Cármen Lúcia não quer ser presidenta

Fernando Frazão/Agência Brasil

Ministra Cármen Lúcia assume a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) para mandato de 2 anos. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Texto escrito por José de Souza Castro:

Advogados, cuidado. Não chamem a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, de presidenta. Eu, que não sou advogado, acho que vou chamá-la de presidenta, por coerência: como sempre chamei Dilma Rousseff de presidente, sabendo que ela preferia presidenta, não é justo que, agora, acate a preferência dessa mineira de Montes Claros que disse, ao ser confirmada no cargo, o seguinte: “Eu fui estudante e sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não?”.

Para quem não gosta de acessar links, abaixo, o que se lê no link indicado:

“A ministra Cármen Lúcia vai presidir o Supremo Tribunal Federal e o Conselho Nacional de Justiça. Ela assume em setembro, para um mandato de dois anos. O vice-presidente vai ser o ministro Dias Toffoli. Ao passar a palavra à ministra Cármen Lúcia, o atual presidente, Ricardo Lewandowski, quis saber como ela prefere ser tratada.

“Então, eu concedo a palavra à eminente ministra Cármen Lúcia, nossa presidenta eleita. Ou presidente?”, pergunta Lewandowski.

“Eu fui estudante e sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não?”, brinca Cármen Lúcia.

“É bom esclarecer desde logo, não é?”, diz rindo Lewandowski.”

Longe de mim achar que Cármen Lúcia não foi boa estudante. Ela tem currículo brilhante, com mestrado pela UFMG e doutorado pela USP, sendo professora da PUC Minas; foi nomeada procuradora-geral do Estado pelo governador Itamar Franco e, em 2006, indicada ministra do Supremo pelo presidente Lula.

A ministra deve conhecer bem sua língua nativa. Mas escorregou, ao achar que presidenta é uma agressão à língua portuguesa. Tanto não é que a palavra está registrada no site da Academia Brasileira de Letras, como se pode verificar AQUI ao ser fazer uma busca.

Talvez a segunda mulher a ocupar um cargo de ministra do Supremo saiba disso, e apenas quis dar uma ferroada na primeira mulher eleita presidenta do Brasil, por duas vezes. Se é isso, Cármen Lúcia deve saber como se defender dessa crítica ácida que se lê AQUI:

'Sou amante da língua portuguesa', alfinetou ela. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

‘Sou amante da língua portuguesa’, alfinetou ela. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

“O que levou a ministra Cármen Lúcia a ser tão deselegante, tão impiedosa e tão maldosa exatamente no dia em que foi eleita para suceder Lewandowski no comando do STF?

A única resposta que me ocorre é uma combinação letal de ódio no coração com ignorância presunçosa.

Dizer que quer ser tratada como “presidente”, tudo bem. Mas afirmar que quer isso por ser “amante da língua portuguesa” é ao mesmo tempo uma crueldade com Dilma e um disparate linguístico.”

Modestamente, já tive ocasião de tratar no blog dessa questão de presidente versus presidenta. E informar, com base num artigo de Sandra Starling, o seguinte:

JK. Foto: Governo do Brasil

Foto: Governo do Brasil

“No dia 2 de abril de 1956, o presidente Juscelino Kubitschek sancionou projeto de lei de autoria do senador Mozart Lago, do Rio de Janeiro, transformando-o na lei federal nº 2.749. Esta lei determina que devem ser chamadas de presidentas todas as funcionárias públicas que ocupem a presidência em órgãos ou empresas da administração direta ou indireta.”

Pois é: eu não cumpri a lei de JK, até agora. Passarei a cumprir, quando me referir à presidenta Cármen Lúcia. E continuarei chamando Dilma de presidente – ou, quem sabe, ex-presidente. Espero, assim, ficar bem com todos os leitores.

Leia também:

faceblogttblogPague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Anúncios

2 comentários sobre “Cármen Lúcia não quer ser presidenta

  1. Já me acostumei à falta de comentários aos meus artigos. Tento, na medida do possível, suprir a ausência com meus próprios comentários. Então, recomendo a leitura deste artigo do professor Pasquale: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/pasquale/2016/08/1804215-data-venia-ministra-carmen-lucia-o-cargo-e-de-presidente-ou-presidenta.shtml

    Trecho:
    “A terminação “-nte”, que vem do particípio presente latino, forma (em português e em outras línguas) adjetivos e substantivos que indicam a noção de “agente” (“pedinte”, “caminhante”, “assaltante”).

    99,9999% desses termos não têm variação; o que varia é o artigo ou outro determinante (o/a viajante, o/a estudante, nosso/nossa comandante), mas é claro que há exceções.

    Uma delas é justamente “presidenta”, registrada há mais de um século. Na sua edição de 1913, o dicionário de Cândido de Figueiredo registra “presidenta”, como “neologismo”. Um século depois, esse “neo-” perdeu a razão. A edição de 1939 do “Vocabulário Ortográfico” registra o termo. A última edição de cada um dos nossos mais importantes dicionários e a do “Vocabulário Ortográfico” também registram.

    Deve-se tomar muito cuidado quando se usa como argumento o registro num dicionário. Nada de dizer que “a palavra existe porque está no dicionário”; é o contrário, ou seja, a palavra está no dicionário porque existe, porque tem uso em determinado registro linguístico.

    Tenho profundo respeito pela ministra Cármen Lúcia, não só pela liturgia do cargo, mas também e sobretudo pela altivez com que o professa. Justamente por isso, ouso dizer que teria sido melhor ela ter dito simplesmente “Prefiro presidente”.’

    Curtir

Deixe aqui seu comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s