‘Corra!’ Por mais terror em relevância e por mais racismo em discussão no Oscar

Vale a pena assistir: CORRA! (Get Out)
Nota 8

Este filme teve a incrível capacidade de começar bem como um romance água-com-açúcar, subir o tom para um filme de crítica social, com cenas de racismo a cada esquina, e virar de repente a curva para o suspense e o terror.

Gostei especialmente de o diretor e roteirista estreante Jordan Peele ter se aproveitado da escola clássica de Hitchcock ao pensar em cenas arrepiantes, mas, ao mesmo tempo, muito sutis. Algumas viradas de cabeça fora de lugar, um camarada correndo tarde da noite na nossa direção, uns violinos apavorantes, uma colherinha de prata girando insistentemente na xícara: poucos elementos, praticamente nenhum sangue, e o suspense na medida certa.

A trilha sonora criada por Michael Abels só para o filme é especialmente assustadora:

Ela é toda cantada em suaíli, língua falada no Quênia, na Tanzânia e na Uganda, e traz basicamente mensagens de alerta para o protagonista: “Brother, corra! Ouça os mais velhos! Fuja! Salve-se!”. É o nome do filme explicitado em forma de música. E é o pensamento que passa pela cabeça de todo mundo quando assiste a um bom filme de terror, né? A pergunta constante: por que você não vai embora logo, meu filho? Talvez as pessoas, mesmo as da vida real, gostem de um pouco de risco, assim como nós gostamos de assistir às cenas assustadoras dos filmes de terror.

Esta é a sinopse curtinha, só para quem não sabe nada do filme: Continuar lendo

Anúncios