Massacre de Orlando: o mundo avançou, mas continua maluco

Charge do Duke no jornal "O Tempo" de 13.6.2016

Charge do Duke no jornal “O Tempo” de 13.6.2016. Clique para ver maior

Texto escrito por José de Souza Castro:

O mundo em geral e o Brasil em particular avançaram muito desde 1973 em muitos aspectos, apesar de recuos recentes, como mostramos aqui, ou não tão recentes, como os longos anos da última ditadura militar que alguns malucos ou mal informados gostariam de ter de volta em nosso país.

O avanço que mais se destaca, no momento, foi provocado pela última tragédia norte-americana, na madrugada de domingo passado, quando um atirador matou 49 pessoas em Orlando, na Flórida, dentro uma boate gay, a Pulse.

Em tempo: o avanço não é o massacre, mas a reação do mundo a ele. Tão ágil quanto o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o presidente brasileiro em exercício, Michel Temer, no próprio domingo, se manifestou deste modo: “Quero lamentar enormemente a tragédia nos Estados Unidos que vitimou dezenas de norte-americanos. Expresso a solidariedade brasileira às famílias das vítimas desse atentado”. Ele não fez qualquer referência à preferência sexual das vítimas.

Bem diferente do que se viu, em 1973, quando o UpStairs Lounge, bar frequentado por gays, foi atacado por um incendiário em New Orleans, e os políticos e as próprias famílias das vítimas preferiram se calar a respeito.

É o que lembra Liam Stack, do “New York Times”, em artigo publicado na terça-feira e republicado no dia seguinte pela “Folha de S.Paulo”, traduzido por Clara Allain.

Nessa tragédia quase esquecida, não morreram tantas pessoas. Mas quando bombeiros extinguiram o incêndio, encontraram uma pilha de corpos carbonizados. Algumas das pessoas estavam abraçadas. Outras, pressionadas contra as janelas, entre elas o pastor Bill Larson, da igreja Metropolitan Community, que apoiava a comunidade LGBT e acompanhava um grupo de fiéis no UpStairs Lounge, depois do serviço religioso.

A mãe do pastor se recusou a buscar as cinzas dele, “porque ficou envergonhada demais por ter um filho gay”, disse Robert L. Camina, o diretor de um documentário sobre o incêndio. Segundo ele, esse foi apenas um exemplo: “Três outras pessoas nunca chegaram a ser identificadas. Por quê? Alguém deve ter dado pela falta delas.” Conforme o documentarista, o pastor foi um dos muitos que morreram no lugar sem nunca terem revelado sua homossexualidade às famílias.

Não se falava, então, em orgulho gay. As vítimas, abandonadas pelas famílias, foram sepultadas dentro de um saco em túmulos não identificados, num cemitério de indigentes. O prefeito de New Orleans, Moon Landrieu, não cancelou suas férias por causa da tragédia. Quarenta anos mais tarde, a situação era outra: um filho dele, Mitch Landrieu, declarou um dia de luto público pelas vítimas do incêndio no aniversário da matança. A reportagem do “The New York Times” pode ser lida AQUI  ou na tradução AQUI.

O prefeito Mitch sabia, em 2013, que tratar com o respeito devido aos gays rende votos. Como sabem os senadores brasileiros que aprovaram na terça-feira um voto de solidariedade ao povo norte-americano e à comunidade LGBT pelo atentado ocorrido na boate gay em Orlando.

A tragédia em Orlando tem consequências. Uma delas, o reforço ao ataque contra o Estado Islâmico (EI) por causa da perseguição aos gays. Diz a BBC Brasil que, “apenas entre janeiro e julho de 2015, o EI diz ter matado 23 gays em áreas controladas pelo grupo na Síria e no Iraque. Mas ativistas dizem que o número pode ser mais alto.”

Ao longo da história, os gays quase sempre foram perseguidos por motivos religiosos e morais. E muitos ainda os tratam como caso de polícia ou médico/psiquiatra. Não por acaso, em abril do ano passado, um deputado federal, o pastor Marco Feliciano, da Assembleia de Deus, que se diz ex-gay, começou uma campanha em favor da chamada “cura gay”.

Felizmente, aos poucos isso vai caindo no ridículo. Se tivesse nascido hoje e não em 1854, o autor de “O Retrato de Dorian Gray”, Oscar Wilde, não seria condenado a dois anos de prisão com trabalho forçado por sua homossexualidade.

Charge do Duke publicada no jornal "O Tempo" do dia 14.6.2016

Charge do Duke publicada no jornal “O Tempo” do dia 14.6.2016. Clique para ver maior.

Outra possível consequência do massacre de Orlando seria o acirramento do debate, nos Estados Unidos, sobre a venda de armas. A primeira reação, porém, é desanimadora: “O balcão da loja de armas Oak Ridge, em Orlando, na Flórida, estava cheio na manhã desta terça”, constatou o enviado especial da “Folha de S.Paulo”, Marcelo Ninio.

Ou seja, o mundo avançou muito desde 1973, mas continua maluco.

Leia também:

faceblogttblog
Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s