Ir para conteúdo

E o patrimônio de Aécio Neves?

Texto de José de Souza Castro:

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, não terá dificuldades para se livrar da representação do Bloco Minas Sem Censura, feita dia 30 de maio de 2011, contra o senador Aécio Neves e a irmã dele, Andrea. Três deputados estaduais mineiros integrantes desse bloco pedem que sejam apurados “fortes  indícios de sonegação fiscal, ocultação de patrimônio e crime eleitoral”. Gurgel pode dar um “control c control v” no arquivo do caso Palocci, trocando apenas alguns nomes – e tudo bem.

Não será, certamente, incomodado pela chamada grande imprensa, que ignorou olimpicamente a representação dos deputados Rogério Correia, do PT, e Antônio Júlio de Faria e Sávio de Souza Cruz, do PMDB. Nada que se compare, nem de longe, ao comportamento da imprensa quando o representado era Palocci.

Do mesmo modo que não viu motivos para investigar o então ministro da Casa Civil, o procurador-geral não o verá em relação aos netos de Tancredo Neves. Ele pode fazer como sugerido algumas linhas acima ou simplesmente ignorar o pedido de quem ainda pensa que é possível ter, em Minas, uma imprensa sem censura.

O senador Aécio Neves e sua poderosa irmã não serão chamados, a sério, a dar explicações sobre como ficaram ricos, apesar da repercussão da denúncia em blogs. Pelo menos, enquanto rádios, tevês e jornais não se ocuparem do assunto…

O cerne da denúncia é este: Aécio Neves ocupou cargos públicos desde os 18 anos, começando como secretário particular do governador Tancredo Neves, seu avô. Entre janeiro de 2003 e abril de 2010, como governador do Estado, teve remuneração bruta de 10.500 reais por mês. Mas nesse período fez 11 viagens ao Exterior, às suas próprias custas. Mantém duas residências, no Rio e em Belo Horizonte, e um estilo de vida bem acima de seus ganhos declarados. E mesmo assim, em dezembro do ano passado, se tornou dono da Rádio Arco-Íris, avaliada em R$ 15 milhões, conforme a representação feita pelos três deputados mineiros.

Segundo a representação, Aécio Neves “omite a realidade sobre o seu patrimônio e as suas rendas: a versão entregue à Justiça Eleitoral e à Receita Federal difere, em muito, daquela que suporta os seus elevados gastos e estilo de vida. Enquanto a primeira aponta um cidadão de pouco patrimônio, com rendas de servidor público, a real é a que lhe proporciona viagens constantes ao exterior, utilização de veículos de luxo, refeições e hospedagens em points do jet set nacional e internacional e a utilização de jatinhos particulares para o seu deslocamento.”

O total do patrimônio declarado ao Tribunal Regional Eleitoral em 2010, quando se lançou candidato ao senado pelo PSDB foi de R$ 617.938,42. Em relação à declaração feita em 2006, houve redução nominal de cerca de 20%.

É bem verdade, acrescenta a representação, que Aécio Neves declarou em seu patrimônio a participação societária nas empresas NC Participações Ltda., no valor de R$ 9.819,00 e da IM Participações e Administração Ltda., de R$ 95.179,12. A IM tem sede na residência de sua mãe, Inês Maria Neves de Faria, viúva do banqueiro Gilberto Faria. Ao patrimônio da IM foi incorporada a Rádio Arco-Iris Ltda. Com a alteração do contrato social, em dezembro passado, o valor da participação de Aécio caiu para R$ 14.153,00.

Diante disso, indagam os deputados em sua representação ao procurador-geral da República:

“Mas seria o rendimento auferido pelo primeiro representado [Aécio Neves] por sua participação acionária  nestas empresas que suportariam todas as elevadas despesas de seu estilo de vida ostentoso ou, a exemplo do que acontece comprovadamente com a empresa Rádio Arco-Iris, o primeiro representado utiliza-se diretamente de recursos ou de patrimônio destas e de outras pessoas jurídicas para fazer frente aos seus gastos faraônicos?”

Acrescentam Rogério Correia, Antônio Júlio e Sávio Souza Cruz:

“Mesmo que fosse fruto de sucessão familiar, tais rendimentos deveriam constar de seu imposto de renda, mesmo considerando que originalmente a família do primeiro e do segundo representado não possuem volume de patrimônio considerável. Pelo que se observa do site do TJMG, o patrimônio declarado do espólio do genitor do primeiro e da segunda representada, que ainda não foi partilhado, não monta a R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais), também insuficientes para fazer face ao estilo de vida do representado.”

O que eles querem é que Roberto Gurgel mande investigar se a riqueza ostentada pelo senador Aécio Neves é “fruto de ocultação de patrimônio, de fraude fiscal ou de ambos”.  Tenho certeza de que nosso ilustre senador, em quem não votei jamais, não terá qualquer dificuldade, ao contrário de Palocci, para dar as devidas explicações. Vou esperar – sentado!

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

4 comentários em “E o patrimônio de Aécio Neves? Deixe um comentário

  1. Cris, esse caso aí é mais grave e envolve também outra denúncia, desta vez ao Ministério Público Mineiro, feita pelos mesmos deputados há seis dias e também ignorada pela imprensa. A notícia completa está no site http://www.minassemcensura.com.br/conteudo.php?MENU=3&LISTA=detalhe&ID=65 . Transcrevo o início:
    “Em encontro oficial com o procurador-geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, Alceu José Torres Marques, nessa quinta-feira, 5, os líderes do bloco “Minas sem Censura”, deputado Rogério Correia (PT), e da Minoria, deputado Antônio Júlio (PMDB), acompanhados dos deputados Sávio Sousa Cruz (PMDB) e Paulo Lamac (PT), formalizaram denúncia de improbidade administrativa à Procuradoria Geral de Justiça de MG, referente ao caso da Rádio-Arco Iris (Jovem Pan em Minas Gerais), pertencente à família da presidente do SERVAS, senhora Andreia Neves e seu irmão, senador Aécio Neves (PSDB).
    Na oportunidade, os deputados expuseram todo o escândalo envolvendo a Rádio Arco Iris, que se iniciou após divulgado pela imprensa que a Land Rouver dirigida pelo senador Aécio Neves, ao ser parada em blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro, não pertencia ao tucano, e sim à Rádio. Mesmo com a carteira vencida e se negando a fazer o teste do bafômetro, o senador e seu veículo foram liberados
    Ao apurar a estranha situação, o bloco “Minas sem Censura” e a própria imprensa descobriam que a rádio pertencia a Aécio, à sua irmã Andreia Neves e à mãe Inês. Outros seis veículos de luxo também foram declarados em nome da empresa de comunicação da família Neves.
    Considerados estranhos os fatos, o bloco de oposição continuou a investigar a rádio Arco-Iris e descobriu, como já noticiado, que a empresa da família Neves recebeu somente em 2010 cerca de R$ 210 mil de publicidade dos cofres públicos mineiros, o que fundamenta improbidade administrativa. O bloco quer informações também sobre o valor total de publicidade com a Arco-Iris durante todo o período do governo Aécio/Anastasia (2003/2011) e nas outras duas empresas de comunicação em nome da presidente do SERVAS: a rádio São João Del Rei S/A e Editora Gazeta de São João Del Rei Ltda.”

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: