Saudades de você, Tiradentes, eu queria te ver

Tiradentes é um dos lugares mais charmosos e legais do planeta, como eu já deixei claro aqui antes. Ir para lá é o mesmo que repousar a alma numa rede, na sombra, por um mês.

Vista de Tiradentes. (Foto: CMC)

É pequenininha (7.002 habitantes, em épocas normais), tem muitas obras históricas,

(Foto: CMC)

tem cachoeira perto, tem Bichinho perto,

 

Bichinho. (Foto: CMC)

tem artesanato, tem Carnaval de rua, sem muita muvuca e com direito a charanga,

 

Terceiro carnaval que passei lá. (Foto: CMC)

tem pousadinhas que ficam no topo de morros, diante de um mar de montanhas estupendo,

(Foto: CMC)

tem maria-fumaça para São João Del Rey

 

(Foto: CMC)

e tem festivais de gastronomia e de cinema.

É no festival de cinema que a cidade mais lota, mais até que no Carnaval. Formam-se filas de pessoas para ver sessões de filmes brasileiros, curtas, longas, lixos e pérolas. As ruas ficam movimentadíssimas, com todos aqueles hippies vendendo brinquinhos e colares coloridos, e os bares com mesas na calçada, com a cerveja gelada que só existe em Minas.

Pois bem. Não bastasse haver um festival de cinema, desde 2006 a biritaria Conto de Réis, que fica na praça da Matriz, promove simultaneamente um festival de jazz e blues com a ajuda de músicos locais que comandam a excelente Yellow Cab Blues Band.

Yellow Cab Blues Band e Adriano Grineberg. 9Foto: CMC)

Estive lá em janeiro de 2008 e babei. Eles convidaram o Adriano Grineberg, a Hot Spot Blues Band, o Rodrigo Nézio e Duocondé Blues, o Robson Fernandes e a Rosane Corrêa.

Queria muito estar lá nos dias 21, 22, 28 e 29, quando haverá mais da ótima combinação cinema e blues, agora com a banda Blue Drop Jazz Quartet.

Assim, fica a dica: se você puder ir, VÁ! 😉

Anúncios