Post para meu sábio pai

Ao contrário do pai do Calvin, meu pai nunca se importou em me responder com um simples e direto “Não sei”. Várias vezes, quando criança, eu fazia essas perguntas que só as crianças fazem, dificílimas de responder, e ele dizia simplesmente que não sabia a resposta. E eu insistia: como pode meu pai, que é tão inteligente e é meu herói, não saber me explicar essa dúvida? E ele retrucava: “Eu só sei que nada sei”. Quando a gente não sabe uma resposta, não pode inventar. Ponto. Ficaram pra mim três lições dos tempos em que não era tão simples assim sacar o smartphone e “dar um Google” para ter todas as respostas na ponta da língua. A lição de que não sabemos de tudo, de que não temos que saber de tudo e de que não devemos fingir que sabemos de tudo. A lição de que precisamos checar os fatos antes de sair respondendo qualquer coisa (ah, como seria bom se esta fosse colocada em prática com mais frequência por todo mundo…!). E a lição de que os sábios são aqueles que sabem que, na verdade, sabem quase nada.

Tantas lições importantes! E olha que, nessa época, eu devia ter lá meus 5 anos. De lá pra cá, meu sábio pai já me deixou muitas outras lições e ensinamentos cravados na alma e no caráter. Enumerei algumas delas aqui no blog em 2013.

Neste Dia dos Pais, eu só queria que meu querido pai-herói se certificasse de sua importância para mim, mais uma vez 🙂 ❤

Leia também:

Anúncios

VÍDEO: Homenagem aos dois pais da minha vida

O Dia dos Pais chegou e eu não poderia deixar a data passar em branco aqui no blog, mesmo com a correria em que estou. Então fiz um videozinho para demonstrar meu amor ao meu querido pai-herói, coautor deste blog, e ao meu marido, paizão do meu bebê, que celebra a data pela primeira vez.

Feliz dia dos pais! E também a todos os pais-leitores deste blog 😀

Veja também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

25 ideias de presentes CRIATIVOS

Toda vez que datas comemorativas comerciais se aproximam, como o Dia dos Namorados, o Dia das Mães e o Dia das Mulheres, começam a surgir aquelas matérias clássicas nos portais de todo o Brasil: “X sugestões de presentes para sua namorada”. Mas já repararam como os presentes sugeridos são sempre os mesmos? Flores, chocolates, maquiagem, roupa… Se for homem, falam em relógios, meias, gravatas, canetas.

Quanta falta de criatividade!

Foi por isso que resolvi fazer um esforcinho e pensar em sugestões de presentes mais criativos, inusitados ou úteis, para homens e mulheres, com todas as faixas de preços. Não vou colocar aqui lojas ou marcas que vendam esses presentes, porque a ideia deste post é ser um brainstorm para todo mundo que estiver sem ideias de presentes para comprar — inclusive nos aniversários ao longo do ano. Mas ponho os links de buscadores, que levarão a várias opções de lojas, preços e marcas.

Vamos às minhas ideias:

FAIXA DE ATÉ R$ 20

Este slideshow necessita de JavaScript.

  1. Meia de dedinhos – é um presente divertido, ainda mais para essa época de inverno. Encontrei meias dessas a partir de R$ 6 na internet, mas o melhor é dar pelo menos uns três pares de cores diferentes, né?
  2. Luz para leitura – essa lanterninha portátil é super útil, principalmente para quem gosta de ler na cama, antes de dormir, ou gosta de ler em ônibus e aviões sem incomodar ninguém. A luz fica bastante direcionada para a página e não atrapalha nem quem dorme ao lado, na mesma cama. É possível encontrar a partir de R$ 11 na internet.

R$ 21 A R$ 50

Este slideshow necessita de JavaScript.

  1. Porta-garrafas do time do coração – dá para encontrar a partir de R$ 23 na internet, como AQUI e AQUI. Tem também umas em formatos diferentes, mais criativos.
  2. Livro de colorir para adultos – a modinha chegou com força e já encontrei seis opções diferentes em uma livraria de BH. É divertido mesmo e pode ser achado por cerca de R$ 25, fora os lápis de colorir.
  3. Livros de receitas – também encontrados por todos os preços, mas a faixa principal é esta. Dá para ser ainda mais criativo e comprar um livro que tenha mais a ver com o presenteado: só com receitas de chocolate ou só com receitas veganas ou só receitas light, por exemplo. Só saladas, só churrascos, só drinks… Tem de tudo!
  4. Livro com exercícios – este também é um presente original, porque você pode dar a alguém um livro com exercícios totalmente diferentes, de que a pessoa nunca ouviu falar, como o Qi Gong. Poderá incentivá-la a conhecer algo novo, que pode fazer um bem danado à saúde e à cabeça.
  5. Quadro para avisos – é um presente muito legal! Serve para deixar lembretes num lugar de fácil acesso ou para deixar recadinhos carinhosos para outros membros da família. Tem de todos os preços; minha sugestão é comprar os voltados para crianças, que costumam ter a mesma função e ser bem mais baratos.
  6. Namoradeira – vai para algum interior de Minas? Ou alguma cidade histórica qualquer do Brasil? Compre uma namoradeira! É um presente muito bonito, típico do nosso artesanato, e ótimo enfeite para casa. Dá para achar com todas as faixas de preço, mas AQUI eu vi a partir de R$ 25.
  7. Pout-pourri de flores secas – são muito legais para aromatizar a casa, e podem ser colocadas, por exemplo, em vasinhos no banheiro, ou na sala. Não achei fácil de encontrar na internet, mas vi AQUI, a R$ 29,90. Alguns sites ensinam a fazer, como ESTE e ESTE.
  8. Quadro dos Beatles (ou de outra banda favorita) – fáceis de encontrar por cerca de R$ 29 na internet.
  9. Quadros personalizados – ou que tal montar você mesmo um quadro com várias fotos de bandas, escritores e atores favoritos do seu presenteado e pedir para as lojas de revelação de fotos imprimirem já no formato de quadro? Fiz um para mim e, na época, custou R$ 30 a impressão. Outra opção é transformar as imagens em ímãs de geladeira ou porta-corpos em sites como ESTE.
  10. Fichinhas para poker – é um presente divertido, que incentiva a pessoa a convidar os amigos ou reunir a família para uma partida de baralho. Pode ser encontrado a partir de uns R$ 35.
  11. Jogo de dardos com alvo – tem de todos os preços, mas dá pra achar na faixa de R$ 35. É divertido para pendurar na parede de casa e brincar, sozinho ou em dupla, inclusive com crianças.
  12. Caixa de ferramentas – é um presente muito útil, tanto para homens como para mulheres. Pode ser encontrado a partir de R$ 35 na internet, com as principais peças.
  13. Cofre camuflado como livro – além de ser um presente divertido, é um lugar legal para se guardar alguns pequenos bens valiosos sem chamar muito a atenção. Dá pra encontrar a partir de R$ 37 na internet.
  14. Porta-calcinhas – um desses organizadores muito úteis, especialmente para quem viaja muito. Ele tem uma divisória para pôr as calcinhas limpas e outra para as usadas. Algumas lojas que vendem pela internet: 1, 2 e 3.
  15. Pantufas divertidas – dá para encontrar a partir de R$ 35, com todos os formatos, desenhos, estampas, tecidos e gostos. Ideal para o inverno.
  16. Caixas de memórias – caixas decorativas, geralmente de aço ou madeira, para guardar cartões, fotos ou outras coisas que nos faça lembrar do passado. Você pode dar até a caixa já com alguns itens dentro, que lembrem a história que você tem com o presenteado da vez 😉 Encontrada em todas as papelarias, livrarias e afins, em preços diversos.

R$ 51 A R$ 75

Este slideshow necessita de JavaScript.

  1. Arquivo para guardar documentos – é muito útil para todo mundo ter um lugar organizado de colocar recibos de contas, notas fiscais, diplomas, certificados, certidões e outros documentos importantes sem ocupar muito espaço. Dá pra achar a partir de R$ 37, mas a maioria está na faixa dos R$ 60.
  2. Licor – é uma bebida legal para dar de presente, por causa de sua durabilidade. Se você der uma cerveja artesanal gostosa, vai ser ótimo, mas a pessoa vai acabar com o presente em uma sentada. O mesmo com um vinho. Mas o licor é para tomar aos pouquinhos, em copinhos — depois do almoço, por exemplo. Então é um presente que vai estar sempre lá, sendo consumido e lembrado. Dá pra comprar uns artesanais gostosos a partir de R$ 20, mas a faixa de preço no supermercado ou na internet está em uns R$ 50.
  3. Licoreira – a licoreira é um incentivo para o presenteado querer fazer seu próprio licor! Se for para comprar uma bem boa, de cristal e tal, fica na faixa dos R$ 70. Mas é possível achar umas de vidro comum bem bonitas e muuuito mais baratas, em qualquer lojinha de bairro. Para tornar o presente mais caprichado e pessoal, que tal fazer um caderninho com receitas de licor, escritas a mão, e entregar junto? Ontem divulguei quatro dessas receitas, veja AQUI.
  4. Caixinha de música a manivela – é um presente singelo, mas que costuma custar muito caro no Brasil, na faixa de R$ 70, como AQUI. Dizem que em Paris isso custa 5 euros… :/
  5. Jogo de tabuleiro – Imagem&Ação, Jogo da Vida, Banco Imobiliário, Detetive, Scotland Yard, Cara a Cara… São tantos jogos legais, para 2, 4, 6 pessoas…! Acho um presente e tanto e dá pra encontrar a partir de uns R$ 50, dependendo do jogo.

