Ir para conteúdo

Cidade vazia

Um dia absolutamente normal, sem nada de espetacular, em São Paulo. (Foto: CMC)

Diz o último Censo que São Paulo tem 11.244.369 filhos-de-deus espremidos.

Daí que a frota de carros é de 7.000.000 e um filho-de-deus não acha por bem dar carona ao outro, então vai um enfileiradinho atrás do outro, em ruas malplanejadas ou seguindo aqueles GPS’s burros que, em vez de serem úteis para criar alternativas nas ruazinhas dos bairros, enviam as pessoas para os mesmos corredores engarrafados de sempre.

Tem também que o transporte público é cheio de defeitos, as linhas do metrô ainda são muito restritas, especialmente nas periferias, e os bairros nobres protestam contra elas como o diabo contra a cruz, vai entender por quê.

(E os bairros não nobres deixam de protestar contra sua ausência, o que agrava o quadro caótico.)

Yes, São Paulo é caos. E olha que só abordei os fatores excesso de gente (sem contar os que moram em cidades próximas e flutuam nesta Terra Cinza ao longo do dia, por diversas razões), trânsito ruim e transporte público ruim. Deixa a enchente, a violência e afins para outro dia, que post bom é post curto (“como” este).

Mas eis que chega dezembro. 5 de dezembro, primeira segunda-feira do mês. E saio do busão interestadual, após as costumeiras oito horas e meia de olhos obstinada e inutilmente fechados. E ando por uma rodoviária estranhamento vazia. E sigo em direção à estação de metrô Tietê e vejo, com estes olhos que a terra há de comer, para trazer mais um clichê ao texto, apenas cinco — juro, CINCO! — pessoas na fila para carregar o cartão do metrô. Na fila para comprar bilhete, que é sempre maior naquela estação, onde chegam mais pessoas do Brasil inteiro a todo momento, não devia ter mais que 20.

Atualizo os seres que só frequentam aeroportos na vida: ali costumam ter, respectivamente, 50 e 80 pessoas nas filas, com boa vontade de minha contagem.

Continuo até o trem e, para minha surpresa, embora fossem 7h da manhã, horário de pico, na linha azul a caminho da Luz e da Sé, consigo entrar de primeira e RESPIRAR lá dentro! Dá até mesmo — pasmem! — para segurar naquelas traves de apoio. E elas FORAM necessárias, porque, se eu caísse, era possível que eu REALMENTE caísse em alguém, e não ficasse entalada praticamente flutuando entre os corpos como já me aconteceu várias vezes naquele horário e naquela estação.

Pego a linha vermelha na Sé, normalmente a mais cheia de todas, e um passageiro SE OFERECE para segurar minha sacola. Entrego a ele, mas ACABA NÃO PRECISANDO, porque na estação seguinte vaga um lugar ao seu lado e eu mesma passo a segurar meus pertences. No Anhangabaú!

Saio do metrô em direção à minha casa e a rua em que moro, que normalmente é barulhenta, movimentadíssima, cheia de carros e pessoas, está deserta. Sem pessoas, sem carros. Silenciosa, às 7h40.

A avenida São João, perto do trabalho, está sem trânsito às 11h. Na volta do trabalho, às 20h30, idem. Tudo menos movimentado, portanto mais silencioso, portanto mais escuro (é o psicológico, minha gente. Tipo eu escutando pior quando tiro os óculos). Mas mais sossegado. Talvez mais perigoso, porque gente é vida, mas também mais pacífico. Mais lento. Mais interiorano. Menos atribulado.

Ok, as crianças entraram de férias, os universitários de um modo geral também, até os alunos da USP devem ter parado. Muitos pais de crianças tiram férias juntos, para viajar com os filhos, sem contar as férias coletivas de empresas interessantes por aí. Mas que é mágico, é. 2 de dezembro: o inferno de sempre, um acidente que agrava tudo muito mais. 5 de dezembro: tcharam!, São Paulo se esvazia, não é mais aquela capital caótica e pulsante de mais de 11 milhões, é a cidadezinha da quermesse na igreja, do cara gritando “Curíntia!” na rua, provavelmente um incrédulo bêbado, do metrô cheio mas não insuportável, das ruas vazias até dos camelôs que vendem DVD pirata a R$ 2 de um filme que nem saiu de cartaz no cinema ainda (fora o que nem estreou).

É a cidade vazia, e ela é tão boa que dezembro merecia um ano inteiro!

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

6 comentários em “Cidade vazia Deixe um comentário

  1. E no domingo, Cris, quando ia levando você para a rodoviária, às dez da noite, o centro de Belo Horizonte estava estranhamente vazio, depois de algumas horas agitadas pelos torcedores do Cruzeiro que cantavam de galo, por causa da goleada de seu time, por 6 a 1, no Atlético.

    Ruas vazias, mas típicas: na nossa frente, em plena Praça 7, coração da cidade, um carro dirigido por um rapaz bêbado, com passageiros provavelmente trêpegos, avançou o sinal da Av. Amazonas. Quase bateu num carro da PM. Os dois carros pararam. Os motoristas olharam-se calados. E os peemes, que deviam estar com saco cheio de trabalhar naquela noite de domingo, seguiram adiante, como se nada diferente tivesse acontecido que pudesse lhes dar um pouco mais de trabalho. (Deve ser uma chateação, levar motorista bêbado à delegacia e fazer ocorrência.)

    De fato, mais normal impossível: o outro carro, pude ver pelo retrovisor, fez conversão proibida à esquerda, pegou a Afonso Pena, no rumo do carro da PM, despreocupadamente. Uma simples cena de rua a enfeitar nosso domingo.

    Curtir

  2. Eu fui para SP duas vezes neste ano e foi tudo tranquilo. Na primeira vez, quando cheguei, nada de trânsito. O motorista da empresa me jurou que, quando fossemos embora, eu ia conhecer o trânsito de SP. Saímos às 18:00 da empresa e chegamos rapidamente no aeroporto. Ele disse que eu não tive sorte (pq, sei lá, minha vida deve ser mto monótona pra eu querer pegar trânsito rs). Na segunda vez, peguei metrô às 7 (acho) e fui sentadinha, os ônibus passaram rápido e acho que só fui em pé no segundo. Até hoje não entendo minha falta de sorte, pois sou doida pra morar em SP e não consigo conhecê-la verdadeiramente rs. Em compensação, acho que BH está só o caos. Ontem gastei cinquenta minutos do Cefet à praça 7, às três da tarde. 0.o. Fora que, pela manhã, nunca nem consigo sair da escadinha do ônibus, dá nem pra subir =/. Qnts vzs por mês vc vem pra cá, Cris? Parece que vc vem sempre =)

    Curtir

    • 1. Dá pra viver em SP praticamente sem conhecer esse caos, Ju. É só morar perto do trabalho, conseguindo ir a pé até lá. Aos finais de semana, quando vamos a outros recantos para divertir, o trânsito, busão e metrô já são bem mais sossegados, de qualquer jeito.

      2. Passei muito perrengue com o trânsito caótico de BH, de não conseguir sair do meu trabalho, no Santo Agostinho, e dirigir até o estágio, na Pampulha, entre as 18h e as 19h; na verdade, mais de uma vez não consegui chegar a tempo nem do jornal das 20h, ao vivo, o que me fazia arrancar os cabelos, ligar chorando pra Redação, querer dar tiros nos outros carros etc. Muito boa a “nova” vida sem carro… (E olha que adoro dirigir, mas congestionamento ninguém merece).

      3. Tento ir uma vez por mês, no máximo a cada um mês e meio. Meu recorde foram dois meses e meio, mas uma vez só, que eu estava meio deprê. E neste ano fui particularmente MUITO: só em dezembro vou 3 vezes! Mas foi atípico, compromissos inadiáveis (como aplicar prova pros futuros trainees ;))

      bjos

      Curtir

  3. Que bom, Cris =). Não sei se com você falavam muito, mas quando eu menciono morar em SP, as pessoas escutam que eu vou, sei lá, cometer suicidio =/. Que bom que não é esse exagero todo (se bem que eu tenho tanta vontade, que o sonho continuaria de qualquer forma). Nossa, do Santo Agostinho até a Pampulha é um pedaço grande, hein? Ainda mais com esse trânsito doido.
    Estou torcendo e acreditando muito que só vou te ver em SP agora, não mais na prova para o programa de treinamento (Já é a minha quarta tentativa. rs)

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: