Ir para conteúdo

Um poema para a chuva (e o caos) de Belo Horizonte

Por Cristina Moreno de Castro

Loja de posto de gasolina foi inundada na avenida Prudente de Morais. Foto: Bruno Menezes / O Tempo

 

A cidade inteira vê seu belo horizonte virar água

Toda, todinha, alagada.

Não só nos bairros de sempre, mas nos restaurantes de luxo do Lourdes,

nos barzinhos da Prudente, nos botecos do Anchieta.

Carros e carrões arrastados pela enxurrada implacável,

com famílias dentro, desesperadas.

Resgates em ruas com nomes de cônsul.

Prédios residenciais, shoppings, bistrôs,

Foto: Ramon Bitencourt / O Tempo

tudo inundado, ilhado, interditado.

Como foi na Tereza Cristina, na Vilarinho

– e lá também, porque como seria diferente?

E na Vila Ideal, na Vila Bernadete,

nas vilas e favelas e morros e comunidades e casas em beiras de córregos

onde morreram (até agora)

cinquenta e três pessoas.

Ao menos 12 crianças e adolescentes mortos.

Um bebê de seis meses.

Anselmo Pereira perdeu a esposa e três filhos. Foto: Fred Magno / O Tempo

Um pai enterrando a esposa e três filhos, de

dez,

nove,

e seis anos.

 

Junto com as chuvas, chovemos lágrimas torrenciais,

recordes de quase 200 milímetros de água descem pelos rostos de quem tem um pingo de sensibilidade.

Formam poças.

E estas poças têm nomes:

aquecimento global e omissão do poder público.

Cidades sem nenhuma área verde, córregos concretados, pessoas vivendo como bichos, penduradas em barrancos.

Omissão do poder público. Por décadas. Séculos.

Repitam comigo:

– Ninguém mora em área de risco porque quer.

Pudessem, todos morariam perto do Diamond.

E mesmo lá veriam as vias alagadas nesta chuva deste janeiro sem trégua.

 

Cinquenta e três mortos.

E contando:

sobe para cinquenta e quatro,

sobe para cinquenta e cinco.

Dezenas de mortos, então.

Com nomes, RGs, histórias, vidas.

E nenhum deles, nenhum deles, tem culpa de nada.

 


P.S. O poema acabou lido pelo jornalista Rodrigo Freitas, âncora do jornal “Super N”, na rádio Super Notícia 91,7 FM, no dia 29 de janeiro. Ouça:

 


Leia também:

  1. Chuva vai além da destruição que vemos no noticiário
  2. Mentira tem perna curta, Prefeitura de BH
  3. De caos e enchetes
  4. Carta a São Pedro
  5. Mais posts com poemas

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Cristina Moreno de Castro Ver tudo

Mineira de Beagá, jornalista, blogueira, poeta, blueseira, atleticana, otimista, aprendendo a ser mãe. Redes: www.facebook.com/blogdakikacastro, twitter.com/kikacastro www.goodreads.com/kikacastro. Mais blog: http://www.otempo.com.br/blogs/19.180341 e http://www.brasilpost.com.br/cristina-moreno-de-castro

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: