Serra do Gandarela em alerta

Gandarela42

Meu pai já escreveu sobre a Serra do Gandarela aqui no blog. Hoje ele retoma o texto e a preocupação ambiental no editorial do “Hoje em Dia”:

A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), do Governo de Minas, retomou o licenciamento de empreendimentos de mineração, em áreas próximas ao futuro Parque Nacional da Serra do Gandarela, como se lê neste jornal, na edição de domingo. Por que a pressa, se não se conhece sequer os limites do parque? Se não há pressa, por parte do governo federal, para criar o novo marco regulatório da mineração no Brasil? Se ainda se discute a proposta defendida pelo governo de Minas de novo royalty para a mineração?

Em nenhum momento parece tão acertado o antigo adágio de que a pressa é má conselheira. Podia-se esperar dos dirigentes de um Estado que tão pouco se aproveitou, no passado, de suas riquezas minerais, como ouro e diamantes, para o enriquecimento de sua população, que prestassem mais atenção ao velho adágio, ao tratar dessa questão. Podiam se valer também de uma das frases preferidas de Augusto, o sábio imperador romano: “festina lente” – apressa-te devagar.

A concessão de licença ambiental para a exploração de minério de ferro em qualquer região próxima da capital mineira deve, necessariamente, ser precedida de estudos aprofundados. Com mais de 2,2 milhões de habitantes, Belo Horizonte, ao longo de seus 115 anos de vida – a serem completados nesta quarta-feira – enfrentou sérios problemas de escassez de água. O problema foi resolvido depois de altos investimentos para buscar esse valioso recurso em municípios vizinhos. A ameaça não está afastada, diante do crescimento habitacional. Em outros municípios da Região Metropolitana, a questão é ainda mais séria.

A água foi levada em conta pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), quando apresentou em outubro de 2010 a proposta para a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, para proteger sobretudo os mananciais. Ao justificar sua proposta, o instituto afirmou que, em Caeté, 85% do abastecimento de água provêm do Gandarela e, em Raposos, todo o fornecimento. A mineração provoca rebaixamento do lençol freático e, como agravante do resultado dessa atividade, ela implica uso intensivo de água nos processos de beneficiamento do minério.

Mais do que minério de ferro, a população mundial tem hoje necessidade de água doce, um recurso natural realmente indispensável para a vida. Os mineiros, que não têm conseguido ao longo da história valorizar seu minério, não podem fazer o mesmo com sua água.

Anúncios