MAIS DE R$ 75

Este slideshow necessita de JavaScript.

  1. Balança – é um presente útil para todos, nessa era da saúde que estamos vivendo. Algumas balanças indicam, além do peso, coisas como o nível de gordura e de líquido do corpo, a massa muscular e óssea e o IMC. Outras permitem você gravar o peso na memória, para ir acompanhando a evolução ao longo de um tempo. Essas são mais caras, com preços muito variados, embora haja balanças simples por bem menos.
  2. Pufe – é o presente mais gostoso do mundo! Pro presenteado se esbaldar depois de um dia cansativo. É melhor comprar desses grandões em feiras de artesanato, que costumam vender a um preço melhor do que pela internet.

Leia também:

  1. 15 dicas para criar seu próprio blog
  2. 10 dicas para ter uma hortinha em casa ou no apê
  3. Dicas para montar um portfólio online
  4. Dicas para perder peso sem perder a cabeça
  5. Dicas de livros
  6. Dicas de filmes
  7. Dicas de viagens

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

O que aprendi com meu pai*

jean13222406

Jean Galvão, na “Folha” de hoje.

Aprendi a ser otimista. Toda vez que solto um “tomara que”, ele retruca com um animado: “Isso mesmo! Somos otimistas!”, me lembrando e impedindo que eu esqueça jamais que sou uma otimista nata, impedindo que eu recaia no pessimismo desalentador.

Aprendi a ser bem-humorada. A rir até das desgraças da vida, porque só o bom humor nos mantém mais leves, nos faz flutuar pelos anos, de forma mais doce e suave e imune a todos os zilhões de problemas.

Aprendi a respeitar as vontades dos outros, quando diz respeito a eles. A entender que cada um tem seu ponto de vista. A entender que não há verdades absolutas e que o mundo é um amontoado de versões. Isso teve especial valia no jornalismo também.

Aprendi, bem pequetita ainda, que um cara chamado Sócrates um dia disse que nada sabe e que, se alguém como Sócrates nada sabe, que dirá alguém como eu. Devemos manter a humildade.

Aprendi que, onde quer que eu vá trabalhar, em qual for a profissão ou função, tenho que tentar dar sempre o melhor de mim e fazer da melhor forma possível. Se um dia eu tiver que varrer as ruas da cidade, tentarei ser a melhor varredora que eu puder. E que todas as profissões têm sua importância, são peças de um mesmo grande quebra-cabeças.

Aprendi que dinheiro não é tudo. Que precisamos ter algum desprendimento e cuidar pra não virarmos sovinas, pão-duros ou gananciosos em nome de fazer economia ou não desperdiçar.

“Viva e deixe viver.” / “É a vida.” / “Quem não morreu, vai morrer.” / “Isso também passa.” Podem ser frases conformistas ou, no ponto de vista dos otimistas, frases que nos empurram pra frente diante de uma situação triste ou ruim, mas certamente inevitável. Aprendi que não devemos sofrer com o leite derramado ou lutar contra o inevitável.

Aprendi que pra fazer jornalismo é preciso ter coragem. Se a pessoa for medrosa demais, tem que seguir outro rumo. Não por riscos gigantescos que existem em algumas pautas, mas pelos riscos inerentes da profissão. Jornalista arrisca todos os dias, desde a escolha da pauta, até a escolha do lide, seguindo pela escolha editorial. As grandes histórias surgem de grandes riscos. Veículo que tem medo de se posicionar faz mau jornalismo. Claro que ele também me ensinou que a coragem requer responsabilidade.

Aprendi que o maior bem de um jornalista e de um jornal é sua credibilidade. E que ambos começam a se enterrar justamente quando têm essa credibilidade questionada. Por isso, é preciso sempre cuidar dela. Não basta agir com ética, é preciso deixar claro ao mundo que você é incorruptível.

