Ir para conteúdo

Triste Japão

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

9 comentários em “Triste Japão Deixe um comentário

  1. Cris, parece que você ficou tão abalada com a tragédia no Japão que não teve palavras para este post. Eu soube dessa situação sempre incerta dos japoneses há uns 30 anos, não pela imprensa, mas pelos livros de James Clavell, principalmente Shõgun, Noble House e Gai-Jin, que fazem parte da chamada Asian Saga, escrita por ele entre 1962 e 1993. Os outros são King Rat, Tai-Pan e Whirlwind, todos com cenário no Japão, menos os dois últimos, respectivamente em Hong Kong e Irã. Dos seis, só li os três primeiros citados aqui e Tai-Pan. A saga começa em 1600, quando o piloto inglês John Blacktorne naufraga na costa japonesa – o país era então fechado para o resto do mundo, com exceção dos jesuítas portugueses – e descobre que ali os europeus eram chamados de bárbaros. Realmente, a civilização japonesa, mesmo nesses tempos medievais do país, era muito mais avançada – por exemplo, tomavam banho diariamente e lavavam a cabeça com xampu, coisa que para os ingleses era altamente não recomendável, pois muito banho podia causar doenças! Taí. Mais uns livros a serem lidos, quando você tiver tempo e disposição para isso. Garanto que vai gostar.

    Curtir

    • Que memória boa a sua, hein, papai! Eu não lembraria de todos esses detalhes nem do meu livro favorito, acho. Tenho a impressão que nunca li nenhum livro sobre o Japão, ou que se passa nele, taí porque é um dos países mais misteriosos para mim. Da China já li vários, de autoras chinesas… Mas do Japão, nada. Acho que só um sobre o teatro de bonecos deles, quando ainda estava no colégio…
      bjos

      Curtir

  2. Qual memória qual nada, Cris, embora eu esteja tomando injeções de vitamina B 12 receitadas por um médico. Os resquícios de memória dos livros foram despertados primeiro pelas cenas do terremoto e, em seguida, reavivados pelo velho e bom Google… Mas as recordações dos textos daqueles livros, embora venham se perdendo nas brumas do tempo (eta!), ainda são muitas. Uma delas, a cena de um terremoto, do qual o piloto inglês se salva por pouco. Muitos dos que estavam com ele foram engolidos pela terra que se abriu de repente. Outro personagem, em Tai-Pan, teve sua bela casa, recém-construída, levada por um tsunami – e ele com ela…

    Curtir

  3. Seu post está perfeito, como sempre, Cristina. Trista sim, surrado também, pelo homem e pela natureza. Mas que não esmorece jamais. Paradoxalmente, o japonês se dobra em gentilezas, para prestar vênias em seus cumprimentos, jamais ante os destemperos.
    Abraços.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: