O fim do Ministério da Cultura no Teatro dos Vampiros

Montagem sobre foto do presidente interino Michel Temer, que circula na internet.

Montagem sobre foto do presidente interino Michel Temer, que circula na internet.

Texto escrito por Beto Trajano:

Em 2007, ano em que me formei em jornalismo, estava eu no meu primeiro dia de “folga” após decidir lagar um emprego, quando fui abordado no centro comercial do Estrela Dalva, em Belo Horizonte, pelo amigo Romeu Sabará, que me fez uma proposta de trabalho.  Seria responsável pela comunicação em um Ponto de Cultura do Ministério da Cultura, o MinC. Topei a empreitada, e na semana seguinte comecei a trabalhar.

Ponto de Cultura foi um projeto implantando enquanto Gilberto Gil era ministro da Cultura, durante o governo Lula. Existiam “pontos” espalhados por todo o país, cada qual com atividades relacionadas à difusão de cultura. Fui trabalhar com capacitação de professores de escolas públicas no Instituto Cidadania Educação e Cultura, sob a supervisão do Romeu.

Fiz site, organizei palestras, elaborei apresentações, apostilas e documentos – toda a comunicação e a logística tecnológica estavam sob minha responsabilidade. Mas a maior experiência que tive foi participar de um evento: o Teia 2007, realizado em Belo Horizonte, um encontro nacional dos Pontos de Cultura.

Foi uma semana intensa. Uma overdose de cultura, gente de todo o Brasil estava concentrada na minha cidade.

Já jornalista, tive a total liberdade para escolher a minha forma de trabalho durante o evento. Resolvi falar sobre a cultura de rua, urbana: grafite, música, artesanato, artes plásticas, ciganos e os movimentos sociais presentes.

Levei meus irmãos e amigos para participar do encontro, realizado em vários locais de Beagá, como a Casa do Conde, hoje Funarte, e o Palácio das Artes. Nesses dias do Teia, sob a tutela de grandes figuras, como o ministro Gil e Jorge Mautner, produzi este documentário: Continuar lendo

Anúncios