Aprendi a me sentar numa cadeira, diante da natureza, e apenas contemplá-la. Árvores, pássaros piando. Que aquele quadro, que parece estático, é cheio de movimento e de mudanças a todo instante. Que há muita beleza na natureza. E que a vida na roça é muito gostosa e que quem nasceu na roça e lá viveu durante a infância vai sentir saudades para o resto da vida, como se fosse um órgão à parte, cheio de lembranças, em algum buraco do organismo.

Aprendi como é bom ler! E que os livros são os melhores presentes que alguém pode dar ou ganhar de outro alguém.

Aprendi a sempre tentar (por mais difícil que seja, na minha profissão) evitar a fofoca.

Aprendi a nunca, jamais, dar rasteiras em alguém. E a odiar quem faz isso. E a odiar puxa-sacos em geral.

Aprendi a olhar com desconfiança para políticos, policiais, padres, professores e demais representantes do poder. A duvidar. A questionar. A criticar.

Aprendi que a ironia é uma arma fina contra agressores.

Aprendi a não olhar para alguém diferente por ter outra profissão, salário ou cor da pele. A não aceitar o machismo. A ver com naturalidade homens e mulheres exercendo os mesmos papeis na sociedade e dividindo tarefas domésticas. A acreditar no conceito de igualdade, em suas várias concepções, mesmo que enquanto ideal.

Aprendi a ser idealista.

Aprendi a escrever textos jornalísticos, de análise e de opinião. E que opinião é extremamente importante, é minha, é livre e ninguém tem o direito de me tomar. Que é necessária na democracia e nos jornais. Que jornalismo também comporta opinião. Que é bom que seja plural. Que devemos estar abertos a mudar a nossa opinião, e devemos nos obrigar — principalmente os jornalistas — a ler aquilo que já sabemos de antemão que não segue nossa linha de pensamento. Ler “Veja” e “Carta Capital”. Ler Paulo Henrique Amorim e Reinaldo Azevedo. Aprendi a blogar.

Aprendi que é legal eu manter meu lado criança dentro de mim e que todo mundo deveria ser “Peter Pan” ou “Peter Pana”, ao menos de vez em quando.

A todo momento lembro de mais e mais coisas que aprendi, tento aprender ou sempre aprendo com meu pai-herói, mas, se eu não frear em algum momento, este post vai ficar grande demais e também aprendi que é preciso ser conciso pra alguém querer te ler. Então paro por aqui: obrigada, papai! 😀

* Aprendi ou sigo tentando aprender 😉

IMGP1210

Foto: CMC

Os milhões que custamos a nossos pais

Leio hoje no jornal mineiro “Hoje em Dia” que os pais gastam até R$ 2 milhões com a criação dos filhos, do nascimento até o fim da faculdade. (Sem falar nos que continuam custeando a prole quando esta já beira os 40 anos de idade, o que está se tornando cada vez mais comum…).

A conta varia aí de uns R$ 800 mil para mais de R$ 2 milhões. Isso quer dizer que, lá na minha casa, meus pais deixaram de usufruir de pelo menos R$ 3,2 milhões para criarem os quatro filhos. Talvez chegando a R$ 8 milhões. E ficam aí perdendo tempo jogando na Mega-Sena, quando o prêmio já está ganho 😉

Um dia talvez eu tenha um filho, para saber se há alguma vantagem no esforço econômico (para não falar do físico, psicológico, biológico etc). Às vezes me pergunto se é tão bom assim como dizem, já que filho traz montanhas de amolações em todas as fases da vida. Mas a quantidade de amigos e parentes grávidos que tive neste ano talvez demonstre que ter filho ainda é pop. E, portanto, deve valer a pena.

Neste dia dos pais, agradeço ao meu pai-herói por ter aberto mão de tantos milhões para me ter, me educar e fazer de tudo para me ver bem e feliz, em esforço compartilhado com a minha mãe.

Se eu tivesse alguns milhões, não pensaria duas vezes para retribuir. Até andei jogando na Mega Sena recentemente, no auge do meu desespero financeiro, e alardeei para os quatro ventos que, se ganhasse, dividiria o prêmio em seis partes e daria igualmente, cada uma, para meus pais e irmãos. (Mas talvez eu devesse refazer a conta e dar metade pros meus pais e dividir o resto com os irmãos…)

Bom, o importante é que não ganhei na Mega Sena, continuo pobre, mas ainda posso dar uma retribuição ao meu pai ao meu jeito, inspirada no moleque abaixo:

(E desejo que meus amigos-papais jamais criem uma criança para ter esse olhar de desdém dessa menina do quadrinho. Que tenham um ótimo dia hoje também, como o que o meu pai vai ter :))