Ir para conteúdo

As capas dos jornais no dia histórico da morte de Fidel

A morte de Fidel Castro levantou todo tipo de análises sobre o passado, o futuro de Cuba, o ódio e o amor que o líder revolucionário sempre despertou. Mas também trouxe para mim a oportunidade de fazer uma das coisas que acho mais divertidas em dias históricos assim (ou no dia seguinte a eles): comparar as capas dos jornais de todo o mundo, quando a única manchete possível já está dada.

São poucos os fatos históricos que se impõem desta maneira, universalmente. Atentados terroristas, terremoto no Haiti, aviões desaparecidos, Bin Laden morto… No Brasil, o impeachment de Dilma foi manchete obrigatória nacional, por exemplo.

A morte de Fidel Castro, por tudo o que ele representa, é manchete obrigatória. E assim foi, em todos os jornais ao redor do planeta: New York Times, Washington Post, El País, Le Monde, Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo etc.

(Curiosamente, os três maiores jornais mineiros acharam outros assuntos mais importantes para manchetar. O “Estado de Minas” achou que Fidel não mereceu nem a dobra de cima da primeira página. Vai entender…)

Seguem abaixo algumas primeiras páginas que encontrei nesta manhãzinha de domingo (27), para você comparar e dizer qual condiz mais com seu pensamento sobre Fidel Castro. Assim que o Newseum abrir as capas de domingo, acrescento outros exemplos nesta galeria:

Este slideshow necessita de JavaScript.

E aí, qual destas capas foi sua favorita e por quê?

Leia também:

faceblogttblog

Categorias

Noticiário

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

5 comentários em “As capas dos jornais no dia histórico da morte de Fidel Deixe um comentário

  1. Gostei do La Stampa, A Revolução sem Fidel. Esse trem andar sem o maquinista vai ser algo a ser observado. Ainda mais com Trump a 40 km de Cuba e o Raul não tem tanta liderança e parece ser mais politico. Pior ainda e olhar que do México ate a Argentina não estava ocorrendo uma renovação de líderes. Agora a pior é a do Correio Braziliense, falta de analise pra fazer a chamada. Fidel já não era presidente a 9 anos e a incerteza esta desde que foi criado o embargo.

    Curtir

    • Ah, e minha chamada favorita foi a do Clarín. O último líder do século 20. Pode-se gostar ou não dele, podem vê-lo como um ditador sanguinário ou um revolucionário que mudou a vida de milhares para melhor, mas isso é um fato: ele foi um líder e é um ícone do século 20. Com sua morte, é como se o século 20 estivesse finalmente terminando. O que é bom ou ruim, sabe-se lá… Tb gostei da chamada do Washington Post 🙂

      Curtir

      • Acho que a imagem do Fidel vai ser mais forte que a do Che (que pra mim foi banalizada com tantas camisas) e do Bolívar. Por isso gostei também do Washington Post. Outra pior foi da Folha, parece que essa chamada estava guardada desde a época que a CIA tentou matar ele rs. Má vontade salta aos olhos ali.

        Curtir

Deixe uma resposta para Cristina Moreno de CastroCancelar Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: