Com gabinete de homens brancos, Temer lança o Brasil nos braços dos EUA

Charge do Bennet publicada pela "Folha de S.Paulo" em 13.5.2016

Charge do Bennet publicada pela “Folha de S.Paulo” em 13.5.2016

 

Texto escrito por José de Souza Castro:

O novo ministério nomeado por Temer, com 23 homens, todos brancos, é um retorno à era de Ernesto Geisel (1974-1979), o último governante do país — um ditador — a escolher apenas ministros homens. Depois dele, até Figueiredo nomeou uma ministra, Esther de Figueiredo Ferraz, que ocupou a pasta da Educação.

Eu diria que a maior novidade na opção machista de gênero feita por Michel Temer é que ela ocorre quando, pela segunda vez, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil é uma mulher, Liliana Ayalde, e outra, Hillary Clinton, pode vir a ser no ano que vem a presidente norte-americana. Hillary era secretária de Estado e veio à posse de Dilma Rousseff, em janeiro de 2010.

No entanto, o desprestígio das mulheres no Gabinete Temer não deverá ofuscar seu prestígio junto à Casa Branca. No mesmo dia em que o Senado afastou a primeira mulher na presidência da República, Dilma Rousseff, o presidente norte-americano, Barack Obama – o primeiro negro a assumir o cargo na história dos Estados Unidos – declarou que o processo de impeachment foi legal.

Obama foi tão ágil em reconhecer o belo trabalho feito por sua embaixadora no Brasil quanto o presidente Lyndon B. Johnson, em 1964, ao declarar a legitimidade do governo nascido do golpe militar que teve ajuda inestimável do então embaixador Lincoln Gordon.

É verdade que Ayalde, que antes havia preparado um golpe semelhante no Paraguai, ensinando como é possível afastar governos indesejáveis aos Estados Unidos sem recorrer às armas, agiu bem mais discretamente que Gordon Continuar lendo

Anúncios