Ao menininho de Aleppo


Este slideshow necessita de JavaScript.

Texto escrito por Eduardo Augusto*:

 

Tudo estava claro. Depois veio um estrondo. Tudo ficou escuro. Homens gritam lá fora. Um deles me pegou no colo, me sentou numa cadeira. O lugar está muito claro. Meu cabelo tá sujo. Sujou. Tem uma coisa escorrendo no meu rosto…

(Os militares sírios realizaram um ataque aéreo onde morava o menino Omran Daqneesh com sua família. O ataque foi uma resposta às ações das forças contrárias ao governo Bahsar al-Assad. Era o dia 18 de agosto de 2016).

*

Querido Omran Daqneesh, suas mãos tão pequenas me comovem. Elas tocam o seu rosto ensaguentado. Talvez você nem saiba o que é sangue. Me comovo também, quando você olha pra sua mão. Estará nela inscrito um mapa que nos mostrará a saída? Agora, já são três crianças na ambulância.  Elas estão tão paralisadas quanto você! Três preciosas vidas. Haverá outras a serem resgatadas dos escombros da maldade e da ignorância humanas? Continuar lendo

Anúncios