Dilma escolhe Maiakovski como seu guia no inferno

Dilma em seu pronunciamento nesta quarta-feira, 31 de agosto de 2016. Foto: Lula Marques/ AGPT

Dilma em seu pronunciamento nesta quarta-feira, 31 de agosto de 2016. Foto: Lula Marques/ AGPT

Texto escrito por José de Souza Castro:

Acredito que os que vinham combatendo o golpe contra a democracia, representado pelo impeachment da presidenta da República por 61 votos dos senadores (contra 20) sentiram-se desanimados e tristes nesta quarta-feira, 31 de agosto. Eu fiquei assim, sem qualquer ânimo para escrever neste blog, até ouvir o discurso de Dilma Rousseff, pronunciado depois de ser cassada. “Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes?”, disse ela, citando Maiakovski.

Maiakovski, o grande poeta russo, que completou:

“O mar da história é agitado/ As ameaças e as guerras, haveremos de atravessá-las,/ Rompê-las ao meio,/Cortando-as como uma quilha corta.”

É um discurso histórico, o de Dilma. Por que não tomar conhecimento dele? Se os jornais, rádios e tevês não o divulgarem, certamente o farão os sites na internet, como AQUI.

Para quem não o conhece, é um blog do jornalista Fernando Brito, que foi assessor do governador Leonel Brizola e com ele escrevia na década de 1980 o “Tijolaço”, pelo qual Brizola, que era sabotado pela imprensa carioca, pagava um espaço no “Jornal do Brasil” e depois em “O Globo”, para responder às críticas que eram feitas ao seu governo.

Dilma poderia ter aprendido com Brizola, mas não aprendeu, e deixou a imprensa hegemônica falando sozinha. Deu no que deu. Ela confessa ter cometido erros no governo – confissão explorada intensamente pelos adversários na imprensa – e este, não mencionado, foi um dos seus mais graves erros.

Antes de ver seu discurso, ouvi na televisão um comentarista dizendo que Dilma havia pegado pesado. Talvez ele se referisse a este trecho:

Dilma durante sua defesa no Senado, em 29.8.2016. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Dilma chora durante sua defesa no Senado, em 29.8.2016. Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

“Acabam de derrubar a primeira mulher presidenta do Brasil, sem que haja qualquer justificativa constitucional para este impeachment.

Mas o golpe não foi cometido apenas contra mim e contra o meu partido. Isto foi apenas o começo. O golpe vai atingir indistintamente qualquer organização política progressista e democrática.

O golpe é contra os movimentos sociais e sindicais e contra os que lutam por direitos em todas as suas acepções: direito ao trabalho e à proteção de leis trabalhistas; direito a uma aposentadoria justa; direito à moradia e à terra; direito à educação, à saúde e à cultura; direito aos jovens de protagonizarem sua história; direitos dos negros, dos indígenas, da população LGBT, das mulheres; direito de se manifestar sem ser reprimido.

O golpe é contra o povo e contra a Nação. O golpe é misógino. O golpe é homofóbico. O golpe é racista. É a imposição da cultura da intolerância, do preconceito, da violência.”

Ou talvez a este trecho:

Lula estava presente no pronunciamento que Dilma deu após votação do impeachment. Foto: Lula Marques/ AGPT

Lula estava presente no pronunciamento que Dilma deu após votação do impeachment. Foto: Lula Marques/ AGPT

“Com a aprovação do meu afastamento definitivo, políticos que buscam desesperadamente escapar do braço da Justiça tomarão o poder unidos aos derrotados nas últimas quatro eleições. Não ascendem ao governo pelo voto direto, como eu e Lula fizemos em 2002, 2006, 2010 e 2014. Apropriam-se do poder por meio de um golpe de Estado.

É o segundo golpe de estado que enfrento na vida. O primeiro, o golpe militar, apoiado na truculência das armas, da repressão e da tortura, me atingiu quando era uma jovem militante. O segundo, o golpe parlamentar desfechado hoje por meio de uma farsa jurídica, me derruba do cargo para o qual fui eleita pelo povo.”

