCCP, Stonehenge Rock Bar (foto), Jack Rock Bar, Circus Rock Bar, Lord Pub, Status Café (que é legal porque os shows acontecem em plena Praça da Savassi, ao ar livre), Elvis King Pub (ótimos sanduíches e comida mexicana!) e 104.

Divulgação

A Casa / Divulgação

Casas de samba e outros tipos de shows – Também há outras casas com ótima música, que merecem ser listadas por aqui: Pedacinhos do Céu (chorinho), Quintal de Jorge – Divina Luz (samba), A Casa (samba, forró, choro e variadas), Saramandaia (samba), Opção (samba), Dalva Botequim (já vi de tudo lá), Capim Limão (já vi de tudo lá), Vinnil (tem samba, rock, um pouco de tudo)

Estabelecimento / Divulgação

Estabelecimento / Divulgação

Outros bares e butecos – Como capital dos butecos, Beagá tem praticamente um a cada esquina, e cada um tem suas delícias próprias. Não é à toa que a cidade foi criadora do festival Comida di Buteco, que existe desde 2000 e hoje já está em 16 cidades de vários Estados. Em Beagá, a edição de 2014 reuniu 45 bares. E, neste ano, por causa de uma dissidência, ainda surgiu o festival Botecar, com mais 55 bares. Recomendo vários deles, então o melhor é clicar nos links e escolher o favorito. Eles ainda costumam servir os pratos dos festivais mesmo depois que terminaram. O vencedor do Comida di Buteco 2014 foi o bar Já to Inno, no Barreiro. E o do Botecar foi o Estabelecimento, no bairro Serra.


Passeios em Beagá (cartões postais, compras, cultura e lazer) 

Foto: Fundação de Parques Municipais

Foto: Fundação de Parques Municipais

Parque Municipal – No coração de Beagá, na Afonso Pena, está o parque mais antigo da cidade, inaugurado em 1897. Numa área de 182 mil m², com 280 espécies de árvores exóticas e nativas, há vários equipamentos gratuitos: brinquedos, aparelhos de ginástica, quadras, pista de caminhada e pista de skate e patins. Também tem brinquedos de parque de diversões (a R$ 2,50), lambe-lambe, trenzinho e outras coisas que fazem a alegria da criançada, como teatros e shows. Três lagoas e várias nascentes compõem a bela paisagem do parque, que está sempre lotado, todos os dias da semana. Funciona de terça a domingo, das 6h às 18h. Mais informações AQUI, AQUI e AQUI.

palacio

Divulgação

Palácio das Artes – Dentro do parque, ainda na Afonso Pena, temos o Palácio das Artes, um complexo cultural com teatros, cinema e galerias. Sempre tem exposições muito legais por lá, e é possível conferir a que está em cartaz AQUI. Começou na última quarta e vai até 24 de agosto, de terça a domingo, a exposição Gênesis, com fotografias do gênio Sebastião Salgado. Entrada gratuita, mas preparem-se para as filas! Site: fcs.mg.gov.br/espacos-culturais/palacio-das-artes

Foto: Fundação de Parques Municipais

Foto: Fundação de Parques Municipais

Parque das Mangabeiras – Este é meu parque favorito na cidade! Ele fica encravado na Serra do Curral, e tem nada menos que 2,8 milhões de metros quadrados de área preservada, 59 nascentes, e fauna rica de aves, esquilos, quatis, tatus e micos. Fica a 1.300 metros de altitude, em seu ponto mais alto, e possui um belo mirante da cidade, pistas de caminhada, equipamentos de ginástica, quadras, lagoa, pista de skate (profissional e a melhor da cidade, disparado!), parquinho, praça de alimentação, teatro de arena, área para soltar pipas, quiosques para piquenique, trilhas ecológicas etc. Dá para passar um dia inteiro passeando por lá, tranquilamente! Fica num lugar mais “distante” da cidade, mas tem amplo estacionamento e vários ônibus até lá. De terça a domingo, de 8h às 17h (entrada permitida), por meio de três portarias. Mais informações e endereços AQUI, AQUI e AQUI.

Foto: CMC

Foto: CMC

Praça do Papa – Também emparedada pela Serra do Curral está a praça do Papa, um mirante próprio de Beagá, no alto do Mangabeiras, onde as pessoas praticam caminhadas, crianças brincam no parquinho, namorados namoram, rappers fazem Duelo de MCs, famílias fazem piquenique — enfim, é uma reunião de todo tipo de “tribo” e de pessoas de todas as idades. Há carrinhos de água de coco e pipoca e a praça está sempre cheia, especialmente nos finais de semana. Ela é famosa por ter recebido uma missa do Papa João Paulo II, que teria dito, lá de cima: “Que belo horizonte!”. Por isso passou a ser conhecida como Praça do Papa. Fica no fim da avenida Agulhas Negras.

Foto: CMC

Foto: CMC

Mirante do Mangabeiras – Mirantes não faltam nesta região que é a mais alta da cidade. Este aí foi todo reformado, ao longo de sete meses, e reaberto no final de 2012. Ele passou a contar com infraestrutura mínima, como banheiro, bebedouro e guarita. Agora funciona de 10h às 22h, todos os dias. De lá, a vista da cidade é deslumbrante, como na foto ao lado. Fica na rua Pedro José Pardo, 1.000, no Mangabeiras, e as placas de sinalização são boas. Mais informações AQUI.

Foto: Leo Fontes / O Tempo

Foto: Leo Fontes / O Tempo

Parque da Serra do Curral – O parque também foi incrementado ao longo de cinco meses, para dar mais segurança aos turistas ao longo das trilhas. Foram R$ 2,5 milhões de investimentos. Ele possui dez mirantes e várias trilhas ecológicas, ao longo de 400 mil m² de área. Funciona de terça a domingo, das 8h às 17h e a entrada é pela Av. José do Patrocínio Pontes, 1.951, no Mangabeiras. Mais informações AQUI e AQUI.

Foto: CMC

Foto: CMC

Praça da Liberdade (Circuito cultural) – Passei boa parte da minha vida indo para a praça da Liberdade para brincar, andar de bicicleta e fazer caminhadas. Ela já foi cenário de vários dos meus poemas. Mas era só isso: uma praça deliciosa, que também abriga muitos shows gratuitos (assisti, entre outros, Yamandu Costa e Marcos Suzano), que tinha uma biblioteca, um museu de metais, o Palácio da Liberdade (lugar muito mais apropriado para um governo do que uma cidade inventada dentro de Vespasiano) e prédios de secretarias, alguns desativados. Eis que inauguram ali o esperadíssimo Centro Cultural do Banco do Brasil, a Casa Fiat de Cultura, o Centro de Arte Popular da Cemig, o Espaço do Conhecimento UFMG e outros museus. É o chamado Circuito Cultural. Passeei por lá pouco depois do lançamento, em 2012, e achei muito legal, uma maneira boa de conhecer alguns aspectos de Minas — e recomendo a visita aos turistas. De mais a mais, se não gostarem dos museus, ainda haverá a sempre linda e cheia de vida Praça da Liberdade. Site: circuitoculturalliberdade.com.br

IMG_20140426_142319

Foto: CMC

Praça da Savassi – É outro ponto cheio de gente e de vida na cidade, mas por razões diferentes da Praça da Liberdade: ali existem dezenas de bares e restaurantes, que abrem tanto de dia quanto à noite, e estão sempre pululando de pessoas, na maior animação: Status (sempre com shows, ao ar livre), Café 3 Corações, Baiana, Croassonho, e vários outros. Também é comum ter shows por ali, às vezes promovidos pelas lojas das empresas de telefonia que ocupam as quatro esquinas. Ela fica no cruzamento da avenida Getúlio Vargas com avenida Cristóvão Colombo.

Foto: CMC

Foto: CMC

Pampulha – É o cartão postal clássico: a lagoa, a igrejinha de São Francisco, o Museu de Arte Moderna e a Casa do Baile — projetos de Oscar Niemeyer com pinturas de Cândido Portinari, esculturas de Ceschiatti, Zomoiski e José Pedrosa, painel de Paulo Werneck e paisagismo de Burle Marx. Ali, ao longo da Avenida Otacílio Negrão de Lima, as pessoas fazem caminhadas, andam de bike, passeiam, vão ao tradicional parque de diversões Guanabara ou ao Parque Ecológico (bom lugar para andar de bicicleta, porque eles emprestam) etc. É um passeio muito agradável para um domingão em família e fica muito perto do Mineirão e do Mineirinho, da UFMG e do Zoológico. Atenção, turistas! Estamos com um “probleminha” de capivaras contaminadas na região da Pampulha. CLIQUE AQUI para saber mais e se prevenir 🙂

Divulgação

Divulgação

Feira do Mineirinho – Não é mais no Mineirinho, justamente por conta da Copa, do Mundo, mas vai funcionar durante o evento e, até agosto, na av. Clóvis Salgado, 1.300. É uma feira de arte, artesanato, gastronomia e moda, que funciona às quintas (17h às 22h) e domingos (8h às 17h). Site: facebook.com/feiramineirinhooficial

Divulgação

Divulgação

Feira Hippie – É o nome extraoficial e mais popular da Feira de Artesanato, que acontece desde 1971 como um evento permanente. Todos os domingos, faça chuva ou faça sol, lá está a feira, na avenida Afonso Pena, no centro da cidade, de 7h às 14h. São 3 mil expositores divididos em 17 setores. Lá você vai encontrar — a preços ótimos — roupas, bolsas e sapatos, bijouterias, bordados, móveis, enxoval de bebê, brinquedos, brinquedos e outras infinidades de coisas. Ah sim, também tem as barraquinhas com comes e bebes, para deixar a manhã menos cansativa. Site: www.feirahippiebh.com e Face: www.facebook.com/feirahippiedebh

Foto: CMC

Foto: CMC

Mercado Central – Melhor lugar do mundo para se comprar os queijos (canastra, serro e outros artesanais), cachaças, temperos (foto) e doces de Minas. Mas lá tem de tudo, TUDO mesmo. Até coelho e galinha vivos vendidos na gaiola. Até rede gostosa pra espreguiçar. Artesanato. Roupas de esportes radicais. Etc. Outra coisa legal lá são os bares e o restaurante Casa Cheia, de que já falei. É um passeio e tanto, no coração de Beagá. Também tem visita guiada e os funcionários estavam sendo treinados para atender turistas estrangeiros. Entrada pela av. Augusto de Lima, 744, Centro. Site: www.mercadocentral.com.br

Divulgação

Divulgação

Shopping Oiapoque – Ou simplesmente shopping Oi. Sabe a fama que o bairro Santa Ifigênia tem, lá em São Paulo? É a mesma do Oi: o lugar para se encontrar de tudo, especialmente eletrônicos, por preços muito mais baixos do que nas lojas convencionais. O slogan deles é: “Não foi ao Oiapoque? Perdeu dinheiro!”. É comércio popular na veia, e provavelmente algo que pouco turista estrangeiro já viu na vida. Fica na av. Oiapoque, número 156, no Centro, bem pertinho da Rodoviária. Site: www.shoppingoiapoque.com.br. Facebook AQUI.

Guaicurus – O Red Light District de Amsterdã, na Holanda, é alardeado mundialmente como um ponto turístico incrível, onde as mulheres ficam peladas nas vitrines etc. Todo mundo que vai para lá dá um jeito de conhecer o lugar. Pois a rua Guaicurus é nosso Red Light mineiro, com as moças escoradas nas portas dos hotéis vestindo só calcinha e sutiã, com o mesmo objetivo das holandesas: atrair seus clientes. O Ministério Público já tentou interditar as casas, “ilícitas, imorais e anti-higiênicas”, mas a Justiça barrou e protegeu a “zona de meretrício” da cidade, que já existe há mais de 100 anos. O fato é que prostituição, além de ser a profissão mais antiga do mundo, não é crime. Então deixem nossa Red Light District continuar lá, atraindo homens como moscas (especialmente na hora do almoço) e possivelmente sendo uma opção turística no mínimo inusitada para quem vier conhecer Beagá. Se você quiser apenas saber um pouco mais sobre o lugar, sem ter que efetivamente ir até lá, recomendo a leitura do livro “Sobe e Desce na Guaicurus“, do jornalista Tarcísio Badaró.

Divulgação

Divulgação

Museu de História Natural da UFMG – São 600 mil m² de área verde, com Jardim Botânico, viveiros, trilhas ecológicas, lagoas e nascentes. Além disso, tem exposições de arqueologia, paleontologia, cartografia, mineralogia, uma área só sobre mitos e verdades dos morcegos e um jardim sensorial. Não bastasse tudo isso, tem o Presépio do Pipiripau. Esqueça todos os presépios e maquetes que você já tenha visto: este tem 108 anos de idade, 586 figuras móveis (tem eletricidade desde 1927), distribuídas em 45 cenas, que ocupam 20 m². É sensacional! O museu funciona de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 16h e aos sábados e domingos, das 10h às 17h. Fica na rua Gustavo da Silveira, 1035, Santa Inês (Leste). Site: www.ufmg.br/mhnjb

Gilvan Rodrigues / PBH

Gilvan Rodrigues / PBH

Museu Histórico Abílio Barreto – Fica numa construção dos tempos do arraial do Curral Del Rei, do século 19, antes da inauguração de Belo Horizonte. O acervo, com 1.100 objetos, inclui pinacoteca, esculturas, objetos decorativos, objetos de demolição, mobiliário, vestuário, moedas, objetos de transporte, trabalho, iluminação, fotografias, manuscritos, mapas, plantas etc. Tudo contando a história de Belo Horizonte. Também tem uma lojinha e um bar café. Também possui exposições temporárias. Fica na av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim (Centro-Sul). Site: www.amigosdomhab.com.br

grafite

Grafites – A cidade também está se tornando um reduto de grafiteiros de boa qualidade. Ainda não temos um Beco do Batman, mas temos várias ruas e bairros com grande quantidade de arte de rua. Uma das nossas grafiteiras mais produtivas, a Maria Raquel Bolinho, recentemente criou um mapa em que lista a localização de seus mais de 100 bolinhos, veja AQUI. Uma parte dos outros trabalhos pode ser encontrada no Street Art View, mas este blog também criou uma galeria, com o endereço exato de cada uma das artes, que você pode conferir AQUI.


Passeio pelos arredores de Beagá (lugares próximos, em que dá para ir e voltar no mesmo dia)

Macacos – É o nome popular de São Sebastião de Águas Claras, distrito de Nova Lima a apenas 25 km de Belo Horizonte. O vilarejo é cercado por rios, pequenas cachoeiras e montanhas, famoso pelos restaurantes de comida gostosa e pelo artesanato. Também é muito procurada por mountain bikers. A infraestrutura é boa, com várias pousadinhas. Você chega lá pela BR-040. Mais informações AQUI e AQUI.

Uaiktoberfet / Divulgação

Uaiktoberfet / Divulgação

Cervejarias do Jardim Canadá – Nova Lima, na região metropolitana (que tem o distrito de Macacos), está ficando conhecida como a Bélgica brasileira. Isso porque, principalmente no bairro Jardim Canadá, está surgindo um polo cervejeiro da melhor qualidade. Vale a pena dar uma passada por lá para conhecer as fábricas, degustar as cervejas artesanais, comprar algumas delas… Lá também tem acontecido concursos e festivais de cerveja, como o Uaiktobertfest (foto). Especificamente no Jardim Canadá nós temos a pioneiríssima Krug Bier, a Küd, a Taberna do Vale, as cervejas Inconfidentes (fusão de três cervejarias), e dezenas de outras. Até a Colorado, de Ribeirão Preto (SP), resolveu abrir uma filial por lá. Saiba mais AQUI e AQUI e AQUI.

Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal

Serra da Moeda – Outro lugar legal para conhecer pela BR-040 é a Serra da Moeda. É uma cordilheira de 70 km de extensão e 1.500 metros de altitude, com uma vista deslumbrante. Também é muito usada para a prática de voo livre de para-glider e asa-delta — e é possível fazer uma aula experimental, com voo prático! Quem quiser apenas conhecer e apreciar o mirante, uma boa opção é subir na entrada para o restaurante Topo do Mundo, pouco depois de passar pela Lagoa dos Ingleses. A sinalização é boa no local. A região também tem várias pousadinhas. Saiba mais AQUI.

ouropreto-25

Divulgação

Ouro Preto/Mariana/Lavras Novas – Acho que dispensa apresentações para a maioria das pessoas. A cidade turística mais famosa de Minas, ex-capital do Estado, e lugar que, no século 18, atraiu a maior atenção da Coroa, de exploradores e intelectuais da época, tendo sido uma das cidades mais importantes do Brasil de então. E tudo isso é encontrado ainda hoje, em qualquer esquina que se visite por lá, na arquitetura típica, nos váááários museus, váááárias igrejas e becos. Seria uma volta completa no tempo, não fosse o fato de que a cidade hoje é universitária, então também tem vida noturna, repúblicas, jovens de todo o país. Pra melhorar, a cidade tem cachoeiras de todo tipo e tamanho e tem o pico do Itacolomi. De lá, sai uma maria-fumaça para Mariana, outra charmosa cidade histórica, bem pertinho, a 12 km de distância. E também tem Lavras Novas, pequeno distrito que se alcança via estrada de terra, a 17 km do centro de Ouro Preto, com apenas 1.500 habitantes, que também tem suas belezas naturais e cachoeiras. Ouro Preto fica a 98 km de Belo Horizonte e você chega pela BR-040 e BR-356 (entrada por um trevo após 20 km). Veja como chegar e várias outras dicas de roteiros dentro da cidade AQUI.

IMG_1961

Foto: CMC

Inhotim – Outro lugar recomendadíssimo dos arredores de Beagá (mais especificamente, na cidade de Brumadinho), que pode ser alcançado pela BR-040 ou pela BR-381/Fernão Dias (caminho que prefiro fazer). Trata-se de um parque que reúne obras de arte, tem um paisagismo lindo e vários restaurantes. É um passeio muito bom para se fazer com a família. Já trouxe minhas impressões de lá, com dicas de obras favoritas, em três posts. Vejam AQUI, AQUI e AQUI. Site: www.inhotim.org.br

Foto: CMC

Foto: CMC

Parque da Vale Verde – Outra boa opção de programação com a família toda, especialmente se você estiver com crianças. Trata-se de um parque ecológico e alambique da cachaçaria mineira Vale Verde. É uma espécie de zoológico com parquinho e restaurante de comida mineira saborosa. No meio disso, um alambique e atividades diversas, como tirolesa, slackline, bike, passeio de pônei (foto) e charrete, pesca esportiva e o terrível pedalinho. Já escrevi mais sobre o parque, veja AQUI. Para chegar a partir de Beagá, tem que pegar a BR-381 (Fernão Dias), até o ponto em que se pega a MG-050. O parque fica na rua Ary Barbosa da Silva, 950, em Betim (Grande BH). Site: www.valeverde.com.br.

IgrRosario

Foto: Prefeitura de Sabará

Sabará e Barão de Cocais – Sabará é uma cidade histórica na região metropolitana, a 23 km de Beagá, que tem uma infinidade de pontos turísticos, como igrejas antigas, artesanato, ecoturismo, museus. Você pode conferir uma lista desses roteiros no site da própria prefeitura, AQUI. Antigamente dava para ir de trem até lá, mas a estação de Sabará foi desativada, então, se quiser fazer o passeio de trem e voltar no mesmo dia, é melhor ir para Barão de Cocais (partida da Praça da Estação, em Beagá, às 7h30, e chegada lá às 9h. Volta às 18h30, com chegada às 20h10). Lá existem várias cachoeiras, santuários, ruínas, sítio arqueológico etc. Para ir para Sabará de carro, a saída é pela Cristiano Machado (sentido Vitória), BR-381 e BR-262.

Divulgação

Divulgação

Caeté / Serra da Piedade – É outra cidade da região metropolitana e o ponto turístico mais importante de lá é a Serra da Piedade, um santuário protegido pela arquidiocese de Bealo Horizonte. Lá é um lugar de fauna e flora privilegiadas, um espaço para descansar bastante e lavar a alma. Mas outra coisa bacana é o Observatório Astronômico da UFMG, que é aberto ao público no primeiro sábado de cada mês. Saindo de BH, após percorrer 37 km pela rodovia BR-381, entre à direita, no trevo em direção a Caeté. Mais à frente a estrada se divide: uma via segue para Caeté e outra para a Serra da Piedade. Seguir as placas. Mais informações AQUI e AQUI.

Vegetação de cerrado da região. Foto: CMC

Vegetação de cerrado da região. Foto: CMC

Serra do Cipó – Este é um dos lugares de que mais gosto em todo o planeta! Fica a 90 km de BH, logo depois de Lagoa Santa. Então, se a estrada está sem trânsito, gasta-se só 1h30 de Beagá até lá. Dentro, tem um Parque Nacional, com várias cachoeiras maravilhosas, trilhas e um cânion, além de ter várias outras cachoeiras particulares (com taxas de entrada de R$ 15 a R$ 25, em geral) espalhadas pela região. O lugar por si só, encravado na Serra do Espinhaço, é de uma beleza apaixonante, com vegetação de cerrado e mirantes a altitudes de até 1.700 m. O vilarejo também tem ótima infraestrutura, com dezenas de pousadas e restaurantes. O acesso é pela MG-010, estrada com ótima pavimentação e que, depois de certo ponto, já tem paisagens bonitas por si só. Mais informações AQUI, AQUI e AQUI.

Divulgação

Divulgação

Lagoa Santa e a gruta da Lapinha – Antes de chegar à Serra do Cipó, você passa por uma cidade a 35 km de Beagá que já tem várias atrações turísticas, históricas e pré-históricas (o local é um dos sítios arqueológicos mais importantes do país)! Meu ponto favorito é a incrível Gruta da Lapinha, descoberta em 1835 pelo dinamarquês Peter Lund, com patrimônio tombado pela União e pelo Estado. Ela tem 511 metros de extensão e 40 m de profundidade, percorridos em 30 a 40 minutos. Fui conhecê-la quando ainda era criança, de uns 5 anos de idade, e até hoje a experiência me é marcante. Saiba mais sobre a gruta AQUI e AQUI.

Gruta Rei do Mato – Outra gruta que é um monumento sensacional da nossa natureza. Fica em Sete Lagoas, a 62 km de Belo Horizonte. Ela tem 998 m de extensão, dos quais só 220 metros podem ser visitados, porque a gruta é considerada “viva” pelos cientistas. oi descoberta em 1920. Ela fica na Rod BR-040, Km 472. Mais informações AQUI e AQUI.

Tem mais sugestões que não foram citadas aqui? Deixe nos comentários! 


Visualize todas as dicas acima no mapinha abaixo:


GUIA DE BOLSO PARA BAIXAR E IMPRIMIR – Quer imprimir as dicas e transformá-las em um guia de bolso? Tudo bem, também providenciei isso! Basta clicar AQUI e baixar 😀

Ele tem o formato pequeno como o de uma fotografia (10 x 15 cm) e, se você imprimir nesse tamanho, será bem fácil de manusear, com 80 páginas. Sugiro que utilize os espaços em branco para fazer anotações sobre os lugares visitados. A partir de hoje, estará disponível também na Biblioteca do Blog.

Gostou do guia? Compartilhe com seus amigos! 😉

Anúncios

43 comentários sobre “Guia turístico de Belo Horizonte com 90 dicas de passeio

  1. Ó, eu que não sou turista vou utilizar estas dicas (mas depois que todos forem embora 🙂 )

    Só corrigindo: “O primeiro, em funcionamento desde 1950, fica na rua Professor Moraes, 158, Savassi (Centro-Sul) e agora também na rua Estoril, 938, São Francisco (Pampulha)”.

    É o contrário! O antigão é que fica no São Francisco!

    Curtir

  2. Muito legal, Cris! Sou belo horizontina “expatriada” há seis anos e vários desses lugares do seu guia eu não conheço. Vai ser muito útil para todos, turistas e não turistas!

    Curtir

    • Oi, Maurício! Obrigada pela dica, vou ter que ir lá conferir 😀
      Por enquanto, não vou acrescentar nada ao guia, porque ele está bem fechadinho com 90 passeios e deu uma trabalheira danada pra deixá-lo assim rs. Pedi aos leitores para acrescentarem mais dicas aqui nos comentários e, quando eu tiver uma quantidade significativa de sugestões, farei uma segunda edição do guia, com mais de 100 passeios. Até lá, vou conhecer esse Rota 85 para saber como é 😉
      Obrigada!

      Curtir

  3. Oi Kika tudo bem? Estou recém chegada em BH , procurando dicas do que fazer encontrei seu guia.Gostaria de saber se você conhece ou sabe me indicar ,algum grupo de “walking tours” que façam esses roteiros?

    Curtir

    • Que bom, Lorena! Seja bem-vinda 🙂 Espero que goste de BH e que aproveite bastante essas dicas do roteiro. Infelizmente, não conheço nenhum grupo assim… Dê uma olhada na Belotur (eles têm um posto ao lado do Parque Municipal e também um site) ou em algum hotel, imagino que saberão te informar. Se descobrir, comente comigo, para ajudarmos futuros viajantes, tá? Um abraço!

      Curtir

  4. adorei o teu comentário da Zona mais diga que também já ocorreram alguns homicídios lá o mais recente um cliente insatisfeito encheu o porteiro do puteiro brilhante com mais de 10 disparos de arma de fogo , portanto toda cautela é pouca , trata-se de uma rede de puteiros, muitos com pouca higiene, alguns razoáveis , eu não colocaria como roteiro turistico não , Bh tem casas de luxo como lidô, sayonara, skorpius, crystal dentre outras

    Curtir

  5. Eu adorei a casa de shows caribeam pertinho logo ali na divisa de Bh com Nova Lima depois do tunel, acesso fácil e casa muito bacana

    Curtir

  6. Bom dia…
    Amei o roteiro!!!
    Sou natural daqui, tenho 40 anos e nunca morei em outro lugar.
    Sugiro acrescentar a Avenida Flemming, no bairro Ouro Preto. Lá tem bares, pubs, casas noturnas e restaurantes. É muito bacana…
    Tem também as casas de shows e a campanha de popularização do teatro e da dança, que acontece todos os anos em janeiro e fevereiro, e as peças teatrais para adultos e crianças têm ingressos a 15 reais.
    Abraços

    Curtir

  7. Adorei as dicas!!
    Que vão desde alimentação até passeios culturais! Não sou mineira e me mudei faz pouco tempo, adoro buscar dicas de passeios!
    Parabéns!
    (Você pretende atualizar o guia?)

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s