Mais humor, por favor

Gentileza

Laurinha cresceu. A ponto de já estar cantando em um palco, cheio de crianças, para um público lotado de um teatro. Atividades rotineiras nas escolinhas e oficinas de férias por aí.

Dentre a multidão do público, uma parcela grande de outras tantas crianças, que foram assistir à performance de irmãozinhos, priminhos e afins.

O clima geral era, portanto, de festa. E festa infantil. Crianças assistindo a crianças, uma algazarra boa, um ou outro bebê soltando gritinhos fora de hora, essas coisas. E, claro, uma porção de pais. Pais e tios e avós, munidos de câmeras para registrar o belo momento de seus filhos, sobrinhos e netos naquele palco.

Fotografias e filmes que serão históricos para todas aquelas famílias. Daqui a 20 anos, quem sabe, Laurinha poderá ser uma cantora profissional. Ou uma pianista. Ou uma juíza, engenheira ou lutadora de judô — ninguém sabe ao certo. Seja como for, adorarei sentar com ela numa sala, família toda reunida, e ver o vídeo da primeira vez em que ela se apresentou num palco, numa atividade artística.

O que me faz lembrar do post de sexta-feira. Lembram do post de sexta-feira? Em que eu falava que as pessoas estão muito ranzinzas, rabugentas, mal-humoradas e impacientes? Que se levam a sério demais? Que falta bom humor no mundo? Pois é.

Como pude me lembrar desse post em meio a um clima festivo como o que acabei de descrever? Simples. Imaginem a cena: um fotógrafo profissional, contratado pela organização do evento, estava com sua câmera filmadora em um tripé, prontinha para filmar o espetáculo, faltando ainda uns dez minutos para começar. Havia nada menos que umas 30 cadeiras vazias atrás dele, mas, apesar disso, a mulher que estava atrás preferiu cutucá-lo e perguntar, rispidamente: “Será que você pode abaixar esta câmera? Está na minha frente!”

Ele nem se deu ao trabalho de responder, mas eu só pensei “Oi?”. O que seria mais razoável: o fotógrafo perder a visão do palco ou a mulher escolher outra dentre as 29 cadeiras que estavam vazias para se sentar?

Já no meio do espetáculo, uma das tias babonas (no caso, minha irmã) tirou o celular para filmar um trechinho da aparição de Laurinha. Lembram da nossa vontade de rever aquele vídeo daqui a 20 anos, reunidos no sofá da sala? Pois é. Não deu. Um cara mal-humorado que estava atrás dela bateu com força em suas costas, no meio da filmagem, e intimou: “ASSIM NÃO CONSIGO VER!” Para constar, vale dizer que ele também tinha cadeiras vazias ao lado, se se sentisse tão incapacitado para virar um pouquinho o rosto durante os dois minutos de filmagem.

O que sei é que um evento festivo, uma festa infantil, tornou-se uma festa de maus exemplos de pais para filhos. Se até nesse lugar, numa tarde de domingo, cercados por crianças risonhas e fofas, essas pessoas conseguiram ser estúpidas, me pergunto como são num engarrafamento, ou na fila do banco.

Mais humor, por favor. E um pouco de gentileza também não faria mal a ninguém.

Mais nova campanha do blog: por mais bom humor e leveza no mundo! Por menos gente séria, ranzinza, politicamente correta e chata! https://kikacastro.com.br/2014/06/27/frase-do-ano/

Mais nova campanha do blog: por mais bom humor e leveza no mundo! Por menos gente séria, ranzinza, politicamente correta e chata! https://kikacastro.com.br/2014/06/27/frase-do-ano/

Leia também:

Anúncios

8 comentários sobre “Mais humor, por favor

  1. Cris, infelizmente se quiser ver mais exemplos de maus exemplos de pais para filhos, vá para a porta de alguma escola, particular de preferência, em que os papais e mamães levam e trazem seus reizinhos pelas mãos…. dá de um tudo: não cumprimentar o porteiro nem os pais ao redor, servir-se do café da secretaria como se não houvesse amanhã, entrar na sala onde a professora está como se ninguém lá houvesse, parar/estacionar na faixa de pedestre, em cima da calçada, no ponto de ônibus, buzinar enlouquecidamente e imediatamente fazer a mesmissima coisa para a qual estava buzinando segundos atrás…

    Curtir

  2. Moro a um quarteirão de uma escola e infelizmente vejo isso de perto, aqui carros parados em fila dupla é pouco, o mais comum são filas triplas, em frente à garagem inclusive. Um dia em que eu disse educadamente a um pai parado em frente a minha garagem que precisava entrar, ele me olhou com cara feia e disse “não dá para esperar um pouco”? A cara de raiva era tão feia que fiquei até com medo de ele me bater, sério.
    Agora, depois de narrar a desenvoltura da sua sobrinha, você deixou seus leitores com vontade de assisti-la cantando 🙂

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s