Ivete Sangalo, a “cidadã mineira”

EI, VOCÊ AÍ! Me dá seu voto aí, me dá seu voto aí!

Texto de José de Souza Castro:

Ivete Sangalo confirma hoje em sua página no Twitter – com mais de 4 milhões de seguidores – que vai receber neste mês o título de Cidadã Honorária de Minas Gerais. Diz ainda que neste sábado fará show em Juiz de Fora, terra do deputado estadual Bruno Siqueira (PMDB), autor da lei que concede o título à cantora e compositora baiana.

“Estou muito honrada de ser homenageada por esse estado tão lindo”, escreveu Ivete, que, com Minas Gerais, até hoje, só tem uma forte ligação: o dinheiro. Sim, o dinheiro que leva para a Bahia em cada show que faz aqui. O mais recente, dia 9 de outubro, foi em São João Del Rei, terra do avô do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que dizem ser amigo da cantora.

Além do dinheiro, teríamos então outra ligação dela com Minas, embora digam que Aécio é mais carioca que mineiro. Uma busca na Internet revela (na Wikipedia) que Ivete Sangalo, como vocalista da Banda Eva, entre 1993 e 1998, vendeu mais de 3,78 milhões de discos. Na carreira solo, iniciada em 1999, vendeu mais de 12 milhões de cópias.

Será que é possível converter esses milhões em votos?

Pois não é a carreira musical que faz de Ivete uma mineira. Ela tem em seu acervo quase três dezenas de DVDs gravados. Mas só descobri uma música mineira cantada por ela, em gravações: “O Sal da Terra”, de Beto Guedes e Ronaldo Bastos. Foi em 2001, quando o grupo carioca Roupa Nova lançou um álbum em homenagem a compositores mineiros. Ivete Sangalo teve uma participação especial naquela música, que foi cantada por Paulinho.

Muito pouco, para quem nasceu em 1972 em Juazeiro e começou a carreira bem jovem, para merecer o título de cidadã mineira. Ela parece não ter se recuperado ainda da surpresa, pois escreveu hoje no Twitter: “Serei cidadã mineiraaaaaaaa”. E prometeu: “E aí vou brindar muito no dia 22 de outubro em cima do palco, fazendo um super show pra vcs.”

A artista tem motivos para comemorar esse tipo de homenagem. Se bem não faz, também não faz mal. E pode até faturar mais um pouco com esse show. Mas nem todos concordam com o título, que deveria ter sido entregue em julho passado, mas teve que ser adiado por causa da greve dos professores. Entre eles, uma mineira chamada Conceição Lemos, que publicou artigo no blog Viomundo, criticando a homenagem à cantora:

“Só rindo para não chorar. Para os professores mineiros, tropa de choque, espiões, gás lacrimogêneo, cassetetes e balas de borracha. Já para a Ivete, uma das musas do “Cansei”, a guarda de honra do governador e tapete vermelho.”

Voltando à Internet, só encontrei outro título de cidadã honorária entregue por outro estado a Ivete Sangalo: Pernambuco, terra natal de dona Maria, a mãe dela. Foi entregue em 2001, época em que nosso estado era governado por um mineiro nascido em mares baianos, Itamar Franco. Será por que ele não pensou em prestar a mesma homenagem à cantora baiana famosa? Terá faltado a Itamar a esperteza política do governador Antonio Anastasia Neves? Ou terá sido ele o esperto?

Como saber quantos votos alguém ganha quando dá um título desse a Ivete Sangalo? Pelo jeito, Aécio Anastasia Neves, que quer ser candidato à Presidência da República, acha que tem muito a ganhar. Ah, será onde estará ele no dia em que Ivete Sangalo receber o título? Em Brasília, certamente não.

Anúncios

Vídeos do show do Eric Clapton em São Paulo

Como prometido, coloco todos os vídeos que fiz do show de Eric Clapton (bem, todos não, porque em Layla só dava para ouvir meus gritos, então tive que tirar, apesar de ter sido um dos pontos altos do show).

Na verdade, a maioria dos vídeos só têm trechos das músicas, porque eu não estava com muita memória disponível pra gravar na câmera. Até tive que apelar pro celular no fim. Mas já serviu pra relembrar alguns momentos ótimos. Sem muita qualidade na imagem, mas com bastante no show (como foi para mim, lá no Morumbi).

(Com o tempo, a gente esquece a frustração pela falta de energia no show e só fica na nossa cabeça a beleza musical. Quem sabe um dia eu realoque o Clapton entre os top 3 da minha vida de novo? 😉 )

Enfim, chega de churumelas, bora pro rock e blues!

Solo em Hoochie Coochie Man (reparem na gente criticando o povo sentado em pleno solo da música mais clássica do século):

Trecho de Lay Down Sally:

Trecho da excelente Drifting Blues (na base do banquinho e violão):

Outra ótima, Nobody Knows You When You’re Down And Out (não sei por que minha câmera não conseguia reter o foco nem a pau!):

Trecho de Old Love:

Mais um solo lindo:

Uma jóia do CD novo, When Somebody Thinks You’re Wonderful (tive que mudar pra câmera do celular e, se antes já não dava pra ver nada, agora são só luzes. Mas o importante é ouvir):

Before you Accuse Me (com minha voz também, mas menos gritada que em Layla):

As duas últimas antes do bis: Little Queen of Spades (trecho) e Cocaine (inteira):

A única tocada no bis, Crossroads:

Teve algumas que não gravei, como Wonderful Tonight, e a abertura com Key to the Highway, mas o  show todo só teve 1h40, e todas as músicas tiveram belos solos, então só tem umas seis músicas de fora aqui.

Leia também: minha crítica ao show do Clapton (acabei de ler a do JT e descobri que o crítico de lá, que não está assinado, teve impressões IDÊNTICAS às minhas. Será que ele também viu o show da arquibancada azul? Ou escreveu depois de ler meu blog? Brincadeirinha, viu? 😀 )