Enquete para as mães: como foi o parto de vocês?

Astaffolani/ Wikimedia Common

Astaffolani/ Wikimedia Common

Dia desses li um post que a Paola Carvalho, de quem falei ontem, escreveu em seu blog. Lá ela contava como foi seu parto normal e a opção que fez pela equipe plantonista do hospital Mater Dei, em Belo Horizonte.

Esse post aguçou uma dúvida que venho carregando desde os primeiros meses de gestação: é fundamental eu contar com a presença da minha médica obstetra, que me acompanhou durante todo o pré-natal, na hora do parto?

A princípio, acho que esta é a vontade de toda grávida: ter alguém que já conhece, em quem confia e que supõe-se que também conhece bem seu histórico médico, para garantir o parto mais seguro possível para a mãe e o nascimento mais tranquilo possível para o bebê. Acontece que 99% dos médicos cobram uma taxa extra para garantir essa disponibilidade na hora do parto, fora o que já pagamos pelos planos de saúde — taxa esta que é alvo de polêmica há décadas, tem parecer favorável do Conselho Federal de Medicina, mas é considerada ilegal pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, por órgãos de defesa do consumidor e pelo Ministério Público Federal.

As entidades médicas argumentam que todo hospital conta com uma equipe plantonista para assegurar o direito de ter o parto realizado pelo plano, conforme manda a cobertura. Mas que, para ter o parto acompanhado pelo médico específico, os pais deveriam pagar honorários à parte a esse profissional, que não são ilegais ou antiéticos. Os órgãos reguladores e fiscalizadores dizem que a cobrança extra é proibida por lei e que, se o médico atende naquele plano de saúde, ele tem que estar disponível de toda forma.

Enfim, sem entrar no mérito de haver ou não corrupção nessa cobrança, já que isso ainda é polêmico, o fato é que passei os últimos oito meses pensando se é melhor pagar para tentar garantir o melhor parto possível ou não. O que nos leva a outra questão: ter o parto com uma equipe plantonista (seja de hospital público ou particular) é pior? É menos seguro? Corre-se o risco de cairmos nas mãos de um médico muito inexperiente, por exemplo? Eu já tive que ir a um pronto socorro de maternidade duas vezes durante esta gestação: na primeira, fui atendida por uma médica excelente, na segunda, por um médico que nem sequer fez os exames básicos e achei muito relapso, o que reforçou minha dúvida.

Por isso, eu queria ouvir das mães que me leem neste blog como foi a opção delas e se acharam que valeu a pena. Pagaram pelo parto para que ele fosse feito pelo médico do pré-natal ou preferiram fazer o parto com um plantonista? Quais foram os prós e contras dessas decisões?

Depois que eu receber a ajuda de vocês, que vai ser muito útil para que eu possa me decidir, vou também compartilhar essas experiências em um novo post, na esperança de ajudar outras grávidas que estejam na mesma sinuca que eu 🙂

Por isso, agradeço desde já se você topar dividir sua experiência comigo! 😀

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

Defesa desleal do mercado para médicos brasileiros

Charge do Lute para o jornal "Hoje em Dia" de  25.8.2013.

Charge do Lute para o jornal “Hoje em Dia” de 25.8.2013.

Texto escrito por José de Souza Castro:

Os brasileiros têm assistido nos últimos dias grande batalha entre o Ministério da Saúde e os Conselhos de Medicina. O primeiro parece defender o direito à saúde, explicitado na Constituição de 1988, mesmo que esteja de olho nas eleições de 2014 como alegam os que a ele se opõem; o segundo parece mais atento, salvo melhor juízo, à reserva de mercado para meio milhão de médicos brasileiros, se tanto, num país de quase 200 milhões de habitantes.

Depois das tentativas de demonstrar que há médicos em número suficiente no Brasil, o Conselho Federal de Medicina, que nos últimos anos vinha se destacando no combate à abertura de novas escolas de medicina, parece ter-se retraído, abatido pelos números impressionantes de falta de médicos nos municípios e regiões mais pobres divulgados pelo governo. O alarido maior agora vem dos Conselhos Regionais de Medicina. No último sábado, o correspondente da Agência Folha em Minas, Paulo Peixoto, publicou na “Folha de S. Paulo” o seguinte:

“Em tom de ameaça, representantes regionais da classe médica rotularam ontem de ‘ilegal’ a atuação de profissionais cubanos no Brasil por meio do programa Mais Médicos e prometeram acionar a polícia quando eles começarem a trabalhar no país.

