A tragédia de Brumadinho, o repórter corajoso e a Vale que não vale

Charge do Duke publicada no jornal “O Tempo” de 27.1.2019

Texto escrito por José de Souza Castro:

A notícia, às vezes, sabe para quem aparece. Nairo Almeri, 69 anos, foi repórter da Companhia Vale do Rio Doce em 1978, depois de perder o emprego no “Jornal do Commércio”, do Rio de Janeiro, quando um diretor descobriu que ele era gaúcho de São Borja e, portanto, com potencial subversivo.

Na sexta-feira última, estava em sua chácara no arraial Córrego do Feijão, cuidando da terrinha. Por vários anos, tinha sido assessor da presidência da Fiemg. Perdeu o emprego recentemente, pois o novo presidente planejava escolher outro assessor.

No começo da tarde, Nairo foi atropelado pela tragédia na Vale, reportada por ele no “Jornal do Brasil”. Nos dias seguintes, permaneceu em Brumadinho acompanhando os trabalhos e escrevendo o que via em seu blog.

Nairo havia chegado à chácara na quarta-feira e planejava voltar na tarde de sexta-feira, depois que a cozinheira Amarina Lourdes deixasse o trabalho no restaurante da Mina do Feijão. Ela cuidava também das duas cachorras do jornalista. Na hora em que costumava ir à chácara, as cachorras foram esperá-la no portão. Não chegou.

Amarina consta da lista dos desaparecidos da Vale.

A pintora Belquiss, casada com Nairo e mãe de seus dois filhos, espera que ele consiga sair da chácara nesta terça-feira, mas sabe como será difícil para ele ficar longe dessa inesperada fonte de notícias.

Inesperada, não! Ele escreveu no dia da tragédia:

“Pessoas do Córrego do Feijão sempre falaram e ouviram falar dos riscos da tragédia. Mas se calaram nas audiências públicas, em troca de emprego próprio”. O Ministério Público, por sua vez, manteve-se sempre silencioso, acompanhado pela Fundação Estadual do Meio Ambiente e pela Copasa.

No dia 5 de novembro passado, Nairo lamentou que fazia três anos desde a tragédia de Mariana, em que 19 pessoas morreram no rompimento da barragem de rejeitos da Samarco, empresa que tem como donas principais a Vale e a multinacional BHP Billiton.

Dezenas de pedidos de indenização se arrastam lentamente na Justiça, “graças às protelações patrocinadas pelo peso econômico exercido pela Vale em Minas e no país”, escreveu Nairo. Segundo ele, isso só mudará quando os atingidos que vêm se comportando como cordeirinhos se valerem da Internet para que a onda de descontentamento chegue aos pregões das principais bolsas de valores do planeta.

Mesmo com os cordeirinhos sem saber ainda o que fazer diante da nova tragédia, ao meio-dia de ontem as ações da Vale caíam perto de 18% na Bovespa, derrubando também o índice Ibovespa, no qual a empresa tem peso de 10,9%.

Pouco antes, em seu blog, Nairo escreveu que a 500 metros de onde estava via-se um novo aviso de tragédia, representado por três barragens irregulares da mineradora MIB, do Grupo Aterpa. Se romperem, sua lama poderia “soterrar metade da área urbana do arraial, de 2 mil habitantes”.

Sai daí, Nairo! Como me disse Belquiss, as barragens ficam bem atrás da chácara. Se romperem, não haverá tempo para fugir. Coitado do velho repórter, que ainda não conseguiu se aposentar pelo INSS, e de suas duas cachorras, que já perderam a tratadora Amarina.

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog

Anúncios

Tragédia em Brumadinho: uma escolha humana

Charge do genial Duke, publicada hoje no jornal “O Tempo”

 

Sem palavras para mais um desastre ambiental em Minas Gerais, pouco mais de 3 anos desde a tragédia em Mariana, agora aqui do ladinho de Beagá, que desta vez deixou cerca de 300 pessoas desaparecidas, republico aqui o poema escrito pelo meu marido, o jornalista Beto Trajano, que participou de toda a cobertura ontem:

ESCOLHA HUMANA

Lama
Que arde
Inflama
Os olhos
As mentes
Os corações
Reclama
A vida
A natureza

Escolha
Humana

Lama
Depravada
Que rasga
Que corta
Transforma
A montanha
Em ferro
E abre
O cofre
Enche
Ganância
Rebate
Na alma
No povo
De minas gerais
Que vive
Em risco
Os rios
Os corpos
Perdidos
De gente
De bicho
De planta
De natureza
Destruída

História
Que se repete
Assassina
Escória
De empresa
Vale
Degola meu povo

Foto de Douglas Magno, repórter-fotográfico do jornal “O Tempo”, que rodou o país.

Leia também:

***

Quer assinar o blog para recebê-lo por email a cada novo post? É gratuito! CLIQUE AQUI e veja como é simples!

faceblogttblog