Pode ter incomodado o colunista da Globo News também este trecho:

Foto: Lula Marques/ AGPT em 31.8.2016

Foto: Lula Marques/ AGPT em 31.8.2016

“Causa espanto que a maior ação contra a corrupção da nossa história, propiciada por ações desenvolvidas e leis criadas a partir de 2003 e aprofundadas em meu governo, leve justamente ao poder um grupo de corruptos investigados.

O projeto nacional progressista, inclusivo e democrático que represento está sendo interrompido por uma poderosa força conservadora e reacionária, com o apoio de uma imprensa facciosa e venal. Vão capturar as instituições do Estado para colocá-las a serviço do mais radical liberalismo econômico e do retrocesso social.

Ou então, esse posicionamento corajoso da presidenta afastada:

“A descrença e a mágoa que nos atingem em momentos como esse são péssimas conselheiras. Não desistam da luta.

Ouçam bem: eles pensam que nos venceram, mas estão enganados.

Sei que todos vamos lutar. Haverá contra eles a mais firme, incansável e enérgica oposição que um governo golpista pode sofrer. (…)

Esta história não acaba assim. Estou certa que a interrupção deste processo pelo golpe de estado não é definitiva. Nós voltaremos. Voltaremos para continuar nossa jornada rumo a um Brasil em que o povo é soberano.

Espero que saibamos nos unir em defesa de causas comuns a todos os progressistas, independentemente de filiação partidária ou posição política. Proponho que lutemos, todos juntos, contra o retrocesso, contra a agenda conservadora, contra a extinção de direitos, pela soberania nacional e pelo restabelecimento pleno da democracia.”

Pois é. O penúltimo golpe sofrido pela democracia no Brasil exigiu 20 anos de lutas e causou atraso irrecuperável na caminhada dos brasileiros rumo a uma sociedade mais justa e igualitária. Só posso esperar que, desta vez, se revertam mais rapidamente as consequências desse golpe.

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

11 comentários sobre “Dilma escolhe Maiakovski como seu guia no inferno

  1. Dilma não erra quando chama o golpe de golpe. Como diz o Janio de Freitas em seu artigo de hoje na Folha (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/janiodefreitas/2016/09/1809033-nenhum-golpista-ja-admitiu-ser-golpista.shtml):

    “Os que negam o golpe o fazem como todos os seus antecessores em todos os tempos: nenhum golpista admitiu ser participante ou apoiador de um golpe. Desde o seu primeiro momento e ainda pelos seus remanescentes, o golpe de 1964, por exemplo, foi chamado por seus adeptos de “Revolução Democrática de 64”. Alguns, com certo pudor, às vezes disseram ser uma revolução preventiva. É o que faz agora, esquerdista extremado naquele tempo, o deputado José Aníbal, do PSDB, sobre a derrubada de Dilma: “É a democracia se protegendo”. Dentre os possíveis exemplos pessoais, talvez nenhum iguale Carlos Lacerda, que dedicou a maior parte da vida ao golpismo, mas não deixou de reagir com fúria se chamado de golpista.”

    Curtir

  2. Eu fiquei muito satisfeito com o impeachment. Acho que agora vai ficar mais fácil trazer de volta os milhões de dólares surrupiados pelo governo petista e que se acham depositados em contas secretas em paraísos fiscais. Torço ardentemente para que o Lula seja preso o mais rápido possível e que dona Dilma seja levada ao juiz Sérgio Moro para averiguações.

    Curtir

    • Incrível como você tem tantas certezas de crimes que outras pessoas cometeram, mesmo aqueles ainda nunca comprovados na esfera jurídica. Para um jornalista, estas certezas absolutas sem qualquer preocupação com a apuração dos fatos me surpreendem, até. Ou não 😀

      Curtir

  3. Não podemos continuar envenenando a sociedade difundindo essa idéia de “golpe” e de resposta radical com protestos na rua ao impeachment. Isso faz mal ao Brasil, um país tradicionalmente pacífico e só serve para alimentar ódios e ressentimentos. O PT está saindo de cena como começou, ou seja, pregando o “quanto pior melhor”.

    Curtir

    • Para mim e para meu pai, autores deste blog, houve golpe. E não só para nós dois, mas para uma imensa quantidade de pessoas muito respeitáveis, a quem admiro muito (ver algumas aqui: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/04/1759881-ao-lado-de-lula-artistas-e-intelectuais-lancam-manifesto-contra-golpe.shtml ou aqui (estrangeiros): http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/44497/intelectuais+estrangeiros+criticam+golpe+branco+e+manifestam+solidariedade+a+brasileiros.shtml). E, espero estar enganada, mas prevejo um Brasil muito pior nos próximos anos.

      Curtir

    • Lana, tudo bem? “Isso faz mal ao Brasil, um país tradicionalmente pacífico”. Será? Com dezenas de milhares de pessoas sendo assassinadas anualmente no Brasil, por pequenas e grandes rixas, número maior do que o de muitos países em guerra? Melhor mesmo protestar nas ruas do que sair por aí matando. Protesto e catarse não rimam, mas pode ser uma solução.

      Quanto a se foi ou não golpe – eu acredito que foi, você não – há controvérsias, como diz o Veríssimo:

      “Acabou não sendo nem uma questão política nem uma questão jurídica, mas uma questão semântica. Afinal, o que o governo Dilma fez foi crime ou não foi crime? Na interpretação da acusação, foi crime imputável (horrível palavra) evidente. Para a defesa, não foi. Os argumentos dos dois lados eram incisivos e coerentes. No fim, a escolha foi entre dois tipos de histrionismos, já que era tudo teatro mesmo — e, no fim, não fez a menor diferença, pois os 61 senadores que imputaram (desculpe) a Dilma e os poucos que estavam a seu favor já tinham a cabeça feita. Foi golpe ou não foi golpe? Outra questão semântica. Teve cara de golpe, cheiro de golpe, penteado de golpe — mas há controvérsias.”

      O artigo completo aqui: http://oglobo.globo.com/opiniao/verissimo/

      Ah, costumo respeitar as opiniões divergentes (você também, não?). É o que me livra de ter perdido muitos amigos nos últimos meses, tempos de muito ruído e fúria e sem significado algum — para citar Shakespeare.

      Grande abraço.

      Curtir

  4. Caro José de Castro,

    Estou só provocando. E pelo que vejo você continua lúcido e competente naquilo que faz. Parabéns. Não podemos deixar os anos nos vencerem.
    Um abraço,

    Curtir

  5. Caro José de Castro,

    Vejo que continua bem posicionado e muito lúcido na defesa de suas teses. Afiado como sempre. Valeu. Era só para provocar. Creio que vivemos um momento muito difícil e de frustração com o país. Parabéns pela sua postura. Formulo votos de saúde e bem-estar a todos, inclusive sua filha, que conheci aqui na redação do Tempo.
    Um abraço

    Curtir

    • Obrigado pelos elogios, Lana. Faço o que posso para merecê-los. Vivemos juntos algumas batalhas importantes nos tempos da ditadura, batucando o teclado das Olivettis, época em que micro computador em redações não existia nem em sonhos. Entendo perfeitamente o seu desejo de provocar. Afinal, jornalista vive disso. É o que eu procuro fazer, nos meus escritos, sobretudo em tempos de Febeapa.

      Curtir

  6. Quando o PT elegeu Lula, eu, que jamais seria petista, pensei: vamos esperar que tudo dê certo. Deu por pouco tempo, degringolou, descemos ao fundo do poço. Do jeito que estava não nos levaria a nada, e o impeachment foi feito de acordo e levantou a ponta do tapete. Agora, POR FAVOr, vamos deixar de mimimi e dar uma chance ao presidente que vocês petistas elegeram pois ele também teve votos. Deixem de blablabla…

    Curtir

  7. Respeitosamente devo discordar de alguns colegas, não foi golpe, foi um ataque à soberania nacional, trata-se de guerra cibernética. O objetivo é meramente econômico, algo como dolo eventual, sigam o dinheiro que encontrão Platão.

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s