Ir para conteúdo

Ouro Preto, as festas do congado e a feirinha de pedra-sabão

O texto de hoje foi escrito e enviado pelo Pedro Silva, que é estudante de letras e morador da cidade histórica mineira de Ouro Preto. Ele também trabalha com o comércio de produtos feitos em pedra-sabão (o trabalho pode ser visto AQUI). E é fotógrafo (este outro trabalho pode ser visto aqui no post e no Instagram). Ele fala sobre duas “expressões de uma cultura formada por pessoas pretas”. Publico hoje, a um mês do Dia da Consciência Negra, porque sempre é dia de falarmos sobre essa resistência maravilhosa. Boa leitura!

 


Ouro Preto, berço de culturas que atravessam os séculos

– Por Pedro Silva

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

As cidades de Ouro Preto e Mariana são o berço de importantes tradições que atravessaram três séculos, e permanecem vivas até hoje. As festas do congado e a feirinha de pedra-sabão são ícones de uma resistência centenária.

Na segunda semana de fevereiro em Ouro Preto tem o dia de saudarem os reis e rainhas pretos! A festa do Reinado teve sua origem nas terras tupiniquins com Chico Rei, Rei de Congo que foi escravizado na comarca de Vila Rica (atual Ouro Preto). A cultura oral conta que Chico Rei conseguiu a sua própria alforria e a de seus irmãos, possibilitando-os criarem a irmandade dos homens pretos.

Desde então há um cortejo com os reis e rainhas pretos. Essa tradição, após um hiato, foi retomada pela guarda de Moçambique de Ouro Preto. A festa convida guardas de Caboclos, Congado, Moçambique e os Catopés.

Festa do Congado em Ouro Preto. Foto: Pedro Silva / Divulgação para o blog da kikacastro

Cores, batuques, e movimento são algumas das palavras que descrevem um pouco do que é essa festa maravilhosa. As guardas carregam consigo na linha de frente a sua bandeira, que geralmente contém a imagem do santo daquela guarda. No ano de 2019 foi encontrada uma bandeira que foi feita há mais de 300 anos, confeccionada com ferro fundido. Essa foi uma forte evidência que prova que a festa existe na região há séculos.

Uma outra arte que atravessa os séculos na região é o uso da pedra-sabão. O maior artista relacionado ao uso da pedra-sabão é o escultor e arquiteto Aleijadinho, que realizou grandes obras durante o período colonial. Dessa forma, o mineral tornou-se uma marca artística do barroco brasileiro, uma prova disso são as diversas fachadas de igrejas em que a pedra-sabão foi utilizada.

A culinária mineira também foi fortemente marcada pelo uso da pedra-sabão, pois o uso de panelas de pedra na região também era um uso recorrente. Porém as panelas de pedra eram tidas como objetos inferiores, e sem muito valor.

A panela de pedra é um utensílio utilizado em Minas Gerais desde o tempo da colônia, sendo assim parte das raízes da culinária popular dessa região, que perdura até os dias atuais. Uma pesquisa mostra que 80% da população ouro-pretana possui e utiliza o referido utensílio.

Trabalhos em pedra-sabão. Foto: Pedro Silva / Divulgação para o blog da kikacastro

As panelas de pedra vêm aos poucos conquistando um mercado que ultrapassa as montanhas mineiras, chegando até mesmo a outros países. A sua fama vem aumentando devido aos benefícios que as peças possuem, como por exemplo a transferência de minerais benéficos para o alimento, como cálcio, ferro, manganês e magnésio, contribuindo para uma alimentação mais rica em nutrientes.

Atualmente, a cultura da pedra-sabão ainda continua viva. Há na cidade de ouro preto a feirinha de pedra-sabão, onde é possível encontrar uma vasta produção de artesanatos e utensílios para cozinha. Desse modo, a pedra-sabão torna-se uma importante fonte de renda para muitas famílias.

A confecção das peças em pedra-sabão atualmente é feita por artesões espalhados pelos distritos que compõem as cidades de Ouro Preto e Mariana, sendo essas duas cidades o principal polo de produção. Além das lojas de artesanato, é possível encontrar lojas on-line que vendem as peças através de sites, como por exemplo o Portal Pedra Sabão, reunindo no mesmo lugar os trabalhos de diversos artesões.

Por mais de 300 anos, a pedra-sabão é um elemento que está presente na vida dos moradores da região dos inconfidentes, tendo grande importância cultural e econômica. Está presente nos chafarizes e fachadas das igrejas de Ouro Preto, cidade patrimônio da humanidade, e em Mariana o ofício de tornear tornou-se patrimônio imaterial.

Tanto o congado quanto a pedra-sabão são expressões de uma cultura formada por pessoas pretas; Aleijadinho e grande parte dos torneiros são pessoas pretas. E esses movimentos ajudam a manter essa cultura, que é tão rica.

 


Você também escreve contos, crônicas, poemas, resenhas, análises…? Envie para meu e-mail e seu texto poderá ser publicado aqui no blog, na seção de textos enviados pelos leitores 🙂

 

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblog
ttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

2 comentários em “Ouro Preto, as festas do congado e a feirinha de pedra-sabão Deixe um comentário

  1. Cristina! Aqui em São Francisco de Paula, o congado é uma festa de muita tradição. Acontece todos os anos, no princípio de setembro. Obviamente, este ano não houve, por causa do novo Coranavirus.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: