A onda fascista que ameaça a todos nós

Sarah Palin, uma líder (de pessoas erradas)

texto de José de Souza Castro:

Há indicações de que os Estados Unidos estejam se tornando um estado fascista, com sérias repercussões mundo afora. É uma reação, até certo ponto esperada, ao que se imaginava fosse um grande avanço da democracia progressista com a eleição de um negro, filho de imigrante, para o mais alto cargo da República.

O presidente Barack Obama não conseguiu administrar essa reação, mesmo fazendo o possível para agradar ao establishment salvando, com recursos públicos, capitais privados depositados em bancos que assumiram riscos imensos, confiantes na sua capacidade de convencer a todos de que era preciso socializar os prejuízos, na eventualidade destes ocorrerem, como de fato ocorreram.

E o presidente acabou se enfraquecendo perante seus eleitores, como mostram os resultados das últimas eleições para o Congresso, com a volta triunfante dos republicanos ao controle da Câmara de Representantes e, por pouco, do Senado.

Esses eventos animam o que há de mais retrógrado na direita americana.

Joan McCarter, nascida em Idaho e graduada em estudos internacionais pela Universidade de Washington, vem acompanhando com preocupação essa onda fascista. Em artigo no blog Daily Kos, ela analisa o discurso do senador Mike Lee, um republicano que se orgulha de ser membro do Tea Party, aquele da célebre senadora Sarah Palin.

Para Joan, o Tea Party tem como principal objetivo conduzir a América de volta aos bons tempos em que não existiam leis federais como a que proibiu o trabalho infantil.

Aprovada pelo Congresso americano em meados do século 19, a proibição do trabalho infantil foi contestada no Judiciário. O senador Mike Lee defende que a lei é inconstitucional. Ele se baseia num julgamento da Suprema Corte, de 1918, que manteve a proibição mas considerou que esta deveria ter sido aprovada por legisladores estaduais, não federais.

Para Joan McCarter, o senador Mike Lee não visa apenas à volta do trabalho infantil. A mesma teoria legal usada por ele nesse caso poderia servir para impugnar as leis federais aprovadas desde o governo de Franklin Roosevelt pelo Congresso Nacional, como a que criou o salário mínimo e os planos de aposentadoria e de saúde.

Parece absurdo. Mas nem tanto, tendo em vista a onda direitista que se verifica, no momento, nos Estados Unidos.

Os ricos – e os muito ricos, como o brasileiro Eike Batista – se preparam para surfar nessa onda que pode se tornar global. Em menor escala, já ocorre por aqui, como comprova esse e-mail que recebi ontem:

“li seu texto publicado no seguinte endereço

http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1120

estava pesquisando sobre indenização para a passagem do mineroduto, este mineroduto irá passar no terreno do meu pai e ofereceram uma quantia muito pequena; meu pai é uma pessoa muito simples e não quer entrar em confronto na justiça; gostaria de saber se conhece casos como os do meu pai e o que acontecerá se ele não assinar o documento permitindo a passagem do mineroduto.”

Alguém aí, que não seja o Mike Lee, sabe? Gostaria de poder ajudar, mas não sei como.

Anúncios

Povo,

a menos que eu mude subitamente de ideia, neste fim de semana vou dar um descanso das postagens – pela primeira vez, desde que comecei este blog.

Em dias assim vou usar o selinho abaixo, que já fica sendo um código entre nós, combinado? 🙂

P.S. Pra compensar, hoje escrevi dois posts no blog Novo em Folha e um deles pode ser uma boa diversão para quem gosta de testes, VEJAM AQUI.