Estamos ficando velhos

Cassette_Tapes

Olha, tenho só 28 anos.

Mas já tenho 28 anos.

E o “já” vai se tornando cada dia mais forte com o avanço tecnológico velocíssimo dos nossos tempos. Tudo bem, a expectativa de vida está se ampliando também, com os anos. Mas quando vemos uma criança de 4 anos nos dando um banho sobre como usar um iPhone, i-X, smart-não-sei-quê etc, o peso da idade crava nas nossas costas com as garras de um gavião.

Em dois jornais onde trabalhei, passei por mudanças de tecnologia na Redação. Trocaram um software pelo outro, treinaram o povo e as pessoas se adaptaram, mas, num primeiro momento, foi aquele pandemônio, um temor generalizado da mudança. É nosso gavião pendurado nas costas pedindo pras coisas serem como sempre foram.

Eu vivo numa ambiguidade, como esta que abre o post: ao mesmo tempo que aprendo rápido as novas tecnologias e acho que são bem-vindas, sinto uma enorme nostalgia das coisas “de antigamente”. Meu último carro tinha um toca-fitas no lugar do CD, e nem era original: isso já diz muito. Pra não falar que passei anos sem celular, enquanto todos já tinham um, depois passei anos com celular TDMA quando todos já tinham o GSM e, agora, continuo com a internet 2G, num celular comum, quando todos já migraram para o smartphone 3G, e alguns mais afoitos já compraram o 4G mesmo sem sinal compatível na maioria dos lugares. Isso porque sou jornalista e a tecnologia acaba fazendo a diferença no meu dia-a-dia. Mas não sinto que estou “defasada” só por viver como muitos viviam poucos anos antes ou muito melhor do que todos viviam antes ainda. Por isso, não tenho pressa.

Outra ambiguidade é que sinto que estamos cada dia mais apressados e que essas tecnologias trabalham para sempre nos apressarem mais. Mas o ritmo do mundo, da natureza e até do nosso organismo é mais lento. Será que essas tecnologias estão nos ajudando a ter mais qualidade de vida ou mais constantes ansiedade e estresse?

Assim, com todas essas perguntas na cabeça e um gavião encravado nas minhas costas, sinto que ainda sou jovem (às vezes, me vejo ainda como uma criançona), saudável e que tenho muitos anos pela frente, mas ao mesmo tempo velha, nostálgica e defasada. Uma ambiguidade ambulante.

O comercial abaixo, foi feito pelo Itaú já há alguns anos e provavelmente está defasado e velho. Mas, como aborda tecnologias ainda mais distantes, sua mensagem permanece atual. Já o assisti várias vezes e ainda me espanto com o que vejo ali. Hoje, decidi compartilhar minha velhice com vocês:

Posso estar ficando velha, essas crianças podem estar num mundo bem mais fácil, mas confesso que fico na maior tristeza ao ver uma delas reclamar do tamanho do bocal do telefone e outra exclamar: “Já viu CD quadrado?!”

A geração atual está ganhando — e perdendo muito.

Leia também:

Anúncios

12 comentários sobre “Estamos ficando velhos

  1. Oi Kika 🙂

    Me sinto como você, tenho 44 anos e ainda estou aprendendo a viver. Minha alma tem 15 aninhos, rsrsrsrs, e acho que será assim para sempre. Quanto mais velhos ficamos mais cometemos erros e vamos aprendendo com eles e assim por diante, bom deveria ser assim. Mas é só isso que nos torna velhos, as experiências que acumulamos e que dependendo da forma como tratamos o mundo e como ele nos trata, sentimos mais ou menos o peso da idade, enquanto nossa alma continua a mesma, ou se preferir, a nossa essência. Com relação aos pequenos, esses me preocupam, é muita tecnologia, sons e luzes, bombardeando essas cabecinhas. Brinquei muito na rua, hoje isso não é mais possível… Meu filho tem 5 anos, e é verdade, eles tem uma facilidade com o novo, e também muita falta de paciência com os “velhinhos”! Mas sinto que talvez, não nos interessemos tanto por tudo isso, pois esse “novo” não fez parte do nosso passado. Essa nostalgia vai nos acompanhar para sempre… O que me preocupa é, será que com tanta tecnologia eles irão aprender a lidar com as pessoas, a se relacionar, a olhar nos olhos? Isso é o que me incomoda, o número de jovens com depressão aumenta muito. Adorei a mensagem do dia dos pais, e o que quero dizer, é que meu pai também sente falta de hábitos e coisas do passado, vê pouca televisão, adora um jornal, e usa o celular para o básico, mas aperta a mão das pessoas, olha nos olhos e diz, muito prazer Luiz Fosquiani.

    Curtir

    • Eu também tenho esse medo de a velocidade trazida pela alta tecnologia estar deixando as pessoas, além de mais ansiosas e estressadas, mais impacientes. Vejo pela minha sobrinha, que tem a idade do seu filho….
      Mas tomara que a gente esteja errada! Afinal, sempre há os mais velhos para mostrar como as coisas sempre foram, contar histórias e trazer a riqueza do passado, sem a qual não é possível fazer nada com esse futuro enlouquecido.
      Ótimo seu comentário! 🙂
      abraçoss

      Curtir

  2. Oi Kika,
    Seu post sobre a Sasha bombou!!! Não consegui acompanhar, tantos foram os comentários… Por que olhar para fora e falar do outro da mais ibope do que textos que te fazem olhar para dentro?
    “Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta”…. de Carl Jung. Pensei nisso ao ver essa mensagem pintada em um muro aqui em SP, e é verdade pura.

    Curtir

  3. estamos cada dia mais apressados…concordo comvc…mas um dia teremos que parar… e ai será que sabemos como nos virar? (ahahah)
    beijo na buchecha

    ps. pra vc voltar a se inspirar recomendo a musica society do eddie vedder.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s