O frio dos moradores de rua na visão de dois repórteres

Esta é a Bárbara passando frio, em foto de Daniel de Cerqueira

Esta é a Bárbara passando frio na rua, em foto de Daniel de Cerqueira

Quem acompanha este blog sabe como eu me preocupo em abordar uma questão social antiga e ainda urgente: nossos moradores de rua. Essas pessoas “invisíveis”, que só costumam aparecer nos noticiários quando o frio aperta e elas acabam se tornando as primeiras vítimas da hipotermia.

Listo ao pé deste post, como de costume, alguns textos correlatos que já escrevi sobre o tema.

Mas hoje venho indicar a leitura de uma reportagem feita por outra pessoa, a colega Bárbara Ferreira, repórter do jornal “O Tempo”. Na última quinta-feira, quando cheguei à Redação, às 7h, não encontrei apenas a colega Fernanda Viegas, que costuma “abrir” as portas da empresa junto comigo. Lá estava também a Bárbara, com uma cara de sono danada, e o repórter-fotográfico Daniel de Cerqueira, que a acompanhou na difícil missão de passar a madrugada gélida de Beagá ao lado dos moradores de rua.

Eles descobriram, na prática, que o bom e velho agasalho não é suficiente para cortar o vento frio que tem deixado a sensação térmica na capital mineira em -5ºC durante as madrugadas. Os moradores de rua precisam apelar à pinga e ao crack para tentar se manter aquecidos.

Bom, mas é muito melhor ler o relato sensível da Bárbara (ilustrado pelas imagens capturadas por Daniel) do que meu comentário sobre ele. CLIQUE AQUI e boa reflexão! 😉

Leia também:

Anúncios

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s