Presidentes de CRMs (Conselhos Regionais de Medicina) também chamaram o programa de ‘afronta’ e disseram que eventuais erros cometidos por cubanos não serão corrigidos por brasileiros”.

O ministro da Saúde, de acordo com a Agência Estado, repudiou veementemente a declaração do presidente do Conselho Regional de Medicina de Minas, João Batista Gomes Soares, que aconselhou médicos brasileiros a não socorrerem erros que venham a ser cometidos por colegas cubanos no programa Mais Médicos. “Não sei em qual juramento ele se baseou para fazer essa declaração. É omissão de socorro e é afronta ao código de ética médica. Nenhum profissional pode se negar a atender ou socorrer qualquer brasileiro ou brasileira”, disse o ministro Alexandre Padilha.

E acrescentou:

“Não admitimos qualquer incitação ao preconceito ou à xenofobia. Temos de receber de braços abertos os médicos e médicas que aceitaram convite do governo brasileiro, muitos deles colocando dinheiro em segundo plano”.

No texto de Peixoto, chamou atenção essa declaração de outro presidente de CRM, o do Maranhão, Estado que tem um dos piores atendimentos de saúde do país: “Não vamos dar registro para médico estrangeiro só porque a Dilma, o Padilha e o Mercadante, a tríade do mal no Brasil, estão mandando”. [O presidente desse Conselho Regional de Medicina chama-se Abdon Murad Neto.] E esta outra, do presidente do CRM do Paraná, Alexandre Bley: “É lei [o Revalida]. Não importa se o médico veio no colo do ministro ou da Dilma. É exercício ilegal da profissão, e isso é caso de polícia”.

Será? Mas não é lei, também, a Medida Provisória que liberou tais médicos – nesse caso específico – do exame de validação de diplomas para formados em escolas de medicina estrangeiras? O Revalida, pelo que se alega, tem servido de barreira quase intransponível para que médicos estrangeiros possam trabalhar no Brasil. Não sei quanto à sua dificuldade, pois nada entendo de medicina, mas bem que gostaria de ver quantos dirigentes do CFM e dos CRMs seriam aprovados num exame desses.

O que parece claro para mim é a defesa intransigente de um mercado, à custa de uma população sofrida. Sem dúvida, é atitude legítima de entidades de classe querer valorizar a profissão, mas não à custa de um povo e de outros profissionais. E muito menos sob o pretexto de estar defendendo a saúde dos brasileiros.

Um pretexto que não colou quando quiseram derrubar os vetos da presidente Dilma Rousseff à Lei do Ato Médico aprovado pelo Congresso Nacional. A manutenção dos vetos era defendida por 13 categorias não médicas, entre elas, psicólogos e enfermeiros. Os vetos foram mantidos pela maioria dos 458 deputados e 70 senadores que participaram da votação, há seis dias. “Com os vetos, prova-se possível que a atividade dos médicos seja regulamentada, sem que isso interfira de forma perniciosa na atuação de outros profissionais que se orgulham por participar da construção diária de uma saúde multiprofissional”, comemorou o Conselho Federal de Psicologia, que congrega 235 mil profissionais. Para o presidente do Conselho Federal de Enfermagem, Osvaldo Albuquerque, “os parlamentares tomaram o remédio da lógica e da razão”.

Enquanto os Conselhos de Medicina não fizerem o mesmo, veremos esse assunto tomando o tempo de juízes. Já se tentou no Supremo Tribunal Federal a declaração de inconstitucionalidade do programa Mais Médicos. Outras ações estão previstas. A cada ação deve corresponder uma reação. Como ocorreu, há um ano, quando o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) quis proibir o trabalho de parteiras e a realização de partos, mesmo feito por médicos, fora dos hospitais.

Essa defesa da profissão de médicos – reforçada, no caso, pela defesa dos hospitais – se vingasse, poderia impedir o trabalho de uma profissão tradicional no Brasil, reconhecida pelo Ministério da Saúde e regulamentada pela lei nº 7.498/86. A proibição foi derrubada pela 2ª Vara Federal do Rio, em ação proposta pelo Conselho Regional de Enfermagem. Segundo o juiz Gustavo Arruda Macedo, as resoluções 265 e 266 do Cremerj são incompatíveis com as normas federais e inviabilizam o exercício da atividade de parteiras, “porquanto ao mesmo tempo em que proíbem a atuação de médicos em partos domiciliares, com exceção das situações de emergência, também vedam a participação das aludidas profissionais em partos hospitalares”.

As resoluções do Cremerj eram pioneiras e, certamente, seriam acompanhadas por outros Conselhos Regionais, se subsistissem.

A mim, sobram motivos pessoais para defender essa categoria visada, pois eu e a maioria dos meus 11 irmãos – inclusive o que é médico – nascemos aos cuidados de uma parteira, numa área rural do interior de Minas. Infelizmente, não sei o nome dela, ao contrário de Alair Martins, o fundador do Grupo Martins, de Uberlândia, cuja biografia foi escrita por dois professores da Fundação Dom Cabral e está sendo lançada pela Campus/Elsevier. A parteira que foi à fazenda Córrego da Gordura, onde ele nasceu em fevereiro de 1934, era conhecida como Sá Marica. Feliz com mais um parto bem-sucedido, ela teria profetizado ao pai de Alair, seu Jerônimo: “Olha, esse menino vai ter muita sorte.”

É o que queremos para todos os brasileiros, principalmente para os que tiverem a sorte de serem atendidos por médicos, qualquer que seja a sua nacionalidade.

Infográfico da "Folha de S.Paulo" muito antes do imbróglio atual.

Infográfico da “Folha de S.Paulo” muito antes do imbróglio atual.

Leia também:

A questão do aborto

Desenho do gênio Laerte, na "Folha" de hoje. E isso é só o que vou falar sobre essa Comissão de Direitos Humanos aqui no blog, porque o pastor Feliciano (quem mesmo?) está gostando demais dos holofotes que vem recebendo nos últimos dias.

Desenho do gênio Laerte, na “Folha” de hoje. E isso é só o que vou falar sobre essa Comissão de Direitos Humanos aqui no blog, porque o pastor Feliciano (quem mesmo?) está gostando demais dos holofotes que vem recebendo nos últimos dias.

Se até o chefe de uma das igrejas mais retrógradas do mundo defende o aborto pela questão de saúde pública (além de ter outras posições “progressistas”, no meio religioso, como a defesa dos métodos contraceptivos e de proteção a DSTs, como a camisinha), talvez a Igreja Católica devesse começar a pensar em rever seus conceitos, finalmente.

Aproveitando o fato de o Conselho Federal de Medicina ter vindo a público defender o aborto até a 12ª semana de gestação, resolvi trazer o tema aqui para o blog, muito bem abordado por um dos editoriais do meu pai. Um trecho:

“E a Igreja Católica que condena o aborto – e nega à mulher o direito ao sacerdócio – demorou muito a apoiar a luta contra a escravidão de negros no Brasil. E se omitiu quando os nativos da América Central e das Antilhas foram massacrados, na maioria, pelos recém-chegados espanhóis. Em todas essas ocasiões, ela se amparava em questões morais que depois, com o avanço da civilização, tiveram que ser revistas. Chegou a hora de fazer o mesmo em relação ao aborto.”

O editorial pode ser lido na íntegra AQUI.

Não se defende o aborto em todas as situações. E é claro que o mundo ideal é aquele em que todas as mulheres têm condições de cuidar de seus bebês, que toda a vida seja preservada. Nada é mais lindo que ver um bebezinho saudável, numa família feliz. Mas o fato é que muitos bebês surgem de estupros, da miséria, da ignorância, do abuso e da porrada — não da felicidade e do amor dos nossos sonhos de classe média. E outro fato é que 1 milhão de mulheres abortam (ou tentam abortar) a cada ano, só no Brasil. E, para fazerem isso, apelam para as piores práticas do mundo (já ouvi até sobre tesouras sendo enfiadas no útero; daí para pior). Não sei o percentual das que morrem, mas suponho que seja alto.

Então essa discussão vale como um outro ponto de vista do que é “defesa da vida”.

Deixo aí para nossa reflexão e os comentários de vocês — com o respeito para as divergências 😉