Show dos Novos Baianos em BH, em fotos e vídeos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Eu ia escrever sobre o showzaço dos Novos Baianos, que aconteceu em Belo Horizonte no último sábado, 10 de setembro. Poderia abordar minha história com a banda, como fiquei conhecendo esse som revolucionário, ouvindo uma fita K7 com gravação justamente do álbum “Acabou Chorare”, a caminho da faculdade. Poderia abordar a alegria que vivi naquele show, pulando como uma doida, cantando bem alto, como não fazia desde o Paul McCartney, em 2013. Poderia falar que foi só a segunda vez que eu e meu marido saímos juntos à noite sem o Luiz, desde que nosso bebê nasceu, há 9 meses. E como a logística para essas escapulidas noturnas tem que ser planejada com antecedência. Mas o que eu queria fazer mesmo era uma resenha desse reencontro histórico entre Pepeu Gomes, Moraes Moreira, Baby do Brasil e Paulinho Boca de Cantor, que não tocavam juntos desde 1979. Queria falar, por exemplo, como é impressionante que esses sexagenários ainda conservem tamanha energia para tocar e cantar e dançar. Como Baby segue com um vozeirão e ainda parecendo uma adolescente. Como Pepeu ainda arrebenta na guitarra. E como esta banda maluquete conseguiu criar tantos hits e todos tão alegres, capazes de levantar um público que tinha pessoas mais jovens que eu e outros com idade para serem meus pais, ou avós.

Mas desisti de escrever este post depois que li o texto do meu amigo José Vítor Camilo, publicado no “O Tempo”. Que é, ao mesmo tempo, o texto de um fã e de um jornalista — mas muito informativo, como deve ser uma resenha. Ele traduziu quase tudo o que eu queria ter escrito, então vocês podem ler o original AQUI.

Só tenho uma coisa a acrescentar, já que estamos em tempos em que a política canta mais alto que a música. Realmente, como escreveu o Zé, “antes de as luzes se apagarem, grande parte das quase 5.000 pessoas mostrou seu descontentamento com o atual presidente da República. Os gritos de “Fora Temer” duraram até os primeiros acordes, quando o tom político e a ansiedade deram lugar a uma grande festa”. Fiz um vídeo de um desses momentos:

Mas ele se esqueceu de registrar que, mesmo com mais gritos de “Fora Temer” durante o show, nenhum dos músicos dos Novos Baianos se posicionou. Eles ignoraram solenemente o apelo de seus fãs para embarcarem no “Fora Temer”. Fomos deixados no vácuo.

Pelo menos não nos ignoraram quando os pedidos eram por músicas de seu vasto e mágico repertório. Meu marido fez vários vídeos do show, mas não estou com tempo para editar todos eles para o blog (quando eu puder, acrescento aqui depois!). Encontrei quatro no YouTube que podem dar um gostinho. Acesse pelos links:

Aí vocês podem ver o grand finale, quando o grupo se despede, do alto da caravan colorida, e a cortina se fecha. Olha que festa!

Você também fez um registro do show? Envie para mim e eu acrescento ao post! 😉

P.S. No mesmo sábado, Marisa Monte se apresentou em Inhotim. Ela é outra que preciso ver algum dia antes de morrer. Mas tive que priorizar este reencontro histórico dos Novos Baianos, já que não dava para eu assistir aos dois…

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

Trilha Sonora – Pra ir entrando no clima da Virada Cultural!

Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

Ontem eu selecionei minhas apresentações favoritas da Virada Cultural 2015 de Belo Horizonte, que acontece neste fim de semana, 12 e 13 de setembro. Criei um cardápio pessoal e compartilhei com todos aqui.

Vocês devem ter reparado que, embora a Virada também conte com várias peças de teatro, oficinas, eventos de gastronomia, exibição de filmes e outras coisas culturais, o que mais me interessou, como sempre, foi a música.

Meu gosto é eclético, então pode agradar a muitos leitores com gostos diferentes: tem blues, jazz, rock, samba, MPB e até uma viola caipira.

De todas as minhas seleções, a única que não se trata apenas de música é a apresentação dos BeHoppers, que são, antes de mais nada, dançarinos — mas guiados por um jazz alegre da melhor qualidade.

Assim, como hoje é sexta, véspera da Virada — e de um fim de semana sem plantão, eba! –, já está na hora de entrarmos no clima. Para isso, separei abaixo algumas faixas, de cada um dos grupos que recomendei ontem, para a gente ir ouvindo e chegarmos bem afiados na hora do show ao vivo 😉 Também é bom pra ajudar os indecisos a se decidirem…

Bom proveito!

Toninho Horta cantando “Manoel, O Audaz”, que compôs com Fernando Brant:

Audergang tocando “Blues for the blues”:

Trechinho do projeto Inéditas, de tributo a Billie Holiday:

Simoninha e Max de Castro, em “Nem Vem que Não Tem”e “Mamãe Passou Açúcar em Mim”:

Frederico Heliodoro toca “Vida Nova Outra Vez”:

Chico Lobo tocando “Caipira”, de sua autoria:

Velha Guarda do Samba de BH:

Banda Take Five tocando Summertime:

Cobra Coral cantando Gatas Extraordinárias:

BeHoppers dançando When You’re Smiling:

Graveola e o Lixo Polifônico toca “Insensatez”:

Otto e Baby do Brasil tocando “Todo Dia Era Dia de Índio” (na Virada Cultural de SP que aconteceu em junho deste ano):

Shello & LoBo Blues Band tocando “My Babe’s Gone” no Uaiktoberfest 2014:

CLIQUE AQUI para acessar a programação completa e montar seu próprio cardápio 😀 E CLIQUE AQUI para baixar o PDF com a programação completa, para acessar mais fácil no seu celular na hora do evento (ou imprimir, se achar melhor).

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!