…e outro pra não ver

Não veja no cinema: TÃO FORTE E TÃO PERTO (Extremely Loud & Incredibly Close)

Nota 3

Há tempos eu não via um filme tão ruim.

A história, que tinha tudo para ser boa, se perde num vazio.

Temos que ouvir milhares de vezes os recados deixados pelo pai do garoto, morto no World Trade Center, na secretária eletrônica.

E aí ele acha uma chave e cisma que ela vai levar a uma mensagem secreta que seu pai deixou para ele.

Isso dá sentido a sua vida e propicia seu luto.

Daí ele corre atrás da origem da chave — e encontra uma porção de personagens que são clichês ambulantes.

E, no fim… outro clichê. E você termina o filme pensando: “E daí?” Porque paguei imensos e cada dia mais absurdos R$ 22 para assistir a esse filme no cinema?

Não vale a pena nem fazer a crítica dele (eu geralmente só escrevo aqui sobre os filmes que valem a pena assistir, né? Por exemplo, não escrevi sobre o parto que é “A Árvore da Vida”), mas fica como dica para que não percam seu precioso tempo e dinheiro e vão assistir, no lugar, o ótimo “A Invenção de Hugo Cabret” ou “Histórias Cruzadas” ou “O Artista” ou tantos outros da minha listinha de filmes promissores (como “O Homem que Mudou o Jogo”, “Albert Nobbs”, “Sete Dias com Marilyn”, “A Separação” etc).

Anúncios