A Copa do Mundo me transportou para a infância

Ontem, dia de jogo (bonito) do Brasil, acho que 80% da cidade estava de folga. Parecia um feriado e, durante a partida, as ruas ficaram desertas, como se estivéssemos em uma cidade fantasma (veja AQUI!). Foi por isso, provavelmente, que vi uma cena que me transportou direto para meu passado.

Estava eu seguindo pela avenida Amazonas, a caminho do trabalho (para jornalistas dia de Copa é de trabalho em dobro), quando parei no sinal vermelho. Olhei para o lado distraída e, subitamente, fui engolida por um túnel do tempo e voltei 20 anos atrás.

O que vi, nessa viagem ao passado, foi uma rodinha de crianças jogando algo que parecia com uma peteca, no meio de uma rua chamada Limoeiro! Pra começar, eu nem sabia que havia uma rua assim tão “Turma da Mônica” cortando a agitadíssima avenida Amazonas, como um riachinho que deságua no gigante das águas. E lá estavam elas, as crianças, brincando BEM NO MEIO DA RUA!

turmadamonica

Olhei pra frente, o sinal abriu, e não tive outro remédio a não ser continuar. Mas aquela imagem ficou dançando em minha cabeça, porque fazia anos e anos que eu não via crianças brincando no meio da rua em BH. No bairro onde eu morava quando criança, era a coisa mais comum do mundo: elas colocavam os chinelos marcando o gol, se dividiam em times, e começava a pelada! Hoje aquela rua está tão movimentada de carros que isso seria impossível.

É claro que em alguns bairros mais distantes ou ruas escondidas e sossegadas ainda deve ser comum ver crianças brincando. Mas ali, numa transversal da avenida Amazonas, a menos de um quarteirão da avenida, isso me pareceu fantástico. Quase desci do carro para me certificar se ali não estavam a Mônica, a Magali, o Cebolinha e o Cascão.

Tem gente que reclama do feriado forçado que a Copa do Mundo provoca (tem, né?). Mas, depois que vi essas crianças voltando ao passado e se aproveitando do clima tranquilo e festivo da cidade, definitivamente não tenho nada contra. A bem da verdade, acho até que rejuvenesci um pouco 🙂

Leia também:

O prédio que é toda uma cidade — e o fim da qualidade de vida

Anúncios